O stresse no trabalho pode estar a matá-lo, alerta estudo

A autonomia que temos no nosso emprego, a nossa carga de trabalho e a capacidade de lidar com as exigências que nos são impostas está associada à nossa saúde mental e mortalidade, revela uma nova investigação.

A equipa de investigadores examinou como o controlo que temos da nossa função no trabalho e a capacidade cognitiva influenciam como os fatores de stress do trabalho, como pressão de cumprir prazos ou carga de trabalho, afetam a saúde mental e física.

“Quando as exigências do emprego são maiores do que o controlo oferecido pelo trabalho ou a capacidade de um indivíduo de lidar com essas demandas, há uma deterioração da sua saúde mental e, consequentemente, uma maior probabilidade de morte”, diz Erik Gonzalez-Mulé, professor da Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, e o autor principal do artigo publicado esta semana no Journal of Applied Psychology.

Em sentido contrário, os autores do estudo descobriram que as exigências do trabalho resultam em melhor saúde física e menor probabilidade de morte quando combinadas com um maior controlo das responsabilidades no trabalho.

“Acreditamos que isto acontece porque o controlo do trabalho e a capacidade cognitiva agem como recursos que ajudam as pessoas a lidar com o stress no trabalho”, disse Gonzalez-Mulé, citado pelo Futurity.

“O controlo do trabalho permite que as pessoas definam os seus próprios horários e priorizem o trabalho de uma maneira que as ajude a atingir as suas metas de trabalho, enquanto as pessoas mais inteligentes são mais capazes de se adaptar às exigências de um trabalho stressante e descobrir maneiras de lidar com o stresse”, acrescentou.

Os resultados da investigação são baseados em dados de 3.148 residentes do Estado de Wisconsin, que participaram num estudo longitudinal. Desta amostra, 211 participantes morreram durante o estudo que durou 20 anos.

A solução, de acordo com Gonzalez-Mulé, passa por os gerentes oferecerem mais controlo aos seus funcionários. Caso não seja possível fazê-lo, devem reduzir proporcionalmente as exigências.

“Por exemplo, permitir que os funcionários definam as suas próprias metas ou decidir como realizar o seu trabalho ou reduzir o horário de trabalho dos funcionários pode melhorar a sua saúde”, explicou o investigador.

Isto é particularmente importante agora, durante a pandemia de covid-19, em que alguns trabalhadores estão expostos a stresse extra e podem vir a desenvolver problemas de saúde mental.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Maddie terá entrado em veículo de matrícula alemã em Espanha após o desaparecimento

Uma testemunha diz ter visto uma criança parecida com Madeleine McCann a entrar numa carrinha de matrícula alemã, em Espanha, acompanhada de um homem, poucas semanas após o seu desaparecimento. A informação consta de um arquivo …

Primeiro dia das eleições do FC Porto com mais de quatro mil votantes

O primeiro dia das eleições do FC Porto não podia ter sido "melhor", estimou Matos Fernandes, presidente da Mesa da Assembleia Geral do clube, relevando que este sábado 4.036 sócios que se dirigiram ao Dragão …

Novo dispositivo produz energia a partir das sombras

Em dias chuvosos e com pouca luz solar, seria uma mais-valia se pudéssemos usar a sombra dos objetos para obter energia elétrica. A solução desenvolvida por Swee Ching Tan, cientista de materiais na Universidade Nacional …

Estômago de dinossauro preservou a sua última refeição durante 110 milhões de anos

Cientistas canadianos analisaram a última refeição de um anquilossauro nodossóide, com 110 milhões de anos, ainda na sua barriga fossilizada. De acordo com o site Science Alert, este dinossauro herbívoro de 1300 quilos – Borealopelta markmitchelli – descoberto …

"Evento raro". Nasceu uma baleia-branca no maior aquário do mundo (e o momento foi gravado)

Whisper, uma baleia-branca de 20 anos, deu à luz uma cria saudável em 17 de maio após uma gravidez de 15 meses, marcando a chegada do mais novo cetáceo do Georgia Aquarium, numa altura em …

Telemóveis são uma ferramenta poderosa contra a desigualdade de género em África

Ao dar às mulheres acesso a informação que, de outra forma, era quase impossível de obter, os telemóveis estão a salvar e a transformar vidas. De acordo com o site IFLScience, o estudo responsável por esta …

Desde março, morreram mais de 100 elefantes no Botsuana. Ninguém sabe porquê

As autoridades do Botsuana estão a investigar a morte de 110 elefantes na região do Delta do Okavango desde março, anunciou esta semana o Ministério do Meio Ambiente, Conservação de Recursos Naturais e Turismo daquele …

Um robô aprendeu a fazer uma omelete. E ficou melhor do que o esperado

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, treinou um robô a preparar uma omelete. Para os investigadores, avaliar se um robô cozinhou uma refeição com sucesso é uma fonte interessante de …

Covid-19 já matou mais no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães da II Guerra

A pandemia de covid-19 já matou mais pessoas no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães durante a II Guerra Mundial. O novo coronavírus oriundo da China já matou cerca de 50.000 pessoas em território …

Estudo mostra que os cães querem mesmo resgatar os seus donos do perigo

Um novo estudo mostra que os nossos amigos de quatro patas querem realmente salvar-nos em momentos de aflição, mas desde que saibam como o fazer. De acordo com o site Science Alert, os investigadores reuniram 60 cães …