Nova terapia genética tratou mieloma múltiplo em ratos

scientificanimations / Wikimedia

Células de mieloma a produzirem proteínas monoclonais de vários tipos.

Uma equipa de cientistas desenvolveu uma nova terapia genética que conseguiu tratar o mieloma múltiplo em ratos. Após duas semanas, os ratos já mostravam melhorias.

O mieloma múltiplo é um cancro com origem nos plasmócitos da medula óssea. Ao contrário dos plasmócitos normais, as células de mieloma produzem novas células que não são necessárias, não morrem quando velhas ou danificadas e fazem sucessivamente mais cópias de si mesmas.

Muitos pacientes com mieloma acabam por desenvolver resistência aos tratamentos. Se a terapia não conseguir destruir completamente essas células malignas, o cancro provavelmente volta.

Uma equipa de cientistas da Universidade da Califórnia está a desenvolver uma terapia genética que silencia o IRF4, um gene que permite que as células estaminais do mieloma e as células tumorais proliferem e sobrevivam. Os resultados do estudo foram publicados esta semana na revista científica Cell Stem Cell.

Os investigadores conseguiram silenciar este gene com um oligonucleotídeo, um pedaço de ADN projetado especificamente para se ligar ao material genético do IRF4, causando a sua degradação, explica o portal Medical Xpress.

Os dados do estudo pré-clínico mostram que o oligonucleotídeo diminuiu a carga da doença, reduziu a abundância de células estaminais do mieloma e aumentou a taxa de sobrevivência dos ratos com este cancro.

“Tenho trabalhado com um grupo de apoio local para pacientes com mieloma múltiplo. Eles inspiram-me. Fazem as perguntas mais perspicazes e isso torna as coisas pessoais. Espero que este trabalho lhes dê, eventualmente, novos tratamentos potenciais para prevenir recaídas, e lhes permita melhorar”, disse o coautor Leslie Crews.

Esta nova terapia, garantem os investigadores, apresentou resultados favoráveis após duas a seis semanas. Em contrapartida, nenhum dos ratos que não foi submetido ao tratamento apresentou melhorias.

Um dos desafios da investigação deste cancro é que as suas células não crescem bem em placas de Petri. Como tal, a melhor alternativa é transplantar células de mieloma de humanos para ratos.

“Os resultados destes estudos pré-clínicos foram tão impressionantes que metade das imagens microscópicas que tiramos para comparar as amostras de medula óssea entre ratos tratados e não tratados continuavam a sair em branco – nos ratos tratados, não foi possível encontrar células de mieloma restantes para estudarmos”, disse Crews. “Isso torna a ciência mais difícil, mas dá-me esperança para os pacientes”.

Daniel Costa Daniel Costa, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Os gatos demonstram ser menos leais do que os cães (mas pode haver uma razão)

Ainda existe um estereótipo sobre a diferença entre cães e gatos. Normalmente as pessoas associam os cães a animais amorosos e leais, enquanto os gatos são tidos como distantes e indiferentes. Um novo estudo pode …

O mistério do "lago dos esqueletos" na Índia intriga cientistas há décadas

O Roopkund, localizado na parte indiana dos Himalaias, é um lago glacial com centenas de ossos humanos. E ninguém sabe como foram lá parar. Em 1942, um guarda florestal revelou ao mundo a existência deste lago …

A fronteira mais importante da China é imaginária: a Linha Hu

A Linha Hu, também conhecida como linha Heihe-Tengchong, é uma linha imaginária que divida a China em duas partes com áreas quase iguais. Estende-se da cidade de Heihe até Tengchong. Desenhada pela primeira vez em 1935, …

Algumas pessoas moram em aeroportos durante meses (ou até mesmo anos)

Aeroportos não servem de casa apenas para os sem-abrigo. Há pessoas que, involuntariamente ou não, ficam lá durante meses e, em alguns casos, até mesmo anos. Em janeiro, as autoridades de Chicago prenderam um homem de …

Senado da Carolina do Sul aprova fuzilamento como método de execução

Com esta decisão, a Carolina do Sul poderá converter-se no quarto estado do país a incorporar este método de execução de pena de morte, depois do Utah, Oklahoma e Mississípi. De acordo com a agência noticiosa …

"Oxigénio tornou-se ouro". Criminosos lucram com a sua escassez no México

A pandemia de covid-19 deixou a Cidade do México a atravessar uma grande escassez de oxigénio médico. Criminosos estão a aproveitar para lucrar com a situação. A capital mexicana registou um pico de infeções e hospitalizações …

Meteorito do tamanho de um damasco caiu em França (e os astrónomos precisam de ajuda para encontrá-lo)

Os entusiastas do Espaço estão a ser instados a procurar um meteorito do tamanho de um damasco que caiu no fim de semana passado no sudoeste de França.  O meteorito, com peso estimado em 150 gramas, …

Professora pediu a alunos para fingir que eram escravos e escreverem carta para África

Uma professora de uma escola secundária no Mississippi, nos Estados Unidos, está a ser alvo de críticas devido a uma fotografia de um trabalho de casa divulgada nas redes sociais. Foi pedido aos alunos do 8.º …

Obra de Churchill que pertencia a Angelina Jolie vendida por valor recorde

O quadro pintado pelo antigo primeiro-ministro britânico foi vendido por 8,3 milhões de libras. A pintura foi um presente de Winston Churchill para o presidente dos Estados Unidos, Franklin D. Roosevelt, e agora foi leiloada …

Milhares fugiram, mas Sakae Kato ficou. O homem que salva gatos abandonados em Fukushima há 10 anos

Durante a última década, um homem em Fukushima, no Japão, tem salvado todos os gatos na área abandonada de onde milhares de pessoas fugiram durante o desastre da central nuclear - e ainda continua a …