Tratamento genético resgata células mortas em cérebro de doentes de Alzheimer

Um estudo clínico da Universidade da Califórnia conseguiu, através de um tratamento genético experimental, reduzir a taxa de células nervosas mortas ou degeneradas no cérebro de pacientes com Alzheimer.

Ao injetarem um fator de crescimento neuronal no cérebro desses pacientes, as células mortas foram resgatadas, aumentando o seu crescimento e induzindo o surgimento de novas fibras. Em alguns casos, os efeitos benéficos persistiram por 10 anos.

Os novos resultados são resultados preliminares dos primeiros testes feitos em humanos que testaram os benefícios potenciais do fator de crescimento neuronal, NGF, em pacientes com Alzheimer.

O NGF foi descoberto na década de 1940 por Rita Levi-Montalcini, que demonstrou que a pequena proteína promove a sobrevivência de certos subtipos de neurónios sensoriais durante o desenvolvimento do sistema nervoso.

Desde então, outros estudos demonstraram que o fator também promove a sobrevivência de células produtoras de acetilcolina no cérebro, que morrem com a doença de Alzheimer.

O tratamento

Na primeira fase, oito pacientes com Alzheimer leve foram submetidos a uma biópsia da pele das costas, no sentido de serem isoladas células do tecido conjuntivo chamadas fibroblastos, geneticamente modificadas para expressar os genes de NGF, que depois foram implantados nas células do cérebro desses pacientes.

Um destes pacientes morreu cinco semanas depois de ser submetido ao tratamento.

A equipa do cientista Mark H. Tuszynski, investigador da Universidade de San Diego, da Califórnia, autor do estudo, obteve permissão para realizar uma autópsia e, em 2005, relatou que o tratamento ajudou a encontrar respostas sobre o crescimento das células sem causar efeitos adversos.

Os últimos resultados vêm de exames post-mortem dos cérebros desses pacientes, os quais também tinham sido recrutados num estudo entre março de 2001 e outubro de 2012, para serem submetidos à terapia.

Alguns dos participantes morreram até um ano após o tratamento, outros sobreviveram por um período de até 10 anos.

A autópsia dos cérebros revelou que todos os pacientes tinham respondido ao tratamento, ou seja, todas as amostras de tecido do cérebro continham neurónios doentes, conforme o esperado, mas na região do cérebro que recebeu o NGF tinham nascido fibras axonais nas células, e nas restantes partes do cérebro não foi visto o mesmo resultado.

Nenhum dos pacientes apresentou efeitos adversos ao longo do tratamento.

Os resultados preliminares do estudo sugerem que as células sintetizam o NGF e aumentam muito a sua concentração em torno do local onde foi administrado.

Segundo os cientistas, as respostas das células ao NGF podem persistir durante anos no cérebro.

Como a segunda fase do estudo ainda está em curso, é cedo para dizer se o tratamento pode ser eficaz para tratar o Alzheimer, enfatizam os cientistas.

Porém, acreditam que esta é uma estratégia viável para combater o Alzheimer e outras doenças neurodegenerativas.

Move

PARTILHAR

RESPONDER

"Raro" busto do faraó Ramsés II encontrado no Egito

Um "raro" busto do faraó Ramsés II foi encontrado num terreno particular perto do templo de Ptah, perto da antiga cidade Memphis, a 30 quilómetros a sul do Cairo, anunciou esta semana o Ministério das …

Eldorado fiscal. Governo admite taxar reformados estrangeiros

O Governo admite vir a taxar reformados estrangeiros que vivem em Portugal, avançou o semanário Expresso, dando conta que o dossiê voltou ao Conselho de Ministros no encontro deste sábado. Os reformados estrangeiros que estão …

Francisco Rodrigues dos Santos anuncia candidatura à liderança do CDS

Francisco Rodrigues dos Santos anunciou, no Facebook, novidades para terça-feira, às 21h, num hotel do Porto. Luís Marques Mendes disse, na SIC, que será nessa altura que apresentará a sua candidatura à liderança do CDS. …

Até os dinossauros tinham piolhos

Insetos ancestrais semelhantes ao piolhos modernos parasitavam os dinossauros, alimentando-se das com suas penas, como evidenciado por um novo par de fósseis em âmbar. Por vezes, os pássaros modernos são infestados por piolhos que mastigam e …

Simeone confessa que gostava que João Félix "tivesse mais gasolina"

O treinador do Atlético de Madrid, Diego Simeone, elogiou João Félix no final da partida deste sábado contra o Osasuna, mas confessou que gostava que o internacional português "tivesse mais gasolina na fase final dos …

Ex-diretor do FBI admite que houve "negligência" na investigação da ingerência russa

O ex-diretor do FBI James Comey admitiu este domingo que “verdadeiras negligências” foram cometidas pela polícia federal no início da investigação sobre a ingerência da Rússia nas eleições presidenciais de 2016 nos Estados Unidos. Donald Trump, …

"Alcochete sempre". Equipa do Sporting vaiada à chegada aos Açores

A comitiva do Sporting foi este domingo vaiada à chegada ao hotel em Ponta Delgada, nos Açores, na véspera do jogo contra o Santa Clara. "Alcochete sempre", gritou um grupo de cerca de 30 adeptos à …

Os seus genes não são o único fator que determina o risco de Alzheimer

O desenvolvimento da doença de Alzheimer não está exclusivamente ligado à genética, sugere um artigo científico publicado recentemente. No primeiro estudo publicado sobre a doença de Alzheimer em trigémeos idênticos, os cientistas descobriram que, apesar de …

"Poções do amor" podem tornar-se na solução para uma relação eterna

Numa verdadeira fusão entre ficção e realidade, as nossas relações amorosas podem vir a ser salvas por uma "poção do amor". A solução passa por se recorrer à manipulação química do amor para tentar que …

Há uma segunda população estelar no disco espesso da Via Láctea

As estrelas que compõem o disco espesso da Via Láctea pertencem a duas populações estelares distintas, com características diferentes. Um novo estudo sobre a composição cinemática e química de uma amostra de estrelas nas proximidades do …