As suricatas fazem uma “dança de guerra” para assustar os inimigos

Uma nova investigação concluiu que as suricatas fazem uma espécie de “dança de guerra” para assustar os inimigos e proteger o seu território.

De acordo com a revista Newsweek, uma equipa de cientistas analisou as interações entre diferentes grupos de suricatas no Kalahari, na parte sul-africana, durante onze anos.

“O nosso trabalho mostra que as interações entre estes grupos nunca são tolerantes, que a maioria envolve alguma forma de agressão e que uma minoria resulta em violência física”, afirmou Mark Dyble, investigador da University College London que liderou a equipa.

No estudo publicado na Proceedings of the Royal Society B, os investigadores explicam que observaram dez grupos de suricatas, constituídos por uma média de 20 animais. Quando se encontravam, a equipa identificou várias combinações de seis comportamentos diferentes nas 422 interações registadas (que geralmente duravam cerca de 20 minutos).

“A maior parte da nossa pesquisa concentrou-se na cooperação e em como trabalham em conjunto para criar os seus filhos. No entanto, existe outro lado. As suricatas são altamente competitivas e territoriais, com agressões regulares entre grupos”, disse Dyble à revista.

Os diferentes tipos de comportamentos documentados foram: observação inicial do grupo rival; perseguição ao grupo rival; realização de uma dança de guerra; recuo da interação; escavar a toca do grupo rival e manter um contacto físico agressivo.

Segundo o estudo agora publicado, cerca de 65% das interações resultaram nos grupos a perseguir outros ou a fazer a tal dança, na qual os mamíferos enfiam a cauda no ar e ficam com o pelo eriçado. Uma possível razão para isso acontecer, segundo a publicação, pode ser fazer com que o grupo pareça maior.

86% das interações acabaram com um dos dois grupos a recuar antes que a briga realmente acontecesse. Mas 9% dessas interações terminaram em lutas violentas nas quais pelo menos uma suricata acabou por morrer.

“A maioria das lutas termina depois de um grupo afugentar o outro. Existe uma clara vantagem relativamente ao tamanho de grupo — grupos maiores ganham quase sempre. A maior parte das agressões é iniciada pelo macho e pela fêmea ‘dominantes’. Os grupos perdedores recuam em direção ao centro do seu território”, refere o cientista.

“No entanto, mesmo quando estas interações não resultam em violência física, isto pode ter consequências territoriais, com os grupos perdedores a mudarem-se para tocas mais perto do centro do seu território e os vencedores a moverem-se para tocas mais distantes do centro do seu”.

“A violência com animais geralmente envolve um indivíduo a lutar com outro. Esta agressão coordenada entre grupos que vemos nas suricatas é algo bastante raro e já se pensou que era uma coisa única dos seres humanos. Ao entender como e porquê estes animais lutam, podemos obter pistas sobre a evolução da violência e da guerra em humanos”, conclui o investigador.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

PCP e Bloco defendem que há mais vida além do défice (e exigem "resposta aos problemas sociais")

A frase é de Jorge Sampaio, mas PCP e Bloco de Esquerda têm defendido a mesma ideia a cada oportunidade: há mais vida além do défice e combater as consequências económicas, sociais e financeiras da …

Roma ganhou por 5-1 mas Mourinho avisa: "Temos de falar com São Pedro"

Estreia dos italianos na fase de grupos Liga Conferência Europa da UEFA terminou com goleada sobre o CSKA Sofia mas, mesmo assim, o treinador da Roma não gostou do que viu. Nuno Espírito Santo e José …

Patrões querem testes obrigatórios nas empresas (com trabalhador a cobrir os custos)

António Saraiva, líder da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), defende a criação de legislação que obrigue os trabalhadores a serem testados à covid-19. Em declarações à Renascença, o líder do CIP conta que há empresas com …

Uma cidade romana submersa renasce na Turquia

Uma parte submersa da antiga cidade romana de Augusta ressurgiu depois de o nível da água do lago Seyhan ter descido devido à seca em Adana, no sul da Turquia. A cidade foi fundada por Tibério, …

Apoio a pais de crianças em isolamento profilático mantém-se a 100%

Os pais de crianças que têm de ficar em isolamento profilático têm direito a subsídio pago. A regra é válida para crianças menores de 12 anos. O subsídio pago aos trabalhadores que têm de ficar em …

Barbosa Ribeiro, que não quer ser o Rei Sol, distribuiu álcool gel para "desinfetar" a Câmara

Tiago Barbosa Ribeiro, candidato socialista à Câmara Municipal do Porto, rejeita a ideia de que não é muito conhecido, afasta a ambição de querer ser o "Rei Sol" e admite ficar na Invicta nos próximos …

Coronavírus: há 21 mil anos a causar pandemias

Os coronavírus só foram identificados como distintos dos vírus da gripe nos anos 60 do século passado, e neste houve apenas duas pandemias de coronavírus —  MERS e SARS — registadas antes da atual, mas …

Parlamento discute propostas para travar preços dos combustíveis e da eletricidade

Os deputados votam esta sexta-feira, no Parlamento, o diploma do Governo para limitar as margens de combustíveis, assim como uma série de outras propostas sobre energia, da responsabilidade de vários partidos. O Governo aprovou em julho, …

Marcelo admite que se "fechou uma página" - mas já deixou recados para o Natal

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou esta quinta-feira que Portugal é visto por outros países europeus como exemplo pela taxa de vacinação e combate à covid-19, mas que este "é um processo …

UGT quer salário mínimo de 1.000 euros em 2028

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, defendeu a necessidade de acabar com a política de baixos salários e precariedade. Carlos Silva, secretário-geral da UGT, defendeu esta quinta-feira que o Governo socialista tem obrigação de aumentar os …