Estudo revolucionário explica como o sistema imunológico “adormece” as células cancerígenas

Um novo estudo mostrou que a destruição de células do cancro não é o único caminho para combater a doença. O sistema imunológico pode simplesmente adormecer as células por tempo indeterminado, fazendo com que a doença não evolua.

Um estudo recente, conduzido por uma equipa de investigadores australianos, descobriu que o sistema imunológico pode manter as células cancerígenas num estado dormente.Os cientistas esperam que a mais recente descoberta ofereça novos caminhos para a pesquisa de técnicas de imunoterapia capazes de impedir o crescimento de um tumor por um período indefinido de tempo.

A maioria das pesquisas sobre o cancro investigam formas de destruir estas células. No entanto, na mais recente abordagem, os cientistas foram por uma via diferente que não a destruição.

Em alguns casos, as células malignas do cancro podem permanecer em estase por períodos prolongados de tempo sem se espalhar ou causar sintomas relacionados à doença. Este processo é chamado de equilíbrio imune ao cancro e, embora saibamos que é mediado pelo sistema imunológico do corpo, os cientistas não entendem exatamente como ele funciona.

“Não conseguimos entender os mecanismos responsáveis por manter os tumores sob controlo e neste estado de dormência”, afirma Jason Waithman, da Universidade da Austrália Ocidental, e um dos autores do estudo publicado na Nature.

“Sabíamos apenas que existia esta espécie de ‘caixa negra’ de controlo do cancro e que, se puséssemos entender melhor este processo, poderíamos explorá-lo num maior número de pacientes e salvar muitas vidas”, continuou o especialista, citado pelo New Atlas.

O estudo concentrou-se num tipo de célula imune, chamada de célula T de memória residente em tecido (TRM ou tissue-resident memory). As células TRM foram identificadas há cerca de 20 anos e são funcionalmente diferentes de outros tipos de células imunes.

Com o objetivo de estudar o seu efeito no equilíbrio imunológico do cancro, os cientistas utilizaram uma nova técnica de imagem para observar o movimento destas células em tempo real em ratos com uma espécie de melanoma.

“Usando um microscópio especial, pudemos observar as células T a moverem-se na pele dos ratos, encontrar as células do melanoma e controlar o crescimento dessas células”, afirmou Simone Park, investigadora da Universidade de Melbourne, na Austrália.

Os resultados da experiência foram notáveis. O crescimento do tumor foi desencadeado após as células TRM terem serem removidas. Assim, os cientistas concluíram que estas células desempenham um papel fundamental na supressão da progressão do cancro e na manutenção do equilíbrio imunológico contra a doença.

Serão necessários mais estudos e investigações para entender exatamente de que forma estas células TRM mantêm o cancro adormecido, mas os cientistas estão muito confiantes de que os resultados serão transferíveis para os seres humanos.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Lixo espacial cadente iluminou os céus na Austrália

Na sexta-feira passada, pedaços de lixo espacial de um foguetão russo iluminaram os céus na Austrália. Os especialistas dividem-se na possibilidade de bocados dele caírem na Terra. Na sexta-feira passada, num final de tarde como tantos …

Cientistas criaram uma borracha que até rasga (mas concerta-se sozinha)

Investigadores da Universidade Flinders, na Austrália, desenvolveram um novo tipo de borracha que consegue regenerar sozinha. A equipa de investigadores da universidade australiana criou um novo tipo de borracha e um catalisador que, em conjunto, podem …

Dez anos depois, voltou a ser avistado um guepardo do noroeste africano

Naturalistas na Argélia filmaram um guepardo do noroeste africano, uma subespécie listada na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) como estando em "perigo crítico", pela primeira vez em dez anos. De acordo …

NASA dedica novo telescópio a Nancy Grace Roman, a "mãe" do Hubble

A NASA renomeou o telescópio Wide Field Infrared Probing Telescope (WFIRST) em homenagem a Nancy Grace Roman, a mãe do Hubble. A NASA batizou o seu telescópio espacial de última geração, atualmente em desenvolvimento, - o …

Guitarrista dos Queen teve um ataque cardíaco que o deixou às portas da morte

Brian May, guitarrista dos Queen, sofreu um ataque cardíaco que o deixou às portas da morte, anunciou o próprio músico, de 72 anos. May partilhou um vídeo no Instagram no qual conta todo o episódio. Tudo …

"Missão Tianwen". China planeia lançar sonda para Marte em julho

A China planeia lançar uma sonda e um pequeno robô de controlo remoto para Marte, em julho, na sua primeira missão ao Planeta Vermelho, anunciou esta segunda-feira a agência responsável pelo projeto. "O nosso objetivo era …

Bairros de lata são incubadoras de covid-19, mas ninguém ajuda os milhões que lá vivem

Bairros de lata, como as favelas, são consideradas incubadores de covid-19. No entanto, pouca atenção lhes tem sido dada na resposta à pandemia. Tendo devastado algumas das cidades mais ricas do mundo, a pandemia do novo …

Morreu Saturn, o jacaré que sobreviveu a um bombardeamento da II Guerra (e que se diz que pertenceu a Hitler)

Saturn, um jacaré norte-americano de 84 anos, morreu esta sexta-feira no jardim zoológico de Moscovo, na Rússia, anunciou a instituição na sua conta de Facebook, dando conta que o animal morreu de velhice. O réptil …

Antiviral Remdesivir pode ser eficaz no combate à covid-19

O antiviral Remdesivir é eficaz contra a covid-19 caso seja administrado antes dos pacientes necessitarem de ventilação mecânica, indica um ensaio internacional com este medicamento, coordenado pelo Hospital Can Ruti, em Badalona, Barcelona, Espanha. Segundo um …

Há uma misteriosa ilha em Nova Iorque que quase ninguém pode visitar (e está abandonada)

A menos de 1,6 quilómetros de Manhattan, em Nova Iorque, localiza-se uma misteriosa ilha abandonada há mais de meio século. É preciso ter autorização do New York City Department of Parks and Recreation para visitar …