/

Encontrada solução de problema da física que em 2.000 anos nem Newton conseguiu resolver

4

Um cientista mexicano conseguiu resolver um problema físico com 2.000 anos. Trata-se de um fenómeno ótico conhecido como aberração esférica, que faz com que a imagem formada por uma lente seja distorcida ou fique turva.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Isaac Newton tentou, mas sem sucesso. Só agora, em 2019, foi encontrada a solução para o misterioso fenómeno ótico que surgiu há mais de 2.000 anos, confundindo muitos cientistas ao longo do tempo.

O cientista mexicano Rafael González, do Instituto Tecnológico de Monterrey, encontrou a equação matemática que resolve o problema da aberração esférica, como é conhecido o fenómeno ótico que faz com que uma imagem formada por uma lente seja distorcida ou fique turva.

De acordo com a Russia Today, o problema da aberração esférica acontece em câmaras, telescópios, binóculos e microscópios.

https://twitter.com/TecdeMonterrey/status/1145826381521199116

As lentes e os espelhos curvos deste tipo de dispositivos são feitos com superfícies esféricas, uma vez que esta forma é mais fácil de obter do que superfícies curvas não-esféricas. No entanto, introduz um desvio que reduz a qualidade das imagens produzidas pelo equipamento ótico.

Na equação proposta por Rafael González e por Alejandro Chaparro, da Universidade Nacional Autónoma do México (UNAM), descobriu-se de que forma a segunda superfície asférica de uma determinada lente deve receber uma primeira superfície, que é fornecida pela pessoa que manuseia a câmara, bem como a distância entre objeto e imagem.

Uma lente asférica é uma lente cujas superfícies não são parte de uma esfera, mas têm uma forma mais livre, por exemplo, a lente de uma câmara fotográfica. Uma lente deste tipo pode reduzir ou eliminar a aberração esférica e também reduzir outras aberrações óticas, como o astigmatismo, em comparação com uma lente esférica simples.

Uma única lente asférica pode substituir um sistema de lente múltipla muito mais complexo. O dispositivo resultante é menor e mais leve, e às vezes mais barato do que o design atual de múltiplas lentes.

A segunda superfície é tal que corrige toda a aberração esférica gerada pela primeira. “Durante a investigação, calculamos a eficiência de 500 feixes, e a satisfação média de todos os exemplos foi de 99,99999999999%“, disse González, em comunicado.

Segundo o cientista mexicano, a descoberta permitirá a produção de lentes com maior qualidade de imagem a qualquer distância, espessura e com diferentes materiais.

  ZAP // RT

4 Comments

  1. A notícia tem algo de errado!
    A explicação é conhecida desde o século 19 e há maneiras de minimizar nas lentes esféricas. Quanto às asféricas já existem há anos para resolver o problema.
    Possivelmente encontraram um algoritmo mais rápido para calcular a forma da lente asférica e a notícia sai assim!

    • A descoberta realmente foi o algoritmo (a “equação”) com uma correção mais rápida e mais precisa (e não uma uma associação de calculos para cada desvio)! O resto já era conhecido.

    • Pra você que não entendeu nada mesmo!
      Mas pro pessoal que vai olhar no microscópio pra procurar a tua doença ou pro agrimensor, vai ficar melhor e nada abstrato.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.