Há mais uma teoria que explica a tão frequente homossexualidade dos insetos

Há muitas teorias que explicam a homossexualidade dos insetos, mas um investigador encontrou fortes indícios de que o sexo entre machos está relacionado com a falta de capacidade para distinguir das fêmeas.

A homossexualidade em insetos é tão ampla quanto enigmática. Apesar de não haver qualquer contribuição para o objetivo do acasalamento, a propagação de genes para a continuação da espécie, a verdade é que são mais de 100 as espécies de insetos que têm este comportamento, sendo que nalguns casos acaba por ser mais comum do que o acasalamento entre sexos opostos.

“Por que a evolução permite que continue a existir uma dispendiosa atividade homossexual, quando a reprodução é atingida primariamente pelo acasalamento heterossexual?”, questionou a equipa que está por trás do estudo mais recente sobre este tema, publicado no Animal Behaviour.

Kris Sales, investigador da Universidade britânica de East Anglia que liderou o estudo, deu alguns exemplos, em entrevista à BBC, para percebermos o porquê da homossexualidade nos insetos intrigar tanto a comunidade científica.

Assim, no caso do gafanhoto e de outras espécies, “cada ejaculação chega a equivaler a um quarto do seu peso corporal” e “no caso de uma espécie de mosca da fruta, por exemplo, o fluído do sémen é mais comprido do que todo o seu corpo”.

Estes pormenores intrigantes fizeram com que Sales pesquisasse os motivos pelos quais os insetos preferem o sexo homossexual e chegou à conclusão que não se trata de uma questão de preferência: o biólogo concluiu que a homossexualidade ocorre “porque os machos não reconhecem bem os seus pares“.

Para a experiência foram criados dois grupos de besouros, um com mais machos e outro com mais fêmeas, num total de 300 machos. O besouro foi a espécie escolhida porque tem um ciclo de vida relativamente rápido e “cresce facilmente num ambiente com farinha, levedura e aveia”.

Ao longo de 50 horas de observação, os cientistas concluíram que no grupo com menos machos, estes passavam o mesmo tempo a tentar acasalar tanto com um sexo como com o outro. No entanto, no grupo em que havia menos fêmeas, a competição era maior, e os machos já procuravam mais as parceiras do sexo oposto.

Isto indica que “o comportamento homossexual em insetos, especialmente nestes besouros, não é uma adaptação evolutiva, porque quando existe a pressão da competição, a homossexualidade torna-se menos comum“, explica Sales.

A investigação sugere que “a homossexualidade em insetos é resultado de uma capacidade limitada em reconhecer o outro sexo, embora não saibamos por que é que isso ocorre”, conclui.

Agora, a equipa quer tentar entender o mecanismo exato pelo qual os besouros castanhos, que vêem muito mal, conseguem identificar as fêmeas.

ZAP // BBC

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Afinal comer um ovo por dia é mau outra vez

Afinal, comer um ovo por dia não é assim tão bom para a saúde como estudos recentes sugeriam. O maior consumo de ovos e colesterol pode aumentar o risco de doenças cardíacas e de morte …

Na Colômbia, há um "arco-íris líquido" que é descrito como a 8ª maravilha do mundo

Escondido nos confins da Serra da Macarena, na Colômbia, está o rio Caño Cristales. De dezembro a maio, o curso de água é como outro qualquer, apesar de estar rodeado de um dos ecossistemas mais …

Com uma nova interface neural, a telepatia já é possível

Uma equipa internacional de cientistas deu um passo adiante no desenvolvimento de interfaces neuronais para propor uma interface que envolve a transferência de informação entre as pessoas diretamente. As interfaces cérebro-computador podem melhorar as habilidades individuais …

Bombeiros profissionais ameaçam deixar de prestar serviço voluntário nas corporações

Os bombeiros voluntários das associações humanitárias admitem deixar de prestar serviço voluntário nas corporações, caso a Liga dos Bombeiros Portugueses continue por concluir o acordo coletivo de trabalho, que está em negociação há mais de …

Baleia encontrada morta nas Filipinas com 40 quilos de plástico no estômago

Uma baleia foi encontrada morta na sexta-feira, na costa sudeste das Filipinas, com 40 quilos de plástico no estômago, informou a imprensa local. O cetáceo, uma baleia-bicuda-de-cuvier, apareceu na sexta-feira à beira-mar no município de Mabini, …

Macron convoca reforços após novos confrontos de coletes amarelos

A nova manifestação de "coletes amarelos", no sábado, registou distúrbios violentos na capital francesa. Como resposta, o presidente francês Emmanuel Macron convocou um reforço das forças de segurança. O dia de sábado marcou mais um protesto …

Pedidos de nacionalidade portuguesa aumentaram 50% em dois anos

Nos últimos dois anos, o número de pedidos de nacionalidade portuguesa aumentou cerca de 50%, avança o jornal Público esta segunda-feira. Se em 2016 foram 117.629 os cidadãos estrangeiros que pediram a nacionalidade portuguesa, em 2018 …

Não há democracia na Coreia do Norte? "É uma opinião", diz Jerónimo

Jerónimo de Sousa evitou classificar o regime de Kim Jong-un em termos "de ser ou não ser" uma democracia. A Coreia do Norte é ou não uma democracia? "É uma opinião", respondeu Jerónimo de Sousa. Numa …

Afinal, o esparguete à bolonhesa não existe

Quando se trata de refeições italianas clássicas, a maioria das pessoas pensa em pratos simples como uma pizza Margherita, lasanha e esparguete à bolonhesa. Contudo, segundo Virginio Merola, presidente de Bolonha, em Itália, o esparguete à bolonhesa …

Javalis tomaram o lugar dos coelhos. "Muitos animais estão doentes"

Para já, não há perigo de saúde pública, mas os javalis carregam doenças que podem passar a outros animais. Se antes se matavam mil coelhos, abatem-se agora 10 javalis. Jacinto Amaro, presidente da Fencaça - Federação …