Será mais fácil encontrar tecnologia alien do que provas biológicas da sua existência

Equipa de investigadores apresentou quatro fatores que apontam para que a tecnologia tenha uma vida potencialmente mais longa do que a biologia.

A equação Drake é uma das mais famosas em astronomia. Tem sido imensamente debatida desde que foi apresentada pela primeira vez em 1961 por Frank Drake, no entanto, tem servido como uma base para a discussão sobre quanta vida pode existir pela galáxia. Contudo, todas as equações podem ser melhoradas e uma equipa de astrobiólogos e astrónomos pensa ter encontrado uma forma de o fazer com esta.

A equação foi centrada em torno da procura de sinais de rádio. No entanto, a sua formulação implicaria que seria mais provável ver o que é frequentemente chamado de “bioassinaturas” do que as tecnológicas. Por exemplo, os astrónomos poderiam encontrar metano na atmosfera de um planeta, o que é um claro sinal de vida, mesmo que esse planeta ainda não tenha desenvolvido qualquer tipo de inteligência avançada.

Segundo o Universe Today, essa procura de bioassinaturas não era possível quando Drake escreveu originalmente a equação — mas é-o agora. Como tal, talvez seja altura de modificar alguns dos fatores da equação original para refletir melhor as novas capacidades de pesquisa dos cientistas. Uma maneira de o fazer é dividir a equação em duas separadas, refletindo a procura de bioassinaturas e tecnossinaturas, respetivamente.

As bioassinaturas, captadas na nova estrutura pelo termo N(bio), desenvolver-se-iam provavelmente mais frequentemente do que as tecnossinaturas, capturadas na nova estrutura como N(tech). Logicamente, isso resultaria num número menor de planetas que vão desenvolver uma civilização tecnologicamente avançada é muito menor do que o número total de planetas que formam vida em primeiro lugar. Afinal, a Terra levou cerca de 4 mil milhões de anos após a sua primeira centelha de vida para desenvolver uma civilização inteligente.

Mas esse primeiro blush não é responsável por uma característica fundamental da tecnologia — embora possa ter origem num planeta com uma biosfera, não tem certamente de lá ficar. Isto influencia significativamente outro fator na equação de Drake – o chamado L ou o período de tempo em que um sinal é detetável. Jason Wright da Penn State University, o principal autor do novo artigo publicado em The Astrophysical Journal Letters e a sua equipa salienta que quatro fatores apontam para que a tecnologia tenha uma vida potencialmente mais longa do que a biologia.

Primeiramente, e como seria evidente para qualquer fã de ficção científica, a tecnologia pode viver muito mais do que a biologia que a criou. De facto, em alguns casos, a própria tecnologia pode destruir a biosfera que a criou. Mas seria ainda detetável, mesmo à distância, muito depois das formas de vida que a tinham criado terem morrido. E poderia fazê-lo na ordem de milhões ou mesmo milhares de milhões de anos, dependendo da robustez da tecnologia.

Se as formas de vida não morressem nas fases iniciais do seu despertar tecnológico, provavelmente quereriam expandir-se para outros planetas e levariam a sua tecnologia com eles. O que nos leva ao segundo fator — as tecnosferas podem potencialmente ultrapassar as biosferas. Por exemplo, se a colonização lunar se mover firmemente nos próximos cem anos, a Lua tornar-se-ia um mundo sem biosfera, mas teria muito claramente uma tecnosfera à sua volta.

Subindo ainda mais a árvore tecnológica, a própria tecnologia poderia tornar-se auto-replicativa, tal como uma sonda von Neumann ou outro sistema auto-replicativo. Estes seriam capazes de deixar para trás qualquer biosfera de origem, mas também poderiam potencialmente continuar muito depois de qualquer biologia que inicialmente os tivesse criado ter avançado.

Isso daria uma pista para o quarto fator – ou seja, que as assinaturas técnicas podem mesmo existir sem um planeta, sob a forma de naves espaciais ou satélites. De facto, esta poderia mesmo ser a forma mais comum de tecnassinatura na galáxia. Como tal, os factores limitantes da equação de Drake, que estão todos diretamente ligados a um planeta, não se aplicam à tecnologia.

  Lusa //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.