Trump assinou ordem executiva que limita atos de violência policial

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, assinou na terça-feira um decreto que limita atos de violência policial e oferece incentivos financeiros aos departamentos de polícia que melhorem os seus padrões de treino no uso da força, revelou a agência Lusa.

A medida procura ser uma resposta às manifestações de protesto contra o racismo e a violência policial que se multiplicaram pelos EUA, após a morte de George Floyd, o afro-americano que morreu asfixiado sob escolta policial, em Minneapolis, no passado dia 25.

“Esses padrões (para o comportamento da polícia) serão tão elevados e rigorosos quanto for possível”, disse Trump aos jornalistas, minutos antes de assinar a ordem executiva desta medida, na Casa Branca.

O Presidente explicou que os novos protocolos devem incluir a proibição de estrangulamento como forma de detenção – o procedimento que provocou a morte de Floyd e que tem sido alvo de fortes críticas. A ordem executiva inclui ainda a criação de um banco de dados com o histórico de uso excessivo de força por parte das autoridades.



Trump reuniu também com familiares de afro-americanos que perderam a vida em episódios de violência policial. “A todas as famílias afetadas, quero que saibam que todos os americanos choram ao vosso lado”, disse, prometendo que essas vítimas não “terão morrido em vão”, embora não tenha feito qualquer menção ao racismo sistémico.

O Presidente norte-americano voltou a dizer que é contra o corte de fundos para as forças de segurança e criticou os autarcas de várias cidades que defendem essa hipótese, respondendo agora com incentivos aos departamentos que derem melhor resposta nos protocolos de uso de força em ações de detenção.

“Reduzir o crime e elevar os padrões não são objetivos opostos”, explicou Trump, que tem criticado os manifestantes que têm provocado distúrbios em várias cidades e que definiu o seu plano como uma alternativa ao movimento de “enfraquecimento da polícia”, que criticou como sendo “radical e perigoso”.

“Os americanos sabem a verdade. Sem polícia, há o caos. Sem lei, há anarquia. Sem segurança, há catástrofe”, sublinhou, assinando a ordem executiva ladeado de vários oficiais de polícia.

Ao mesmo tempo que Trump assinava esta ordem executiva, os senadores republicanos prepararam o seu próprio pacote de medidas sobre mudanças nas práticas policiais, em resposta às propostas que os democratas já apresentaram no Congresso para controlar a possibilidade de uso de violência por parte dos agentes.

O senador Tim Scott, da Carolina do Sul, o único republicano afro-americano no Senado, está a elaborar essas reformas, que excluem o uso de estrangulamentos e aconselham o uso de câmaras de vídeo corporais, para registar imagens dos incidentes.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cuba está a criar o seu próprio smartphone (e conta com a ajuda da Huawei)

O Governo cubano está a trabalhar na produção de um novo smartphone, que terá um sistema operativo original e conta com a ajuda da empresa chinesa Huawei. De acordo com a revista Vice, o projeto é …

Funcionários russos que recusem vacina arriscam licença sem vencimento

Os funcionários russos que recusem vacinar-se contra o novo coronavírus, em regiões onde a vacina seja obrigatória, arriscam-se a uma licença sem vencimento, anunciou o ministro do Trabalho da Rússia, Anton Kotiakov. "Se as autoridades de …

Vacina cubana com eficácia de 62% após segunda das três doses previstas

A vacina cubana contra a covid-19 atingiu uma eficácia de 62% após a injeção de duas das três doses previstas, um resultado que excede os 50% exigidos pela Organização Mundial de Saúde (OMS), anunciou o …

Miguel Oliveira em segundo lugar no GP da Alemanha de MotoGP

O piloto português Miguel Oliveira (KTM) terminou hoje na segunda posição o Grande Prémio da Alemanha de MotoGP, oitava prova do Mundial de velocidade de motociclismo, vencida pelo espanhol Marc Márquez (Honda). Miguel Oliveira, que partiu …

Mais três mortos e 941 novos casos de covid nas últimas 24 horas

Portugal voltou a registar nas últimas 24 horas uma ligeira redução no número de infeções confirmadas pelo coronavírus SARS-CoV-2, com 941 casos, e três mortes associadas à covid-19, segundo a Direção-Geral da Saúde. O boletim epidemiológico …

"Cemitério verde". Estado de Oregon irá permitir (brevemente) a compostagem de corpos humanos

O estado de Oregon tornou-se o terceiro dos Estados Unidos a legalizar um novo processo de compostagem do corpo humano. A governadora do Oregon, Kate Brown, aprovou o projeto de lei que irá permitir o sepultamento …

Responsável pelo RGPD demitido por Medina trabalhava há 33 anos na Câmara de Lisboa

O encarregado de proteção de dados da Câmara Municipal de Lisboa, que o presidente Fernando Medina exonerou devido à polémica da partilha de dados de ativistas com a embaixada da Rússia, trabalhava na autarquia há …

Portugal quase a entrar na "zona vermelha de risco". Variante Delta prevalece em Lisboa e Vale do Tejo

A região de Lisboa está sobre pressão há algumas semanas, mas o resto do país também está prestes a entrar numa situação epidemiológica menos boa. A incidência nacional encontra-se próxima dos 120 casos por 100 …

Pandemia continua a "empurrar" reclusos para fora das grades. Já saíram 2850

As cadeias portuguesas continuam a soltar reclusos que ainda não cumpriram toda a pena, numa altura em que não existem praticamente casos de infecção por covid-19 no sistema prisional. O regime especial de perdão das penas, …

Condutor de carrinha atropela participantes em desfile LGBT (e faz um morto)

O condutor de uma carrinha atropelou pessoas que desfilavam numa marcha de "orgulho gay" em Wilton Manors, perto de Fort Lauderdale na Florida, causando pelo menos um morto e ferindo outra. As autoridades estão ainda a …