UGT defende aumento do salário mínimo para 660 euros em 2020

Pedro Nunes / Lusa

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva

A União Geral de Trabalhadores (UGT) reivindicou, esta segunda-feira, a subida do salário mínimo para 660 euros em 2020, para que se atinja um patamar de, pelo menos, 800 euros no final da próxima legislatura (2023).

“Nós vamos propor ao país, ao Governo e à Concertação Social um salário mínimo para 2020 de 660 euros“, disse o secretário-geral da UGT, Carlos Silva, em declarações aos jornalistas, depois de uma reunião do secretariado nacional sobre a política reivindicativa 2019/2020, que decorreu no Centro de Congressos de Portalegre.

A UGT recorda que, após o fim do congelamento do salário mínimo em 2014, se tivesse existido uma atualização com crescimentos médios de 4,7% ano, em 2019, o salário mínimo seria de 638,80 euros e não de 600 euros.

O sindicalista espera também que as entidades patronais “não sejam piegas” nos próximos anos em relação a esta matéria, apresentando, ainda, como “condição”, que se consiga atingir em 2023 um salário mínimo de, pelo menos, os 800 euros.

“Uma vez que vai voltar para a Concertação Social e que nós aplaudimos, então, também, os patrões portugueses não sejam piegas e tenham a capacidade de, como já ouvi o senhor presidente da Confederação do Turismo de Portugal, dizer que é preciso aumentar o salário mínimo. Então, que tenhamos condições na próxima legislatura de quatro anos, que se chegue a 2023, com um mínimo de 800 euros”, defendeu.

Para Carlos Silva seria também “interessante” chegar a esse valor em 2023, dando como exemplo o que se está a passar em Espanha em relação às políticas relacionadas com o salário mínimo.

“Era, efetivamente, um patamar interessante até por comparação com a vizinha Espanha. Em Portugal, costuma dizer o primeiro-ministro, quando se constipam em Espanha nós aqui também nos constipamos, ou quando dão lá um espirro constipamo-nos nós, então era bom sinal que também do ponto de vista salarial acompanhássemos o salário mínimo em Espanha que já vai para os 900 euros“, disse.

O secretário-geral da UGT, que defendeu que o combate à precariedade tem de ser uma “aposta” do próximo Governo, sublinhou ainda que Portugal está na “cauda da Europa” em termos de salários médios, porque a carga fiscal é “tremenda”.

A UGT defende a reposição dos oito escalões existentes antes da crise financeira, bem como a uma “revisão” e “redução” de taxas de IRS, por forma a “concluir” a trajetória de desagravamento fiscal para “todos” os contribuintes.

“Nós vamos propor ao Governo, como está no documento (Política Reivindicativa da UGT), uma revisão dos escalões”, disse.

“Até agora, o Governo, instalou muito a sua intervenção nos rendimentos, sobretudo, dos mais frágeis, quem ganha menos, e as pensões mais baixas. Nós temos que olhar agora para a classe média”, defendeu.

Em relação aos salários da administração pública, Carlos Silva deixou também um “aviso” ao próximo Governo, defendendo aumentos salariais “para todos” os trabalhadores.

“O doutor Mário Centeno, se continuar a ser ministro da Finanças, ou outro Mário Centeno que venha por aí, é preciso perceber que, eventualmente, os 200 milhões que falou são os mesmos dos 50 milhões que falou no ano passado. Portanto não chega, naturalmente, para dar à administração pública a folga necessária para as pessoas poderem respirar”, alertou.

O secretário-geral da UGT lamentou ainda o comportamento da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP), que solicitou apoio há dois anos para a redução do IVA na restauração, dando na altura como “contrapartidas” a criação de “60 mil postos de trabalho líquidos”, bem como “melhores condições de trabalho” para todos aqueles que vivem do setor.

“Hoje é um dos setores mais precários da economia em Portugal e, portanto, o nosso apoio não viu traduzido em realidade precisamente o complemento que era haver menos precariedade e haver melhores salários”, lamentou.

Também o setor do turismo, que considera ser um “balão de oxigénio” para a indústria e para o crescimento da economia, mereceu algumas críticas do secretário-geral da UGT.

“A pergunta que nós deixamos ao país é: e então os trabalhadores do setor turismo, também viram melhorados os seus salários e viram melhorado o combate à precariedade, são desafios que nós temos para a próxima legislatura”, disse.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Associação de Juízes pede urgência na aprovação de lei sobre suspensão de prazos processuais

A Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP) pediu esta segunda-feira ao Governo e ao parlamento a "maior urgência" na aprovação da proposta de lei que determina a suspensão dos prazos nos processos judiciais não urgentes. Segundo …

Marisa Matias e João Ferreira ficam sem subvenção pública

As candidaturas de João Ferreira e Marisa Matias não vão receber a subvenção pública para financiar as suas campanhas eleitorais, uma vez que ficaram abaixo dos 5%, a fasquia imposta pela lei para ter acesso …

Misericórdias de Viseu apelam ao bom senso na vacinação

O presidente do secretariado regional de Viseu da União das Misericórdias disse esta segunda-feira à agência Lusa que na vacinação contra a covid-19 “tem de haver bom senso” e explicou que, quando sobram vacinas, “têm …

Quatro futebolistas e presidente do Palmas morrem em queda de avioneta no Brasil

Quatro futebolistas e o presidente do Palmas morreram ontem num acidente de aviação a caminho de Goiânia, onde a equipa da quarta divisão brasileira ia defrontar o Vila Nova na Taça Verde. "Lamentamos informar que não …

Marcelo bate recorde de Mário Soares. É o primeiro a ganhar em todos os concelhos

Marcelo Rebelo de Sousa foi o primeiro candidato a ganhar todos os concelhos numas eleições presidenciais em democracia. O candidato a Presidente da República e reeleito para o cargo, Marcelo Rebelo de Sousa, ganhou a votação …

Portugal regista mais 252 mortes e 6.923 casos de covid-19

Portugal registou, esta segunda-feira, mais 252 mortes e 6.923 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde, …

Pintor Francisco Gaia morre aos 87 anos

O pintor e escultor Francisco Gaia, que realizou exposições nos Estados Unidos, Holanda e Portugal, morreu no sábado, em Vila Franca de Xira, aos 87 anos, vítima de covid-19, disse a família à agência Lusa …

"El Chapo asiático", um dos traficantes mais procurados do mundo, detido em Amesterdão

Tse Chi Lop, o líder do The Company, uma rede criminosa que domina um mercado ilegal de drogas em toda a Ásia, avaliada em mais de 70 mil milhões de dólares, foi detido na sexta-feira …

Bernardo Silva desmente treinador Renato Paiva e atira: "Depois do ingrato, impaciente"

Bernardo Silva recorreu neste fim-de-semana às redes sociais para desmentir as declarações de Renato Paiva, treinador da formação do SL Benfica, que afirmou que o internacional português não teve paciência para esperar pela sua oportunidade …

Utentes de lares "retidos" no hospital ao testar positivo ao fim de 10 dias. "Critérios estão errados", dizem médicos

Numa altura em que os hospitais já estão a chegar ao seu limite de lotação, uma norma da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre pacientes dos lares ou estruturas de cuidados paliativos ou integrados está a …