A Terra pode guardar um Oumuamua no seu interior

ESA / M. Kornmesser / European Southern Observatory

Uma parte da terra que pisamos poderia vir, literalmente, de outras regiões da galáxia – áreas muito distantes do local onde o planeta está localizado e que para chegar até aqui teriam que viajar anos-luz pelo espaço.

Essa é a conclusão de um estudo recentemente publicado no arXiv, que também sugere que a Via Láctea deveria estar cheia de rochas flutuantes como Oumuamua, o famoso asteróide interestelar que atingiu o Sistema Solar em outubro de 2017.

Segundo Michele Bannister, da Universidade da Rainha em Belfast, Reino Unido, e Susanne Pfalzner, do Centro de Supercomputação Jülich, na Alemanha, essas rochas também poderiam atuar como “sementes” planetárias em sistemas solares muito jovens ou em processo de formação. Em torno deles, dizem os investigadores, os mundos poderiam começar a formar-se.

A ideia tradicional é que os planetas se formam a partir do material que sobra após o nascimento de uma estrela. Esse material acumula-se em redor da estrela recém-nascida formando discos de poeira e gás. A gravidade gradualmente faz com que a poeira se una em fragmentos cada vez maiores – planetesimais – que, pelo acréscimo de mais material, acabam por se tornar em planetas.

Porém, numerosas observações parecem indicar que, muitas vezes, os planetas nascem muito mais rápido do que o previsto por este modelo. A presença de objetos interestelares, como Oumuamua, poderia ser a solução para esta discrepância. Se um destes objetos terminasse no disco de acreção de uma estrela recém-nascida, poderia desempenhar um papel decisivo na formação subsequente dos planetas.

Investigadores estimaram que deveria haver aproximadamente 29 mil milhões de objetos semelhantes a Oumuamua por ano cúbico na nossa galáxia, flutuando livremente após serem ejetados das suas órbitas em redor das suas estrelas locais. É provável que a maioria destes objetos sejam relativamente pequenos – escuros e rápidos.

De acordo com o estudo, muitos destes objetos devem estar a mover-se demasiado rápido para serem apanhados e, provavelmente, aqueles que acabam por se “enrolar” nos discos protoplanetários acabam por ser engolidos pela própria estrela.

No entanto, explica a ABC, Bannister e Pfalzner calcularam que, mesmo com estas limitações, ainda deveria haver pelo menos dez milhões de objetos do tamanho de Oumuamua – cerca de 100 metros – ou até maiores, em torno de cada estrela da galáxia.

Dos dez milhões de grandes objetos interestelares em redor de cada estrela, é provável que milhares deles tenham mais de um quilómetro de diâmetro. Alguns podem até ser planetas anões, semelhantes em tamanho a Ceres ou Plutão.

Portanto, uma parte destes “exilados interestelares” pode acabar por atrair poeira, seixos e gás e, eventualmente, tornar-se planetas completos. “Uma fração dos planetas que existem poderia ter um Oumuamua nos seus corações”, referiu Bannister.

A nova ideia poderia evitar as desvantagens de construir planetas a partir de minúsculos grãos de poeira e também resolveria o problema da velocidade com que os novos planetas são formados. Se a visão se mostrar correta, terá dado um passo gigantesco na compreensão dos processos que levam ao nascimento de novos mundos.

Sistemas com mais planetas, na verdade, expelem mais rochas no espaço, o que ajuda a criar mais planetas noutros sistemas. Segundo Bannister, “os sistemas planetários estão a ajudar a construir outros sistemas planetários“.

Isto poderia explicar porque é que as estrelas mais velhas parecem ter menos planetas em seu redor do que aquelas formadas em tempos mais recentes. As primeiras gerações de planetas poderiam ter-se formado de maneira convencional e depois “plantado” outros discos protoplanetários com “Oumuamuas” descartados.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

UE avança com sanções contra Bielorrússia. Candidata da oposição apela a "massivas manifestações"

Os chefes de diplomacia da União Europeia (UE) acordaram esta sexta-feira impor sanções ao regime de Minsk na sequência das eleições presidenciais de domingo passado, visando os responsáveis pela alegada fraude nos resultados e pela …

Estratégia para abrandar envelhecimento pode estar escondida nos golfinhos

Uma equipa de investigadores está a estudar o envelhecimento em golfinhos da marinha norte-americana para tentar aprender estratégias para aplicar em humanos. Como os golfinhos envelhecem de maneira semelhante aos humanos, uma equipa de investigadores está …

Anãs negras, explosões na escuridão e um grito final. Astrónomo explica como o Universo vai acabar

Há muito tempo que os astrónomos estudam como será o fim do cosmos. Um novo estudo concluiu que o Universo dará um último grito antes de tudo escurecer para sempre. As leis conhecidas da física sugerem …

A NASA tem estado a disparar lasers para a Lua. Finalmente, recebeu uma resposta de volta

A NASA esteve nos últimos anos a disparar raios laser em direção ao Lunar Reconnaissance Orbiter, nave que está desde 2009 em órbita da Lua. Agora, pela primeira vez, o satélite respondeu. O Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO) …

Ljubomir Stanisic rescindiu contrato “de forma unilateral” com a TVI

A caminho da SIC, o apresentador rescindiu o contrato com a estação de Queluz, avança a TVI. Ljubomir Stanisic tinha contrato até dezembro de 2020. “O Chef Ljubomir Stanisic rescindiu hoje [esta sexta-feira], unilateralmente, o contrato …

Netflix tem uma nova funcionalidade. Os cegos e os surdos agradecem

A nova funcionalidade da Netflix permite alterar a velocidade de reprodução dos seus filmes e séries. Esta é uma novidade bem recebida por espetadores cegos e surdos. A Netflix tem uma nova funcionalidade que permite que …

Cientistas transformam tijolos em dispositivos de armazenamento de eletricidade

Uma equipa de investigadores descobriu como converter o pigmento vermelho dos tijolos num plástico condutor de eletricidade. Esse processo permitiu transformar os tijolos em dispositivos de armazenamento de eletricidade. Esses supercapacitores de tijolo podem ser …

Primeiro Museu do Godzilla abre no Japão (e os visitantes podem entrar na boca do monstro)

O primeiro Museu do Godzilla do mundo está agora aberto no Japão e tem uma estátua enorme do icónico monstro, em cuja boca se pode entrar de slide. De acordo com a Newsweek, atualmente, os visitantes …

Hubble faz a primeira observação de um eclipse lunar total

Tirando vantagem de um eclipse lunar total, astrónomos usaram o Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA para detetar ozono na atmosfera da Terra. Este método serve como um substituto de como vão observar planetas semelhantes à Terra …

Biden tem 71% de probabilidade de vencer as eleições contra Trump

Joe Biden, candidato democrata à Casa Branca, tem 71% de probabilidade de vencer as eleições presidenciais norte-americanas frente a Donald Trump, o atual Presidente dos Estados Unidos, aponta uma nova sondagem. A pesquisa de opinião, levada …