O Sistema Solar vai manter-se unido — por agora

Novos cálculos alegam que falta pelo menos 100,000 anos para os planetas fazerem ricochete por toda a galáxia.

Num novo estudo publicado o mês passado na Accessible arXic, os matemáticos Angel Zhivkov e Ivaylo Tounchev da Universidade de Sófia, na Bulgária, apresentam uma prova analítica da estabilidade do Sistema Solar durante os próximos milénios, incluindo os oito planetas e o Plutão.

De acordo com a Science Alert, os seus cálculos, que ainda não foram revistos pelos colegas, mostram que as órbitas destes corpos não vão variar significativamente ao longo dos 100,000 anos.

O Sistema Solar já cá está há cerca de 4,5 mil milhões de anos, e não é fácil modelar e prever o que vai continuar a fazer no futuro.

Têm sido realizados estudos para tentar calcular o futuro do Sistema Solar, usando computação avançada para modelar os movimentos dos planetas ao longo de milhões ou biliões de anos.

Embora o trabalho dos matemáticos cubra um período de tempo muito mais curto do que outros estudos, pode aumentar a fiabilidade dos resultados.

O destino final do Sistema Solar é o que tem deixado os cientistas perplexos durante muito tempo. Foi Isaac Newton quem propôs que as interações mútuas entre os planetas conduziriam eventualmente o Sistema Solar ao caos.

A estabilidade dinâmica de longa data no sistema planetário doméstico tem vindo a ser uma gralha para o cérebro desde então.

Isto porque quanto mais corpos houver num sistema dinâmico, mais difícil se torna prever como se vão comportar. Dois corpos, fechados em órbita mútua, são relativamente simples de descrever e prever matematicamente.

No entanto, quanto mais corpos se acrescentam, mais complicada se torna a matemática, porque os corpos começam a perturbar as órbitas um do outro, adicionando caos ao sistema — algo conhecido como o Problema N-body.

As soluções podem ser derivadas para casos individuais específicos, mas não há uma fórmula que descreva toda e qualquer interação N-body. E o Sistema Solar é de facto muito complexo, com não apenas oito planetas e o Sol, mas asteroides, planetas anões e outros bocados à deriva.

Zhivkov e Tounchev desenvolveram um método numérico que traduz os elementos orbitais dos planetas (e Plutão) em 54 equações diferenciais ordinárias de primeira ordem. O código informático, executado num computador de secretária, efetuou os cálculos em 6,29 milhões de passos, sendo cada passo contabilizado durante cerca de seis dias.

Os cálculos sugerem que “a configuração das elipses osculantes em que os planetas se movem em torno do Sol permanecerá estável pelo menos 100.000 anos, no sentido de que o eixo semi-maior de cada planeta varia dentro ou menos de um por cento”, escrevem os investigadores.

Mesmo quando as condições e massas iniciais foram alteradas, o Sistema Solar permaneceu estável sob os cálculos da equipa, e os investigadores sugerem que a estabilidade poderia ser mantida por um milhão ou mesmo mil milhões de anos, embora fosse necessário um computador mais potente para fazer os cálculos.

Simulações anteriores descobriram que serão necessários cerca de 100 mil milhões de anos para que o Sistema Solar se desfaça e se espalhe através da Via Láctea.

Nessa altura, o Sol estará bem e verdadeiramente morto, vivendo a sua vida após a morte como uma anã branca, por isso é pouco provável que a humanidade esteja por perto para o ver, a menos que tenhamos conseguido encontrar um porto seguro noutro lugar, bem longe.

A probabilidade de que tal aconteça, porém, é questionável.

  Inês Costa Macedo, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.