Tonga fica sem acesso à internet depois de o único cabo que sustentava as comunicações ter partido. Ameaça da covid-19 atormenta ilhas

Tonga Meteorological Services

Situação pode demorar duas semanas a ser resolvida, o que dificulta o cálculo dos danos provocados pela erupção.

A juntar aos incalculáveis danos que a erupção vulcânica subaquática provocou nas ilhas, o Tonga enfrenta mais dificuldades num regresso à normalidade que se prevê longo e difícil. O único cabo submarino de comunicação que ligava as ilhas ao resto do mundo quebrou, provocando a interrupção das comunicações internacionais e domésticas, e o governo não espera que o problema seja resolvido em menos de duas semanas.

Segundo o Observador, para o trabalho de manutenção é necessária a intervenção de um navio especializado no arranjo, no entanto, a embarcação mais próxima é a Reliance, pertencente à empresa norte-americana SubCom, atracada a 4.700 quilómetros de distância, na Papua Nova Guiné, pelo que demoraria dias a chegar ao território. Craige Sloots, diretor de marketing e vendas da Southern Cross Cable Network — a operar no setor — antecipa por isso que a reestabelecimento das ligações possa demorar até duas semanas, cita a mesma fonte.

O cabo em questão tem 827 quilómetros, a sua espessura é semelhante à de uma mangueira de jardim e é protegido por um transmissor localizado na ilhas Fiji — o segundo vizinho mais próximo do Tonga. Esta limitação podem representar uma dificuldade acrescida para o cálculo dos danos da erupção do vulcão, já que só é possível entrar em contacto com as ilhas através de telefones via satélite.

Ainda de acordo com o Observador, 99% do tráfego internacional da internet ocorre através de cabos submarinos, estimando-se que haja 436 cabos com uma extensão total de 1,3 milhões de quilómetros. No entanto, este incidente vem mostrar novamente a fragilidade do sistema em que está assente a era moderna da internet, mas também as desigualdades entre os países ricos e pobres. Os Estados Unidos da América, por exemplo, estão ligados ao mundo por vários cabos, pelo que dificilmente se veriam numa situação semelhante.

As ilhas batem-se neste momento com questões complicadas, nomeadamente com a chegada de ajuda humanitária internacional, a qual constitui uma ameaça ao nível da pandemia da covid-19 num território que não detetou nenhum caso positivo desde o início da crise sanitária. Nas últimas horas, as autoridades do país rejeitaram ajuda australiana depois de ter sido detetado nos membros da tripulação um caso positivo detetado através de um teste PCR cujo resultado só foi conhecido quando a aeronave já estava em viagem.

Posteriormente, os mantimentos foram deslocados para outro voo que partiria em direção ao Tonga mais tarde. Na segunda-feira, Zed Seselja, ministro australiano para o desenvolvimento internacional e para o Pacífico, esclareceu que a Austrália tinha desenvolvido protocolos para que “a ajuda humanitária pudesse ser prestada de forma segura” durante a pandemia da covid-19, o que deveria passar por um contacto mínimo entre pessoas. O responsável disse ainda que as entidades australianas estavam “comprometidas com qualquer exigência que o governo do Tonga impusesse a outros indivíduos para entrarem no país”.

Respeitamos em absoluto a necessidade e o desejo da população do Tonga de se certificarem que não têm a covid-19 a entrar no país, mesmo que seja através de voos humanitários”, esclareceu Zed Seselja, citado pelo The Guardian.

  Ana Rita Moutinho, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE