NASA observou o “Asteróide do Apocalipse” a expulsar partículas da sua superfície para o Espaço

Quando a sonda OSIRIS-REx da NASA chegou ao asteróide Bennu, o “Asteróide do Apocalipse”, os cientistas da missão sabiam que a sua espaçonave estava a orbitar algo especial.

Não só o asteróide, coberto de pedregulhos, tinha a forma de um diamante em bruto, como a sua superfície crepitava com atividade, espalhando pequenos pedaços de rocha pelo Espaço. Agora, depois de mais de um ano e meio perto de Bennu, estão a começar a melhor entender estes eventos dinâmicos de ejeção de partículas.

Uma coleção de estudos publicada numa edição especial da revista científica Journal of Geophysical Research: Planets aproxima-se do asteróide e destas partículas enigmáticas. Os estudos fornecem uma visão detalhada de como estas partículas agem quando no Espaço, possíveis pistas de como são ejetadas e até mesmo de como as suas trajetórias podem ser usadas para aproximar o fraco campo gravitacional de Bennu.

Normalmente, consideramos os cometas, não os asteróides, os ativos. Os cometas são compostos de gelo, rocha e poeira. À medida que estes gelos são aquecidos pelo Sol, o vapor efervesce da superfície, poeira e pedaços do núcleo do cometa são perdidos para o espaço e forma-se uma longa cauda empoeirada.

Os asteróides, por outro lado, são compostos principalmente de rocha e poeira (e talvez uma quantidade mais pequena de gelo), mas acontece que algumas destas rochas espaciais também podem estar surpreendentemente ativas.

“Pensávamos que a superfície coberta de rochas de Bennu era a descoberta mais incrível no asteróide, mas estes eventos de partículas definitivamente surpreenderam-nos,” disse Dante Lauretta, investigador principal da OSIRIS-REx e professor da Universidade do Arizona. “Passámos o ano transato a investigar a superfície ativa de Bennu, e isso deu-nos a oportunidade notável de expandir o nosso conhecimento de como os asteróides ativos se comportam.”

As câmaras da OSIRIS-REx (Origins, Spectral Interpretation, Resource Identification, and Security-Regolith Explorer) detetaram partículas de rocha sendo lançadas repetidamente para o Espaço durante um levantamento de janeiro de 2019 do asteróide, que tem cerca de 565 metros de largura no seu equador.

Um dos estudos, liderado pelo cientista sénior Steve Chesley do JPL da NASA no sul da Califórnia, descobriu que a maioria destes pedaços de rocha do tamanho de seixos, normalmente medindo cerca de sete milímetros, foram puxados de volta para Bennu sob a fraca gravidade do asteróide após um pequeno salto, por vezes até ricocheteando de volta para o Espaço após colidir com a superfície, permanecendo em órbita por alguns dias e até 16 revoluções.

E alguns foram ejetados com força suficiente para escapar completamente dos arredores de Bennu.

Ao rastrear as viagens de centenas de partículas ejetadas, Chesley e os seus colaboradores também conseguiram entender melhor o que pode estar a provocar o lançamento das partículas da superfície de Bennu.

Os tamanhos das partículas correspondem ao que é esperado para a dilatação e fratura térmicas (pois a superfície do asteróide é repetidamente aquecida e arrefecida enquanto gira), mas os locais dos eventos de ejeção também correspondem aos locais de impacto modelados de meteoroides (pequenas rochas que atingem a superfície de Bennu enquanto orbita o Sol). Pode até ser uma combinação destes fenómenos, acrescentou Chesley.

Mas para chegar a uma resposta definitiva, são necessárias mais observações.

Embora a sua própria existência coloque várias questões científicas, as partículas também servem como sondas de alta fidelidade do campo gravitacional de Bennu. Muitas partículas orbitavam Bennu muito mais perto do que seria seguro para a nave OSIRIS-REx e, portanto, as suas trajetórias eram altamente sensíveis à gravidade irregular de Bennu. Isto permitiu aos investigadores estimar a gravidade de Bennu ainda com mais precisão do que era possível com os instrumentos da OSIRIS-REx.

“As partículas foram um presente inesperado para a ciência da gravidade em Bennu, pois permitiram-nos ver pequenas variações no campo gravitacional do asteróide que de outra forma não saberíamos,” disse Chesley.

Em média, apenas uma ou duas partículas são ejetadas por dia, e dado que estão num ambiente de gravidade muito baixa, a maioria move-se lentamente.

Como tal, representam uma ameaça minúscula para a OSIRIS-REx, que tentará pousar brevemente no asteróide no dia 20 de outubro para recolher material da superfície, que pode até incluir partículas que foram ejetadas antes de caírem de volta para a superfície.

Se tudo correr como planeado, a nave regressará à Terra em setembro de 2023 com amostras de material de Bennu para os cientistas estudarem em mais pormenor.

  ZAP // CCValg

PARTILHAR

RESPONDER

Depressão: o relato de Vanessa Fernandes

Escrava do seu sucesso, a vencedora de uma medalha nos Jogos Olímpicos confessa que teria ficado destruída, caso não tivesse pedido ajuda. A ideia era sempre "ganhar e ser a melhor" mas, nos bastidores, Vanessa Fernandes …

Squid Game. Coreia do Norte ataca Coreia do Sul com base no novo sucesso da Netflix

A série "Squid Game", que é a mais vista de sempre na Netflix, tornou-se tão popular que nem a Coreia do Norte ficou indiferente — mas por maus motivos. Enquanto a série sul-coreana tem conquistado espectadores …

O Presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque

Albuquerque mostrou-se disponível para negociar o OE, mas Rio diz que "a Madeira não está à venda"

O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, manifestou hoje disponibilidade para conversar com o Governo sobre o OE, mas Rui Rio garantiu que os deputados madeirenses não vão contrariar o partido. “Se for para …

Golpe de Estado no Sudão. Confrontos nas ruas causam sete mortos e 140 feridos

Milhares de sudaneses têm saído às ruas para protestarem a tomada do poder pelos militares. A comunidade internacional tem sido unânime na condenação ao golpe de Estado. Na sequência do golpe de Estado de segunda-feira, os …

Amnistia Internacional pede que EUA retirem acusações a Assange e a Londres que evite extraditá-lo

A Amnistia Internacional (AI) pediu aos Estados Unidos que retirem as acusações contra o fundador da Wikileaks, Julian Assange, e ao Reino Unido que evite extraditá-lo, pedido feito hoje antes do início, quarta-feira, de nova …

Mudar de telemóvel pode ser um rombo nas poupanças a longo prazo, mais do que se pensa

Especialistas em finanças ouvidos pelo The New York Times consideram que mudar de telemóvel anualmente, dando o dispositivo anterior para retoma (quando este ainda tem um valor elevado), não é uma boa aposta, sobretudo a …

Costa confessa a "enorme frustração pessoal" com a morte da geringonça e admite governar em duodécimos

O debate deixou tudo em águas de bacalhau e nem a esquerda nem o governo dão sinais de ceder. Costa admite que o fim da parceria com o PCP e o Bloco é uma derrota …

Koeman: "O que se passou comigo é um problema social"

Treinador do Barcelona teve dificuldades em sair do Camp Nou, depois de perder frente ao Real Madrid. A contestação à volta de Ronald Koeman em Barcelona já se verifica há algum tempo (começou em alguns momentos …

Mais de 100 mil doentes podem ter covid longa e sobrecarregar o SNS

Com o crescimento do número de pacientes que reportam sintomas de covid prolongada, os especialistas receiam que o Serviço Nacional de Saúde não tenha capacidade de resposta. Segundo avança o Expresso, os directores e coordenadores de …

O serial killer John Wayne Gacy

Vítima de serial killer identificada 40 anos depois através do ADN de um dente

Os restos mortais de Francis Wayne Alexander foram encontrados há mais de 40 anos na casa do infame serial killer John Wayne Gacy. Mas só agora se conseguiu verificar a sua identidade. Segundo conta a cadeia …