Tiago Rodrigues é o próximo diretor do Festival d’Avignon, um dos maiores eventos de teatro do mundo

(dr) France Bleu Vaucluse

O dramaturgo e encenador português Tiago Rodrigues.

O encenador, ator e autor português Tiago Rodrigues vai dirigir o Festival d’Avignon, um dos mais importantes eventos de teatro do mundo, a partir de 2023, anunciou hoje a organização.

Numa das edições mais especiais do Festival d’Avignon, que assinala o regresso do certame após o cancelamento da edição de 2020 devido à pandemia, Tiago Rodrigues foi escolhido como o próximo diretor deste encontro de teatro e artes performativas à escala global, sucedendo a Olivier Py, cujo mandato termina no próximo verão.

A estreia da mais recente peça de Tiago Rodrigues marca hoje o arranque da 75.ª edição do festival naquela localidade francesa.

O festival desenrola-se até dia 25 e “O Cerejal”, de Anton Tchekhov, com encenação do diretor artístico do Teatro Nacional D. Maria II, vai fazer mais 10 récitas, para lá da estreia, até dia 17 de julho.

A apresentação da sua peça vai acontecer no emblemático e recém-restaurado Cour des Palais des Papes, o coração do Festival d’Avignon, onde Tiago Rodrigues vai dirigir, entre outros atores, a francesa Isabelle Huppert.

Tiago Rodrigues disse hoje que este é o “festival mais belo do mundo”, agradecendo a França por ser novamente país de acolhimento, depois de ter recebido o seu pai durante a ditadura.

“Estou muito feliz por ser nomeado como próximo diretor do Festival d’Avignon. É o festival mais belo do mundo. É uma aventura a que vou consagrar todas as minhas energias, tentando continuar esta manifestação artística e de democratização do teatro”, afirmou hoje Tiago Rodrigues, em conferência de imprensa, no claustro do Palácio dos Papas, naquela localidade francesa.

“Quero agradecer à França, país de acolhimento, uma sociedade diversa e aberta, que acolheu tantos portugueses, emigrantes e exilados. Entre eles, o meu pai, que escapou à ditadura portuguesa. Agora, este país, acolhe o seu filho”, afirmou.

Segundo o jornal Público, Tiago Rodrigues concorria à direção do festival com mais três candidatos: José Manuel Gonçalves, diretor do centro cultural Centquatre, em Paris; Claire Lasne-Darcueil, diretora do Conservatório Nacional Superior de Arte Dramática; e Romaric Daurier, diretor do teatro nacional Le Phénix.

Tiago Rodrigues disse que vai deixar o Teatro Nacional D. Maria II nos próximos meses, agradecendo hoje em Avinhão à equipa que o acompanhou até agora em Portugal.

Na conferência de imprensa, Tiago Rodrigues falou em francês e português.

O próximo diretor do festival, que sucede a Olivier Py e se torna no primeiro responsável do evento fora da francofonia, disse-se “apaixonado” por Avinhão e que sempre foi bem acolhido nesta cidade da Provença.

“Fui muito bem acolhido aqui, desde a primeira vez que vim. É enorme, é caloroso e alimentou uma paixão que agora se consuma”, concluiu.

Em 1946, o Festival d’Avignon começou por ser uma mostra de artes plásticas organizada por René Char, Christian Zervos e Yvonne Zervos, à qual se juntou Jean Vilar, ator e encenador, com três peças de teatro.

Jean Vilar acabou por ser o grande impulsionador do festival e lutou até ao fim da sua vida pela democratização do teatro. Foi também o diretor do Festival até à sua morte em 1971, tendo sido sucedido por diversas figuras de relevo do teatro.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Vieira continua em domiciliária. MP vai pedir reforço de garantias de caução

O Ministério Público (MP) vai pedir reforço de garantias de caução por entender que o uso das ações da SAD do Benfica não é a forma apropriada. O Correio da Manhã avança, esta manhã, que o …

Investigadores suecos pagam 23 dólares a quem se vacinar contra a covid-19

Recompensa surge no âmbito de uma pesquisa que pretende avaliar o nível de eficácia de diferentes incentivos à vacinação contra a Covid-19. O estudo conta com a participação de 8.200 voluntários com menos de 60 …

Costa diz que Estado se curva "perante a memória" de Otelo. Mas BE condena ausência de luto nacional

O primeiro ministro, António Costa, e o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, decidiram não declarar luto nacional pela morte de Otelo Saraiva de Carvalho, Capitão de Abril. A líder do BE e o …

Catarina Martins volta a bater o pé e Jerónimo sublinha: "Ainda não há Orçamento"

Marcelo Rebelo de Sousa recebeu, esta terça-feira, o Bloco de Esquerda, o PCP e o CDS, em mais uma ronda de reuniões com os partidos com assento parlamentar. Se o objetivo do Presidente da República era …

Simone Biles, Jogos Olímpicos de Tóquio 2020

Simone Biles. O ouro olímpico não é sinónimo de paz, muito menos interior

Na sequência do escândalo Nassar, a opinião pública dos EUA concordou que não valia tudo no caminho até ao ouro olímpico — principalmente quando está em causa a dignidade humana. Com a sua principal estrela …

"Sinto que desci ao inferno". Polícias recordam ataque ao Capitólio

"É assim que vou morrer", "sinto que desci ao inferno" e "corri o risco de ser morto" são alguns dos relatos de polícias que presenciaram a invasão ao Capitólio. Começaram as audiências na comissão da Câmara …

Pandemia aumentou o preço dos carros usados. Venda de veículos novos caiu a pique

A procura por usados aumentou com a pandemia. Com menos carros novos a saírem dos concessionários, também por causa da crise dos chips, a oferta de usados é escassa, levando os preços a subirem. Um choque …

Jogos Olímpicos: três polémicas de arbitragem em 24 horas

Depois da pontuação controversa no surf, uma decisão que quase ninguém entendeu, no basquetebol, e uma revisão discutível no judo. A arbitragem não é, ou não é suposto ser, o foco de qualquer edição dos Jogos …

Rui Vitória quer levar Manafá para o Spartak Moscovo

O Spartak Moscovo, treinado por Rui Vitória, desistiu da contratação de Gabriel e apresentou agora uma proposta por Wilson Manafá. Desde que chegou a Moscovo para treinar o Spartak, Rui Vitória tem sondado alguns jogadores que …

Centro de Migrantes de Caxias seria pago pelo SEF com carros apreendidos e obras eram feitas por presos

As obras feitas para a construção de um Centro de Migrantes no complexo prisional de Caxias terão sido pagas pelo SEF com carros apreendidos. O Centro de Instalação Temporária de migrantes no complexo prisional de Caxias …