O Sistema Solar vai desintegrar-se completamente (muito) mais cedo do que se pensava

(cv) NASA 360

Astrónomos e físicos têm tentado desvendar o destino final do Sistema Solar há centenas de anos. De acordo com novas simulações, o nosso sistema vai desintegrar-se mais cedo do que se pensava.

Um dia, o nosso Sol morrerá, expelindo uma grande proporção da sua massa antes que o seu núcleo se torne uma anã branca, gotejando calor gradualmente até que, milhares de milhões de anos depois, não seja nada mais do que um pedaço de rocha fria e escura.

Quando isso acontecer, o resto do Sistema Solar terá desaparecido. Segundo simulações de um grupo de cientistas norte-americanos, restam apenas 100 mil milhões de anos para que os planetas do Sistema Solar atravessem a galáxia, deixando para trás o Sol moribundo – o que é menos tempo do que se pensava anteriormente.

De acordo com o LiveScience, em 1999, astrónomos previram que o Sistema Solar desintegrar-se-ia lentamente ao longo de um período de pelo menos 10^18 anos – 1.000.000.000.000.000.000 anos.

“Compreender a estabilidade dinâmica de longo prazo do Sistema Solar constitui uma das atividades mais antigas da astrofísica, remontando ao próprio Newton, que especulou que as interações mútuas entre os planetas acabariam por levar a um sistema instável”, escreveram os autores do estudo.

Além disso, não é apenas a dinâmica dos objetos imutáveis ​​que deve ser levada em consideração, segundo os astrónomos. O Sol vai evoluir dramaticamente à medida que envelhece fora da sequência principal, aumentando a um tamanho que envolve as órbitas de Mercúrio, Vénus e Terra e perdendo quase metade da sua massa nos próximos sete mil milhões de anos.

Os planetas externos sobreviverão a esta evolução, mas não escaparão ilesos. Uma vez que a atração gravitacional da massa do Sol é o que governa as órbitas dos planetas, a perda de peso do nosso Sol fará com que os planetas externos se afastem ainda mais mais, enfraquecendo a sua ligação ao nosso Sistema Solar.

Os astrónomos Jon Zink, da Universidade da Califórnia, Konstantin Batygin, da Caltech, e Fred Adams, da Universidade de Michigan, interpretaram um cenário usando uma série de simulações numéricas.

De acordo com um comunicado, as simulações exploram o que aconteceria com os nossos planetas externos depois de o Sol consumir os planetas internos, perder metade da sua massa e começar a sua nova vida como uma anã branca.

A equipa mostra como os planetas gigantes migrarão para fora em resposta à perda de massa do Sol, formando uma configuração estável na qual Júpiter orbitará cinco vezes para cada duas órbitas de Saturno.

Porém, o nosso Sistema Solar não existe isolado. Existem outras estrelas na galáxia e uma passa perto de nós aproximadamente a cada 20 milhões de anos. Zink e os seus colaboradores incluem os efeitos dessas outras estrelas nas suas simulações.

Os investigadores mostram que, em cerca de 30 mil milhões de anos, os voos estelares terão perturbado os planetas externos o suficiente para fazer com que a configuração estável se torne caótica, atirando rapidamente a maioria dos planetas gigantes para fora do Sistema Solar.

Desta forma, daqui a 100 mil milhões de anos, um último planeta remanescente também será desestabilizado por sobrevoos estelares e ejetado do Sistema Solar.

Após a sua expulsão, os planetas gigantes irão percorrer a galáxia de forma independente, juntando-se à população de planetas flutuantes sem estrelas hospedeiras.

Este estudo foi publicado em outubro na revista científica The Astronomical Journal.

ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Há gente que não tem mais nada que fazer. E é assim que levam enormes verbas em nome da ciência.
    E para os pobres e que mais necessitam não há nada depois.
    Vão dar banho ao cão!

  2. Isto está tudo tramado, não há local no universo onde se possa viver em paz e segurança, por cá é o que vemos diariamente, lá fora até os planetas e estrelas, anda tudo em guerra a ver qual ocupa o melhor lugar, maldita inveja!

RESPONDER

PS diz que Marcelo deve vitória aos socialistas (e cobra-lhe apoio em tempos difíceis)

"A democracia venceu na primeira volta e o extremismo de direita foi derrotado". É desta forma que o presidente do PS, Carlos César, comenta os resultados das eleições presidenciais ganhas por Marcelo Rebelo de Sousa, …

"Liberdade para a Dinamarca". Novos incidentes em manifestação contra restrições

Uma manifestação contra as restrições impostas para conter a pandemia, organizada por um grupo radical, em Copenhaga, originou novos incidentes na noite de sábado e resultou em cinco detenções, relataram a polícia e os meios …

Pela primeira vez, um restaurante vegan ganha uma estrela Michelin em França

Um restaurante de comida totalmente vegan em França foi o primeiro do país a receber a desejada estrela Michelin. Localiza-se perto de Bordéus. A concessão da estrela ao ONA (Origine Non-Animale) é mais uma evidência de …

Onze mineiros resgatados com vida de uma mina de ouro na China

Onze mineiros presos há duas semanas dentro de uma mina de ouro na China, devido a uma explosão, foram hoje trazidos em segurança para a superfície, informou a televisão estatal chinesa. No dia 10 de janeiro, …

Multimilionário oferece 1 milhão em prémios por evidências de vida após a morte

Um empresário de Las Vegas, nos Estados Unidos, está a oferecer um milhão de dólares em prémios em troca de evidências de que existe vida após a morte. O investidor imobiliário e empresário espacial Robert Bigelow, …

Marcelo reeleito com 55% a 62% dos votos. Ana Gomes em segundo lugar

Marcelo Rebelo de Sousa foi reeleito para um segundo mandato como Presidente da República, após vencer as eleições deste domingo com 55% a 62% dos votos.  Segundo as primeiras projeções, Ana Gomes deverá ficar em …

Itália vai processar Pfizer e AstraZeneca devido a atrasos nas vacinas. UE pede "transparência"

A Itália vai processar a Pfizer Inc e a AstraZeneca devido aos atrasos na entrega das vacinas contra a covid-19 e para garantir os fornecimentos – não para obter compensações, disse neste domingo o ministro …

Declínio cognitivo relacionado com a idade pode ser reversível

Cientistas conseguiram reverter em ratos o declínio cognitivo causado pelo envelhecimento. O objetivo dos investigadores é que as farmacêuticas baseiem-se neste estudo para criar um composto que possa ser administrado em humanos. As células específicas do …

Afluência às urnas é menor (mas há mais votantes). Abstenção deverá ficar entre os 56 e 60%

A afluência às urnas às 16:00 nas presidenciais de hoje em Portugal, 35,4%, é a segunda mais baixa desde as eleições de 2006, ano em que este número passou a ser divulgado pela administração eleitoral. Esta …

Reino Unido já vacinou quase 6 milhões. Alemanha aumenta controlo nas fronteiras

O Reino Unido já administrou a primeira das duas doses da vacina contra o novo coronavírus em cerca de seis milhões de pessoas, quando o número de mortes no país devido à pandemia está perto …