Sócrates e Durão tentaram lançar Freitas contra Cavaco e Sampaio

José Sena Goulão / Lusa

O ex-líder do CDS Diogo Freitas do Amaral revela no seu terceiro livro de memórias que os antigos primeiros-ministros Durão Barroso e José Sócrates tentaram, em momentos diferentes, que se candidatasse à Presidência da República contra Jorge Sampaio e Cavaco Silva.

No livro “Mais 35 anos de Democracia – Um percurso singular”, Freitas do Amaral relata que o ex-primeiro-ministro José Manuel Durão Barroso o tentou convencer a candidatar-se contra o então Presidente da República, Jorge Sampaio, nas eleições de 2001.

Já José Sócrates, de quem foi ministro dos Negócios Estrangeiros durante 15 meses, terá tentado que entrasse na corrida presidencial contra Cavaco Silva, em 2006, mas Mário Soares viria a antecipar-se e esta questão não voltou a colocar-se.

Freitas do Amaral, que perdeu a segunda volta das presidenciais de 1986 contra Mário Soares (49%-51%) relata os incentivos que recebeu do seu amigo Basílio Horta e de Paulo Portas para se candidatar a Belém contra Jorge Sampaio em 2001, sufrágio em que o socialista derrotou Joaquim Ferreira do Amaral, ex-ministro das Obras Públicas de Cavaco.

“Quando pensava que o problema tinha morrido, eis que me telefona o Dr. Durão Barroso a propor um encontro. Realizou-se em casa dele, no Campo Grande. Prometeu-me todo o apoio do PSD e explicou-me por que razões achava – ele e a direção do seu partido – que eu tinha grandes hipóteses de vencer Jorge Sampaio. Repeti os argumentos que dera ao Basílio Horta e a Paulo Portas. Ele, simpaticamente, insistiu muito comigo: era a grande oportunidade de uma desforra em relação a 1986″, escreve.

Freitas diz ter sublinhado a ideia de que “o povo português concebia, na prática, os mandatos presidenciais como devendo durar em princípio dez anos”, assumindo que “não queria arriscar segunda derrota numa campanha presidencial”.

“Ainda por cima, acrescentei, daqui a cinco anos o Prof. Cavaco Silva vai candidatar-se de novo, e o PSD não me poderá voltar a apoiar: que me interessa perder agora se não puder ter apoio para me candidatar daqui a cinco anos, quando tudo será mais fácil, por não haver um presidente que se possa recandidatar?”

O antigo líder democrata-cristão pediu então o apoio público e “por escrito” do PSD para as presidenciais seguintes mas Durão recusou. “Durão ficou visivelmente preocupado. Não estava à espera de uma proposta tão difícil para o PSD. Respirou fundo e disse apenas: Bem, eu isso não posso aceitar. Nenhum partido político se pode comprometer sobre que candidato vai apoiar daqui a cinco anos”.

“A conversa acabou ali, sempre em termos cordiais. Era a quarta vez (depois de Sá Carneiro, Balsemão, Cavaco, e agora Barroso) que eu era desejado para Presidente da República pelo líder de um grande partido ou por um primeiro-ministro. Não seria o último desafio para um tal cargo”.

E o convite seguinte veio de José Sócrates, de quem foi ministro dos Negócios Estrangeiros entre 2005 e 2006. A abordagem foi feita inicialmente por António Braga, o seu então secretário de Estado das Comunidades Portuguesas e “amigo pessoal” de José Sócrates. “O Senhor Professor é que dava um grande candidato presidencial.

E com o apoio do PS, que obteve sozinho 45% dos votos nas legislativas, ganhava de certeza à primeira volta!”, disse António Braga. “Nada está mais longe do meu espírito do que uma aventura dessas”, respondeu-lhe.

Passados 15 dias, o semanário Expresso publicou um artigo de opinião com o título “O PS entre Alegre e Freitas”. “Fiquei completamente surpreendido. A hipótese da minha candidatura com o apoio oficial do PS nunca surgira em nenhum órgão de comunicação social. Portanto, aquele artigo – e, sobretudo, aquele cabeçalho – só podiam ser o resultado de uma conversa do primeiro-ministro com o diretor do jornal”, argumenta.

“José Sócrates, com alguma ingenuidade, ficou à espera das reações. Mas estas não foram as que ele esperava: eu mantive-me em silêncio; Manuel Alegre confirmou a intenção de avançar; e, para grande surpresa de muitos, Mário Soares anunciou também a vontade de se candidatar. Apesar dos seus quase 80 anos, aí estava o ‘regresso do velho leão’. Interpretei a decisão dele como um último ato de fidelidade ao PS, que fundara: entre um socialista de esquerda e um democrata-cristão do centro (ou, para ele, da direita), o PS tinha de apresentar um candidato genuinamente socialista. Era ele.”

Mário Soares viria a ter o apoio do PS, mas acabaria por ficar atrás da candidatura independente do socialista Manuel Alegre nas eleições ganhas por Cavaco Silva em 2006.

Sócrates I versus Sócrates II

No terceiro volume das memórias, Freitas do Amaral faz também a apreciação do desempenho dos governos liderados por José Sócrates, distinguindo um Sócrates I (2005-2008), em que aponta um “resultado notável” ao nível dos défices orçamentais, do Sócrates II (2009-2011) em que o ex-primeiro-ministro “cedeu à tentação do eleitoralismo feito à custa do Erário Público”, além de ter deixado “descontrolar as finanças públicas” e aumentado “de uma forma descomunal” o défice e a dívida do Estado.

“A rápida caminhada para o precipício estava à vista de todos. Só José Sócrates, confiando demais na sua boa estrela, acreditava num milagre… mas este nunca aconteceu. E Portugal chegou às portas da bancarrota…”, escreve Freitas.

“Ele admitia travar o andamento da economia, sim, mas muito devagar. Porquê? Penso que a razão principal terá sido esta: José Sócrates, um socialista, não quis deixar o seu nome ligado a uma política de austeridade, ainda que temporária, que considerava ser uma política de direita. Nisso não foi um bom discípulo de Mário Soares, que por duas vezes (em 1978 e em 1983-1985), carregou a fundo nos travões e deu a cara pela austeridade que o país exigia, sabendo aliás contê-la dentro dos limites do razoável”, sustentou.

Freitas do Amaral conclui: “Diferentemente, Sócrates acreditou na sua boa estrela. Mas a roda da fortuna não parou em frente à residência oficial de São Bento, naqueles dois anos fatídicos”.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Huawei afirma que a tecnologia 6G vai estar disponível daqui a 10 anos

O CEO da Huawei, Ren Zhengfei, assinalou, durante uma entrevista à CNBC, que a sua empresa está a trabalhar em redes móveis 6G, que estarão completamente desenvolvidas daqui a 10 anos.   "Trabalhámos em 5G e 6G …

Nazismo e comunismo classificados em pé de igualdade pelo Parlamento Europeu

No passado dia 19 de setembro, a União Europeia colocou comunismo e nazismo em pé de igualdade, depois de aprovar no Parlamento Europeu uma resolução condenando ambos os regimes por terem cometido "genocídios e deportações …

Conselho da Europa teme que polícia de Malta tenha “recusado provas” no caso da jornalista assassinada

Daphne Galizia era jornalista, acompanhava casos de corrupção no país e foi assassinada há dois anos. Pieter Omtzigt, relator do Conselho da Europa responsável pelo caso, diz que a abordagem da polícia e dos …

Itália quer mudar sede da final da Liga dos Campeões

A Itália quer que a final da Liga dos Campeões deste ano, marcada para o Estádio Olímpico Atatürk Olympic, mude de sede. Os últimos dias não têm sido fáceis para a UEFA. Depois dos incidentes racistas …

CNN coloca broa portuguesa entre os 50 melhores pães do mundo

A propósito das celebrações do Dia Mundial do Pão, que se celebra esta quarta-feira, a CNN fez uma lista com os 50 melhores pães do mundo e um deles é a broa portuguesa. A broa conhecida …

CP lança nova campanha: Lisboa-Porto por cinco euros e mais descontos até 80%

Há 10.300 bilhetes a custos muito reduzidos, anunciou a CP – Comboios de Portugal esta terça-feira. A nova campanha garante viagens nos comboios de longo curso Alfa Pendular e Intercidades “com 80% de desconto”, abrangendo …

"Níveis recorde". Glaciares suíços perderam 10% do seu volume nos últimos cinco anos

Os glaciares suíços perderam 10% do volume nos últimos cinco anos, a maior redução em cem anos, alertou esta terça-feira a Academia Suíça das Ciências. A Academia baseia-se nas medições feitas pelos peritos do painel intergovernamental …

Caso BPN. Relação condena dois dos absolvidos e agrava penas a outros dois

O Tribunal da Relação de Lisboa condenou esta quarta-feira dois dos três arguidos absolvidos no processo principal da falência do BPN, Ricardo Oliveira e Filipe Nascimento, e agravou as penas a dois dos 12 arguidos …

Operação Éter. Hermínio Loureiro entre as dezenas de autarcas arguidos

Hermínio Loureiro, ex-presidente da Câmara de Oliveira de Azeméis, está entre as dezenas de atuais e antigos autarcas que foram constituídos arguidos no âmbito da Operação Éter. Este processo levou à prisão preventiva do antigo presidente …

Proteção Civil quer que bombeiros voltem a ser obrigados a usar cinto de segurança

A estrada mata mais bombeiros do que os incêndios. Por isso, a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil criou um grupo específico para analisar o problema. Rui Ângelo, chefe da Divisão de Segurança, Saúde e …