Tartarugas verdes exterminadas nas ilhas a norte de Moçambique

Brocken Inaglory / Wikimedia

Chelonia mydas, uma das espécies ameaçadas de tartaruga que nidifica nas águas de Moçambique

Chelonia mydas, uma das espécies ameaçadas de tartaruga que nidifica nas águas de Moçambique

Várias tartarugas verdes, uma espécie marinha em vias de extinção, estão a ser exterminadas por pescadores em ilhas a norte de Moçambique, onde à noite são vendidas no mercado clandestino para consumo, denunciou o ambientalista moçambicano Carlos Serra.

Em declarações à Lusa, Carlos Serra disse que os casos mais alarmantes estão a ocorrer na Ilha de Moçambique e num conjunto de ilhas à volta, que descreveu como “pontos ecológicos muito atractivos onde as tartarugas nidificam”.

“Os pescadores usam a rede mosquiteira para as caçar. O que está a acontecer é uma autêntica chacina da tartaruga, cuja carne é muito apetecida. A carne chega durante a noite e entra no circuito de venda de forma clandestina a preço de 30 meticais/quilo” (72 cêntimos), disse Carlos Serra sobre o abate naquela região do país das tartarugas marinha de várias espécies, em especial a verde.

As tartarugas marinhas, que podem viver 100 anos, são animais protegidos devido a sua importância no estudo da longevidade dos vertebrados, pois sendo animais de ciclo de vida longo, elas são usadas como modelo de investigação para se perceber como os animais superiores evoluíram para estarem aptos a suportar diferentes condições ambientais.

Moçambique ratificou a Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Fauna e Flora Selvagens Ameaçadas e vários acordos internacionais, que defendem a protecção destas espécies marinhas por representarem cerca de 150 milhões de anos de evolução e, em caso de extermínio, poder criar um vazio ecológico impossível de preencher por outras espécies.

Algumas tartarugas “são exterminadas antes de pôr ovos. É assustador o que acontece. São muitas (as que foram mortas). Fui lá propositadamente por causas das tartarugas. Ouvi histórias sobre as matanças e tratei de chegar a ilha de Sena. Estamos completamente contra lei”, considerou à Lusa Carlos Serra, que publicou nas redes sociais dois vídeos onde se podem ver carcaças de tartarugas verdes abatidas.

“O que se diz ao nível local é que há o hábito de se comer a tartaruga. Como é que se explica que isso esteja a ocorrer na Ilha de Moçambique onde há representação de todas as entidades que têm que proteger a costa?” – questionou o ambientalista, autor da obra “Estado, Pluralismo Jurídico e Recursos Naturais: Avanços e Recuos na Construção do Direito Moçambicano”.

As tartarugas-verdes, assim designadas por terem uma carapaça verde e que chegam a medir 1,50 metro quando adultas, são abundantes em áreas costeiras com muita vegetação, especialmente nos oceanos Índico e Atlântico.

Das sete espécies actualmente existentes no mundo, cinco utilizam as praias moçambicanas para nidificação, nomeadamente, a tartaruga cabeçuda (de nome cientifico Caretta caretta), tartaruga verde (Chelonia mydas), tartaruga coriácea (Dermochelys coriacea), tartaruga bico-de-falcão (Eretmochelys imbricata) e a tartaruga olivácea (Lepidochelys olivacea).

Alguns estudos feitos no país dão conta de matanças de tartarugas marinhas por arrasto para praia com uso de tratores, mas há igualmente registo de casos de condução de veículos todo o terreno, sobretudo, nas praias da zona sul do país, o que contribui para a mortalidade de tartarugas em Moçambique.

Tradicionalmente, as comunidades costeiras moçambicanas não só usam a carne e ovos das tartarugas marinhas para alimentação, também os pescadores utilizam o óleo cru da tartaruga coriácea para pintar barcos e os curandeiros e médicos tradicionais aproveitam partes das carapaças nas suas práticas de medicina tradicional.

“Há um discurso de certa forma paternalista, segundo a qual é uma questão de sobrevivência dos pescadores, mas isso não é uma questão de sobrevivência “, até porque, “por enquanto, não falta comida e há de tudo: peixe, lulas, lagostas, camarão”, considerou Carlos Serra.

Por isso, defendeu, “tem que haver muito trabalho de educação junto dos pescadores e dos circuitos de comércio. É preciso educar no sentido de respeitar a tartaruga. O pescador tem que ser o maior protetor da fauna marinha. A fiscalização deve ocorrer na protecção de santuários”.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

John Cleese esgota três coliseus em 48 horas

John Cleese vai estar no Coliseu de Lisboa com “Last Time To See Me Before I Die” durante três dias. O humorista britânico esgotou as três datas em apenas 48 horas. Durante esta madrugada (10), a …

Descoberta no Egito múmia de grande animal semelhante a um leão

O Ministério das Antiguidades egípcio anunciou esta segunda-feira que uma equipa de arqueólogos desenterrou uma múmia de um grande animal incomum, semelhante a um leão ou uma leoa. “É um animal muito estranho, como um gato …

Ex-agentes da DEA revelam detalhes da vida de Escobar na prisão que o próprio construiu

Dois dos agentes do DEA, que durante mais de um ano participaram na operação de captura de Pablo Escobar, revelaram alguns detalhes sobre a vida do narcotraficante e ex-líder do cartel de Medellín na prisão La …

Num jardim zoológico da Austrália, há concertos ao vivo (para entreter os elefantes)

https://vimeo.com/372400002 O jardim zoológico de Melbourne está a desenvolver um programa mundial de músicos para tocar para a sua multigeracional manada de elefantes asiáticos em perigo de extinção para que melhore a ligação entre os seis …

Montijo: ANA pede mais tempo para analisar medidas de mitigação ambiental

A ANA – Aeroportos de Portugal pediu à Agência Portuguesa do Ambiente (APA) uma prorrogação do prazo para analisar as medidas de mitigação propostas pela entidade na Declaração de Impacte Ambiental (DIA) do futuro aeroporto …

Sérgio Conceição ultrapassa número de jogos de José Mourinho

No jogo deste domingo, que o FC Porto acabou por vencer o Boavista com um golo solitário de Alex Telles, Sérgio Conceição cumpriu o seu 128.º jogo como treinador dos dragões - mais uma partida …

Governo australiano acusado de censurar livro sobre história de Timor-Leste

O Ministério dos Negócios Estrangeiros australiano está alegadamente a tentar censurar partes do primeiro de dois volumes da história de operações militares em Timor-Leste, o dedicado à Força Internacional para Timor-Leste (Interfet), segundo revelou a imprensa …

Norte-americanos acordaram com mensagens de texto estranhas nos seus telemóveis

Na passada quinta-feira, uma grande parte da população norte-americana recebeu mensagens estranhas e inexplicáveis, muitas das quais desconfortáveis e até preocupantes. Stephanie Bovee, uma norte-americana de 28 anos de Portland, no oeste dos Estados Unidos, acordou …

Pai que fugiu por 15 países com os dois filhos no ano passado encontrado pela PSP

O pai mudou 15 vezes de país com as crianças desde o verão passado sempre sem o consentimento da mãe e sem que a mãe tivesse qualquer notícia do paradeiro dos filhos, revela a PSP. A …

Daesh está a tentar criar um novo Estado islâmico nas Filipinas

Há dois anos que a bandeira negra do Daesh deixou de esvoaçar no topo de um edifício da cidade de Marawi, em Mindanau, no sul das Filipinas, e o Presidente, Rodrigo Duterte, declarou tê-lo derrotado. …