A Terra pode guardar um Oumuamua no seu interior

ESA / M. Kornmesser / European Southern Observatory

Uma parte da terra que pisamos poderia vir, literalmente, de outras regiões da galáxia – áreas muito distantes do local onde o planeta está localizado e que para chegar até aqui teriam que viajar anos-luz pelo espaço.

Essa é a conclusão de um estudo recentemente publicado no arXiv, que também sugere que a Via Láctea deveria estar cheia de rochas flutuantes como Oumuamua, o famoso asteróide interestelar que atingiu o Sistema Solar em outubro de 2017.

Segundo Michele Bannister, da Universidade da Rainha em Belfast, Reino Unido, e Susanne Pfalzner, do Centro de Supercomputação Jülich, na Alemanha, essas rochas também poderiam atuar como “sementes” planetárias em sistemas solares muito jovens ou em processo de formação. Em torno deles, dizem os investigadores, os mundos poderiam começar a formar-se.

A ideia tradicional é que os planetas se formam a partir do material que sobra após o nascimento de uma estrela. Esse material acumula-se em redor da estrela recém-nascida formando discos de poeira e gás. A gravidade gradualmente faz com que a poeira se una em fragmentos cada vez maiores – planetesimais – que, pelo acréscimo de mais material, acabam por se tornar em planetas.

Porém, numerosas observações parecem indicar que, muitas vezes, os planetas nascem muito mais rápido do que o previsto por este modelo. A presença de objetos interestelares, como Oumuamua, poderia ser a solução para esta discrepância. Se um destes objetos terminasse no disco de acreção de uma estrela recém-nascida, poderia desempenhar um papel decisivo na formação subsequente dos planetas.

Investigadores estimaram que deveria haver aproximadamente 29 mil milhões de objetos semelhantes a Oumuamua por ano cúbico na nossa galáxia, flutuando livremente após serem ejetados das suas órbitas em redor das suas estrelas locais. É provável que a maioria destes objetos sejam relativamente pequenos – escuros e rápidos.

De acordo com o estudo, muitos destes objetos devem estar a mover-se demasiado rápido para serem apanhados e, provavelmente, aqueles que acabam por se “enrolar” nos discos protoplanetários acabam por ser engolidos pela própria estrela.

No entanto, explica a ABC, Bannister e Pfalzner calcularam que, mesmo com estas limitações, ainda deveria haver pelo menos dez milhões de objetos do tamanho de Oumuamua – cerca de 100 metros – ou até maiores, em torno de cada estrela da galáxia.

Dos dez milhões de grandes objetos interestelares em redor de cada estrela, é provável que milhares deles tenham mais de um quilómetro de diâmetro. Alguns podem até ser planetas anões, semelhantes em tamanho a Ceres ou Plutão.

Portanto, uma parte destes “exilados interestelares” pode acabar por atrair poeira, seixos e gás e, eventualmente, tornar-se planetas completos. “Uma fração dos planetas que existem poderia ter um Oumuamua nos seus corações”, referiu Bannister.

A nova ideia poderia evitar as desvantagens de construir planetas a partir de minúsculos grãos de poeira e também resolveria o problema da velocidade com que os novos planetas são formados. Se a visão se mostrar correta, terá dado um passo gigantesco na compreensão dos processos que levam ao nascimento de novos mundos.

Sistemas com mais planetas, na verdade, expelem mais rochas no espaço, o que ajuda a criar mais planetas noutros sistemas. Segundo Bannister, “os sistemas planetários estão a ajudar a construir outros sistemas planetários“.

Isto poderia explicar porque é que as estrelas mais velhas parecem ter menos planetas em seu redor do que aquelas formadas em tempos mais recentes. As primeiras gerações de planetas poderiam ter-se formado de maneira convencional e depois “plantado” outros discos protoplanetários com “Oumuamuas” descartados.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Há uma forma de reduzir erros na computação quântica (e já sabemos qual é)

Na computação quântica, assim como no trabalho em equipa, um pouco de diversidade pode ajudar a melhorar o resultado. Esta pode mesmo ser a chave para pôr fim aos erros na computação quântica. Ao contrário dos …

Coimbrões 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto venceu hoje o Coimbrões, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal que os «dragões» resolveram com três golos nos 12 minutos iniciais. Aproveitando a inexperiência e nervosismo da formação …

Produção de filmes em Hollywood é um inimigo silencioso do ambiente

Hollywood é casa para a maioria dos grandes filmes produzidos que estreiam nas salas de cinema espalhadas por todo o mundo. Contudo, consegue ser bastante prejudicial para o meio ambiente e, mais do que nunca, …

O escorbuto era uma doença comum entre piratas, mas pode estar de regresso

O número de casos de escorbuto no Reino Unido mais do que duplicou nos últimos anos. A desnutrição é um dos principais responsáveis pelo regresso desta doença. O escorbuto está em ascensão no Reino Unido e …

Dois veleiros robotizados vão medir alterações climáticas no Atlântico

Dois veleiros de navegação robotizada vão medir, durante os próximos quatro meses, a pegada das mudanças climáticas no oceano Atlântico e irão passar pela Madeira e Cabo Verde. A Plataforma Oceânica das Canárias (PLOCAN) libertou esta …

A educação científica está sob ataque legislativo nos Estados Unidos

São inúmeros os professores de ciências que trabalham diariamente nas escolas públicas dos Estados Unidos para garantir que os alunos estão equipados com o conhecimento teórico e prático necessário para enfrentar o futuro. No entanto, …

João Félix saiu lesionado com gravidade no jogo contra o Valência

João Félix, avançado português do Atlético de Madrid, saiu este sábado lesionado com "forte torção no tornozelo direito", ao minuto 78 do jogo contra o Valência, da nona jornada da Liga espanhola de futebol, disputado …

As traças ficaram mais escuras por causa da Revolução Industrial? Cientistas já sabem a resposta

No virar do século XIX, na Grã-Bretanha, traças de todo o país começaram a ficar gradualmente mais escuras em resposta à forte poluição provocada pela Revolução Industrial. A Revolução Industrial foi um período de grandes transformações …

Mais de mil médicos foram alvo de processos disciplinares. 45 foram condenados, nenhum foi expulso

Mais de 1.070 processos disciplinares a médicos foram abertos no ano passado pelos conselhos disciplinares da Ordem, tendo sido condenados 45, segundo dados este sábado divulgados. Segundo os dados da Ordem dos Médicos, os conselhos disciplinares …

Publicar no Instagram rende mais a Ronaldo do que jogar na Juve

As publicações pagas no Instagram rendem mais a Cristiano Ronaldo do que jogar na Juventus, revela um estudo do Buzz Bingo. O internacional português foi a personalidade mais bem paga neste rede social em 2018. De …