Segurança Social terá vendido imóveis 30% abaixo do valor de mercado

Mário Cruz / Lusa

O Tribunal de Contas considera que a gestão do património da Segurança Social entre 2016 e 2018 foi ineficiente, apontando falhas no processo de alienação de imóveis, no controlo dos contratos de arrendamento e na recuperação da dívida. Quinze imóveis foram vendidos por ajuste direto 30% abaixo do valor de mercado.

A conclusão consta de um relatório de auditoria divulgado esta quinta-feira, referente ao período 2016-2018, à gestão do património da Segurança Social que não se encontra afeto à utilização pelos serviços ou como equipamento social, realizada pelo Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social (IGFSS). “O Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social, I.P., não assegurou uma eficiente gestão do património imobiliário da Segurança Social”, conclui o Tribunal de Contas.

O tribunal diz que a seleção dos imóveis e a escolha dos procedimentos de alienação “não foi fundamentada, designadamente do ponto de vista económico-financeiro, mas baseada em opções gestionárias do Conselho Diretivo tendo por base os imóveis devolutos e em condições de comercialização”.

Também os procedimentos de controlo e monitorização dos contratos de arrendamento “não asseguram a eficácia na cobrança das rendas, na recuperação de montantes em dívida e na atuação tempestiva perante incumprimentos”.

Em 2018, a atividade registou um resultado negativo de 540,4 milhões de euros, mais 28,4 milhões de euros de perdas face a 2016.

“Ao longo do triénio, os custos foram sempre superiores aos proveitos, podendo-se concluir da ineficiência desta área de negócio”, sublinha o organismo presidido por Vítor Caldeira. Nos três anos foram alienados 147 imóveis, dos quais 61 por ajuste direto, representando 11,6 milhões de euros de receita.

Por concurso foram alienados 50 imóveis, no montante de 21,7 milhões de euros, por venda eletrónica 28 imóveis por 7,3 milhões de euros e oito por venda direta ao arrendatário por 200 mil euros.

“A alienação de imóveis foi efetuada preferencialmente por procedimento de ajuste direto, na sequência da publicitação de anúncio no sítio da Segurança Social na Internet, o que não favoreceu a maximização da receita para a Segurança Social e a sua sustentabilidade”, frisam os auditores.

Além disso, diz o organismo, foram alienados 15 imóveis por ajuste direto pelo valor de venda imediata, ou seja, cerca de 30% abaixo do valor de mercado, com uma perda potencial de receita de 1,1 milhões de euros para a Segurança Social. A margem das alienações por ajuste direto foi de 1,7%, enquanto por concurso atingiu 12,1% e por venda eletrónica 21,6%.

Segundo o TdC, “foi utilizado como critério de adjudicação, em procedimentos de alienação de imóveis por ajuste direto, a ordem de entrada das propostas, não garantindo a escolha da proposta de maior valor”. O organismo que fiscaliza as contas públicas afirma ainda que “não foram adotadas as melhores práticas de mercado quer na avaliação de imóveis quer na divulgação e publicidade dos procedimentos de alienação ou arrendamento”.

Do total de 147 imóveis alienados no triénio, 65 foram adquiridos por 14 compradores e deste universo 94% foram alienados por ajuste direto.

O IGFSS “não dispõe de contabilidade analítica adequada para a gestão do património imobiliário, nem de informação completa, útil e relevante para o processo de decisão de alienar imóveis”, sublinham os auditores.

Problemas de inventário e milhões em rendas atrasadas

De acordo com a auditoria, verificaram-se falhas no preenchimento das fichas de identificação dos imóveis e ao nível do inventário já que, “no triénio 2016-2018, foram alienados três imóveis que não se encontravam inventariados nem registados contabilisticamente”.

O instituto não tem informação sobre o valor de mercado do seu património imobiliário que, no final de 2018 ascendia a 2.565 imóveis. Também os mecanismos de controlo interno “revelaram-se deficientes, designadamente na cobrança tempestiva da receita de rendas e na recuperação da dívida”, adianta o organismo.

No final de 2018, continua o tribunal, a dívida de rendas ascendeu a 3,5 milhões de euros, da qual cerca de 96% (3,3 milhões de euros) é de “cobrança duvidosa”. “O montante em dívida de rendas em cobrança duvidosa corresponde a cerca de 18 meses de proveitos de rendas”, acrescentam os auditores.

De acordo com o relatório, o IGFSS “transmitiu a propriedade de um conjunto de bens móveis a título gratuito” e as operações relativas à aquisição, arrendamento, alienação e oneração de imóveis “não foram submetidas a parecer do Fiscal Único”. “Nos pareceres sobre as contas de 2016, 2017 e 2018, o Fiscal Único não recomendou a aprovação e homologação dos Relatórios de Gestão e Contas”, lê-se no documento.

António Pedro Santos / Lusa

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho,

O TdC recomenda, assim, à ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, “diligenciar para que o processo de alienação de imóveis da segurança social seja suportado em estudos económico-financeiros, com especial ênfase na seleção dos imóveis, dos procedimentos, do valor base de venda e na calendarização”.

A ministra deve ainda “assegurar que os instrumentos de cooperação com entidades públicas operacionalizados através da alienação ou arrendamento de património da Segurança Social não prejudicam comprovadamente a receita para o orçamento da Segurança Social”, defende o organismo.

Já o IGFSS deve equacionar “a venda de imóveis através de leilões eletrónicos análogos aos das Finanças” e “garantir que o valor base de venda dos imóveis a alienar não é inferior ao seu valor de mercado e que é sustentado por mais do que uma avaliação”, entre outras recomendações.

Governo nega

O Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social garantiu esta quinta-feira à Lusa que a venda de 11 imóveis da Segurança Social à Câmara de Lisboa para arrendamento acessível “foi feita a valores de mercado” e na sequência de quatro avaliações externas.

“A alienação dos imóveis [da Segurança Social] foi feita a valores de mercado e na sequência de quatro avaliações externas e independentes”, refere, em comunicado, o ministério tutelado por Ana Mendes Godinho, explicitando que duas auditorias foram pedidas pelo “Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social (IGFSS)” e as outras duas pelo município de Lisboa.

O Ministério da Segurança Social acrescenta que a transação dos imóveis foi feita depois de um “visto prévio favorável” do TdC e que o relatório desse tribunal não indica “qualquer ilegalidade no processo”.

José Sena Goulão / Lusa

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina

A venda dos edifícios ao município liderado por Fernando Medina foi a solução que “melhor respondeu à circunstância” de haver 11 imóveis devolutos na cidade, depois da concentração dos serviços do Instituto da Segurança Social na Avenida de Berna.

Em declarações à Renascença, o presidente da Câmara de Lisboa criticou duramente o TdC e arrasa o relatório no qual denuncia uma gestão ineficiente da Segurança Social. “É mais um exercício lamentável do Tribunal de Contas. Um relatório incompetente, de uma fraquíssima qualidade técnica, que visa mais uma demonstração que o TdCestá hoje muito empenhado em fazer política e cumprir menos cabalmente as suas funções”, disse Fernando Medina.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Exilados sírios obrigados a pagar taxas para evitar o alistamento obrigatório

No início deste ano, Yousef, um sírio de 32 anos que vive na Suécia, teve que pagar as taxas que lhe isentavam da obrigatoriedade de se alistar no exército da Síria, caso contrário a família …

Portugal tem cerca de 8.200 pessoas em situação de sem-abrigo, mais de metade em Lisboa

Estima-se que, em 2020, cerca de 485 pessoas tenham abandonado esta condição, o que representa uma descida de 39% face a 2019. Portugal terá cerca de 8.200 pessoas em situação de sem-abrigo, segundo os resultados de …

Simone Biles: "Deveria ter desistido muito antes dos Jogos Olímpicos"

"Uma mulher preta tem que ser a melhor, as pessoas tentam menosprezar", lamentou a multi-campeã olímpica de ginástica. Simone Biles não conquistou qualquer medalha de ouro nos Jogos Olímpicos deste ano mas foi a atleta mais …

Mãe e filho de 2 anos morrem à porta do estádio. Jogo decorreu normalmente

Queda aconteceu pouco antes de começar um jogo da Major League Baseball, em San Diego. O desporto passou para segundo plano na tarde deste domingo, pouco antes de um jogo de beisebol, nos Estados Unidos da …

"Blá blá blá". Greta Thunberg acusa líderes mundiais de não cumprirem com as promessas climáticas

Ativista considera que os anúncios feitos pelos líderes mundiais não passam de bonitas intenções que, na prática, não se traduzem em ações com verdadeiro impacto na luta contra as alterações climáticas. Greta Thunberg acusou os líderes …

Mulher com síndrome de Down perde ação judicial contra a lei do aborto no Reino Unido

Na semana passada, uma mulher com síndrome de Down perdeu uma ação judicial contra o governo britânico por causa de uma lei que permite o aborto até ao fim da gestação de fetos que poderão …

Tribunal condena corticeira da Feira por despedir trabalhadora que denunciou assédio

A corticeira Fernando Couto foi condenada pelo Tribunal da Feira a pagar uma coima de cerca de 11 mil euros por ter despedido a operária Cristina Tavares, após esta ter denunciado ser vítima de assédio …

Dupla de cientistas apresenta uma nova abordagem para reciclar plástico

Um novo estudo oferece uma abordagem totalmente nova para reciclar plástico, tendo sido inspirada na forma como a natureza naturalmente "recicla" os componentes dos polímeros orgânicos presentes no ambiente. As proteínas são um dos principais compostos …

Edição de 2021 da Web Summit recebe 40 mil participantes. Moedas como presidente não será problema

Evento, que se realiza entre 1 e 4 de Novembro, volta a decorrer em formato presencial depois de em 2020 a pandemia ter transferido as atividades para o ambiente digital. O presidente executivo da Web Summit, …

Alunos carenciados com desempenho inferior aos dos mais favorecidos

Mesmo tendo acesso a meios digitais, o desempenho dos alunos carenciados foi sempre “inferior” aos dos seus colegas oriundos de meios mais favorecidos.  Segundo noticia o Público, esta é uma das principais conclusões a que chegou …