Tecnologia criada no Porto deteta malária através de imagens obtidas com smartphones

A aplicação identifica os parasitas em células microscópicas. Está a ser desenvolvido por uma equipa da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.

Uma tecnologia que deteta malária através de amostras de sangue e de imagens obtidas com smartphones, tornando o diagnóstico mais rápido e económico, está a ser desenvolvida por uma investigadora do Porto.

Esta tecnologia engloba um sistema de aprendizagem computacional (machine learning), que identifica os parasitas da malária em células microscópicas, analisando imagens capturadas por uma lente de alta magnitude incorporada nas câmaras dos smartphones, explicou à Lusa a investigadora Mafalda Falcão, da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP).

A malária é uma doença “provocada por cinco tipos diferentes parasitas, cada um com o seu ciclo de vida próprio”, que obrigam a distintas abordagens de tratamento, sendo o diagnóstico convencional “complexo, demorado e dispendioso“, indicou.

De acordo com a investigadora, este consiste em examinar ao microscópio dois tipos diferentes de amostras de sangue (gota espessa e gota fina), identificando, “corretamente e de forma precisa”, se o paciente está infetado e qual o tipo de malária em causa.

“Um falso diagnóstico inicial é extremamente penoso para o ser humano“, disse Mafalda Falcão, acrescentando que um falso positivo (identificado como tendo malária, mas não está infetado) é tratado, fazendo com o indivíduo ganhe resistência à medicação. No caso de um falso negativo (identificado como não tendo malária e estar infetado), o tratamento não é realizado e pode levar à morte.

A este processo de diagnóstico estão associados “custos significativos, muito difíceis de sustentar nos países onde a incidência de malária é superior”, como é o caso de África, onde ocorrem “aproximadamente 80% dos casos”, salientou.

Segundo Mafalda Falcão, a ferramenta que está a ser desenvolvida no âmbito do ML4Malaria pode ser uma solução mais barata, rápida e igualmente eficaz para deteção e identificação do tipo de parasita associado à patologia.

Este é um dos 14 projetos criados por alunos de diferentes faculdades com o apoio do centro de investigação Fraunhofer Portugal AICOS, sediado no Porto, no âmbito de uma iniciativa anual que lhes permite desenvolver o seu trabalho orientado para a criação de soluções práticas que contribuem para a qualidade de vida da população.

O ML4Malaria contou com o apoio de um especialista José Correia da Costa, do Instituto Ricardo Jorge, do engenheiro Luís Rosado, da Fraunhofer Portugal AICOS, e do professor Luís Teixeira, da FEUP.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Manuel Alegre e Agustina Bessa-Luís votados para o Nobel

A Academia de Ciências de Lisboa apontou Manuel Alegre e Agustina Bessa-Luís a possíveis candidatos para receberem o próximo Prémio Nobel da Literatura, após convite do Comité Nobel da Academia Sueca. Ainda faltam alguns meses para …

Sushi e peixe cru podem provocar “anisakiasis”

As infecções por parasitas intestinais estão a aumentar com a popularidade do sushi e os riscos do consumo de peixe cru ficaram novamente ilustrados com um caso insólito. O caso foi relatado pelo médico norte-americano Kenny Banh …

Casa dos Horrores: o pai das crianças já tinha raptado a companheira

O mundo ainda está em choque com a descoberta macabra feita pela polícia da Califórnia no passado domingo. Mas o horror vem de trás. O casal David e Louise Turpin é suspeito de manter os 13 …

Fisco espanhol acusa Shakira de fraude fiscal

O fisco espanhol pediu ao Ministério Público para acusar a cantora colombiana Shakira de fraude fiscal, que terá cometido entre 2011 e 2014, noticiou hoje o jornal espanhol La Vanguardia. A administração fiscal espanhola apresentou este …

A fórmula do plástico mais resistente do mundo continua perdida

Uma invenção revolucionária que poderia deixar o mundo mais seguro. Assim foi definido o starlite, material resistente ao fogo e a altas temperaturas, cuja fórmula permanece desconhecida - e poderá estar perdida. O material foi criado …

Não, ter plantas em casa não é prejudicial para a saúde

Desde sempre que a ideia de que ter plantas em casa é prejudicial para a saúde está enraizada na mente de todos - crença, no entanto, comprovadamente errada. A ideia surgiu pelo facto de, no processo …

Deco registou quatro queixas por dia sobre compras online em 2017

A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor, Deco, recebeu 1.642 reclamações sobre compras feita pela internet em 2017, numa média de quatro queixas por dia, número que sobe para 8.538 no caso da rede …

Vai passar pela Terra um "arranha-céus" a 122 mil quilómetros por hora

Um "asteróide potencialmente perigoso" dirige-se para a Terra a uma velocidade de mais de 122.000 quilómetros por hora, informou a agência espacial norte-americana NASA. O asteróide 2002 AJ129 vai aproximar-se da Terra no próximo dia 4 …

Adepto condenado por morte com very-light detido no Estádio da Luz

O homem condenado há 20 anos por causar uma morte com um very-light foi detido no sábado pela PSP no Estádio da Luz, onde estava proibido de entrar na sequência de uma condenação por posse …

Condutor bêbado adormeceu ao volante... e o seu Tesla parou sozinho

Talvez no futuro os automóveis autónomos consigam levar passageiros bêbedos até casa sem colocar outras pessoas em risco, mas por agora não se pode esperar que nem mesmo um Tesla faça isso. Já é muito …