Segurança Social terá vendido imóveis 30% abaixo do valor de mercado

Mário Cruz / Lusa

O Tribunal de Contas considera que a gestão do património da Segurança Social entre 2016 e 2018 foi ineficiente, apontando falhas no processo de alienação de imóveis, no controlo dos contratos de arrendamento e na recuperação da dívida. Quinze imóveis foram vendidos por ajuste direto 30% abaixo do valor de mercado.

A conclusão consta de um relatório de auditoria divulgado esta quinta-feira, referente ao período 2016-2018, à gestão do património da Segurança Social que não se encontra afeto à utilização pelos serviços ou como equipamento social, realizada pelo Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social (IGFSS). “O Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social, I.P., não assegurou uma eficiente gestão do património imobiliário da Segurança Social”, conclui o Tribunal de Contas.

O tribunal diz que a seleção dos imóveis e a escolha dos procedimentos de alienação “não foi fundamentada, designadamente do ponto de vista económico-financeiro, mas baseada em opções gestionárias do Conselho Diretivo tendo por base os imóveis devolutos e em condições de comercialização”.

Também os procedimentos de controlo e monitorização dos contratos de arrendamento “não asseguram a eficácia na cobrança das rendas, na recuperação de montantes em dívida e na atuação tempestiva perante incumprimentos”.

Em 2018, a atividade registou um resultado negativo de 540,4 milhões de euros, mais 28,4 milhões de euros de perdas face a 2016.

“Ao longo do triénio, os custos foram sempre superiores aos proveitos, podendo-se concluir da ineficiência desta área de negócio”, sublinha o organismo presidido por Vítor Caldeira. Nos três anos foram alienados 147 imóveis, dos quais 61 por ajuste direto, representando 11,6 milhões de euros de receita.

Por concurso foram alienados 50 imóveis, no montante de 21,7 milhões de euros, por venda eletrónica 28 imóveis por 7,3 milhões de euros e oito por venda direta ao arrendatário por 200 mil euros.

“A alienação de imóveis foi efetuada preferencialmente por procedimento de ajuste direto, na sequência da publicitação de anúncio no sítio da Segurança Social na Internet, o que não favoreceu a maximização da receita para a Segurança Social e a sua sustentabilidade”, frisam os auditores.

Além disso, diz o organismo, foram alienados 15 imóveis por ajuste direto pelo valor de venda imediata, ou seja, cerca de 30% abaixo do valor de mercado, com uma perda potencial de receita de 1,1 milhões de euros para a Segurança Social. A margem das alienações por ajuste direto foi de 1,7%, enquanto por concurso atingiu 12,1% e por venda eletrónica 21,6%.

Segundo o TdC, “foi utilizado como critério de adjudicação, em procedimentos de alienação de imóveis por ajuste direto, a ordem de entrada das propostas, não garantindo a escolha da proposta de maior valor”. O organismo que fiscaliza as contas públicas afirma ainda que “não foram adotadas as melhores práticas de mercado quer na avaliação de imóveis quer na divulgação e publicidade dos procedimentos de alienação ou arrendamento”.

Do total de 147 imóveis alienados no triénio, 65 foram adquiridos por 14 compradores e deste universo 94% foram alienados por ajuste direto.

O IGFSS “não dispõe de contabilidade analítica adequada para a gestão do património imobiliário, nem de informação completa, útil e relevante para o processo de decisão de alienar imóveis”, sublinham os auditores.

Problemas de inventário e milhões em rendas atrasadas

De acordo com a auditoria, verificaram-se falhas no preenchimento das fichas de identificação dos imóveis e ao nível do inventário já que, “no triénio 2016-2018, foram alienados três imóveis que não se encontravam inventariados nem registados contabilisticamente”.

O instituto não tem informação sobre o valor de mercado do seu património imobiliário que, no final de 2018 ascendia a 2.565 imóveis. Também os mecanismos de controlo interno “revelaram-se deficientes, designadamente na cobrança tempestiva da receita de rendas e na recuperação da dívida”, adianta o organismo.

No final de 2018, continua o tribunal, a dívida de rendas ascendeu a 3,5 milhões de euros, da qual cerca de 96% (3,3 milhões de euros) é de “cobrança duvidosa”. “O montante em dívida de rendas em cobrança duvidosa corresponde a cerca de 18 meses de proveitos de rendas”, acrescentam os auditores.

De acordo com o relatório, o IGFSS “transmitiu a propriedade de um conjunto de bens móveis a título gratuito” e as operações relativas à aquisição, arrendamento, alienação e oneração de imóveis “não foram submetidas a parecer do Fiscal Único”. “Nos pareceres sobre as contas de 2016, 2017 e 2018, o Fiscal Único não recomendou a aprovação e homologação dos Relatórios de Gestão e Contas”, lê-se no documento.

António Pedro Santos / Lusa

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho,

O TdC recomenda, assim, à ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, “diligenciar para que o processo de alienação de imóveis da segurança social seja suportado em estudos económico-financeiros, com especial ênfase na seleção dos imóveis, dos procedimentos, do valor base de venda e na calendarização”.

A ministra deve ainda “assegurar que os instrumentos de cooperação com entidades públicas operacionalizados através da alienação ou arrendamento de património da Segurança Social não prejudicam comprovadamente a receita para o orçamento da Segurança Social”, defende o organismo.

Já o IGFSS deve equacionar “a venda de imóveis através de leilões eletrónicos análogos aos das Finanças” e “garantir que o valor base de venda dos imóveis a alienar não é inferior ao seu valor de mercado e que é sustentado por mais do que uma avaliação”, entre outras recomendações.

Governo nega

O Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social garantiu esta quinta-feira à Lusa que a venda de 11 imóveis da Segurança Social à Câmara de Lisboa para arrendamento acessível “foi feita a valores de mercado” e na sequência de quatro avaliações externas.

“A alienação dos imóveis [da Segurança Social] foi feita a valores de mercado e na sequência de quatro avaliações externas e independentes”, refere, em comunicado, o ministério tutelado por Ana Mendes Godinho, explicitando que duas auditorias foram pedidas pelo “Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social (IGFSS)” e as outras duas pelo município de Lisboa.

O Ministério da Segurança Social acrescenta que a transação dos imóveis foi feita depois de um “visto prévio favorável” do TdC e que o relatório desse tribunal não indica “qualquer ilegalidade no processo”.

José Sena Goulão / Lusa

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina

A venda dos edifícios ao município liderado por Fernando Medina foi a solução que “melhor respondeu à circunstância” de haver 11 imóveis devolutos na cidade, depois da concentração dos serviços do Instituto da Segurança Social na Avenida de Berna.

Em declarações à Renascença, o presidente da Câmara de Lisboa criticou duramente o TdC e arrasa o relatório no qual denuncia uma gestão ineficiente da Segurança Social. “É mais um exercício lamentável do Tribunal de Contas. Um relatório incompetente, de uma fraquíssima qualidade técnica, que visa mais uma demonstração que o TdCestá hoje muito empenhado em fazer política e cumprir menos cabalmente as suas funções”, disse Fernando Medina.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Companhia aérea australiana oferece voos de 7 horas (para lugar nenhum)

A companhia aérea australiana Qantas anunciou recentemente planos para um voo panorâmico de sete horas que fará um loop gigante em Queensland e Gold Coast, New South Wales e os remotos centros do interior do …

Barack Obama vai publicar um livro de memórias (mas só depois da eleições de novembro)

O livro de memórias do antigo Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, só vai ser publicado depois das eleições presidenciais de novembro. Uma enxurrada de livros políticos chegou às prateleiras nas últimas semanas, no final da …

Confrontos em Londres entre polícia e opositores das restrições devido à pandemia

A polícia de Londres, Inglaterra, entrou hoje em confronto com manifestantes que protestavam contra as restrições que visam conter a disseminação do novo coronavírus. De acordo com a agência Associated Press (AP), os confrontos ocorreram quando …

Milhares infetados por bactéria após fuga em fábrica farmacêutica chinesa

Milhares de pessoas no noroeste da China contraíram uma doença bacteriana depois de uma fuga que causou um surto numa biofarmacêutica no ano passado. De acordo com a CNN, que cita relatos dos media locais, mais …

Guardas da Revolução do Irão prometem vingar morte do general Soleimani

O chefe dos Guardas da Revolução, o exército ideológico do Irão, garantiu hoje que a morte do general Qassem Soleimani, alvo de um raide aéreo dos Estados Unidos, será vingada em “todos os seus implicados”. “Senhor …

"O mundo está no momento mais perigoso da história humana", diz Noam Chomsky

O professor norte-americano Noam Chomsky, conhecido como o pai da linguística moderna, advertiu que o mundo está no momento mais perigoso da história da humanidade devido à crise climática, à ameaça de guerra nuclear e …

Portugal com 849 novas infecções por covid-19. Há 20.722 casos activos

Portugal registou 849 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, mantendo-se a tendência de subida verificada nos dias anteriores. Mas o número de pacientes recuperados também não era tão alto desde Julho. O boletim da …

A Grândola Vila Morena abafou "a maior marcha alguma vez vista" do Chega

Com a Praça do Giraldo, em Évora, dividida por barreiras anti-motim, os participantes da concentração "Pela Liberdade" receberam os apoiantes do Chega de André Ventura ao som de "Grândola Vila Morena" e empunhando cravos vermelhos …

Pandemia assola Irão. EUA com mais 888 mortos. 19 países europeus bateram recorde de casos

Naquele que é o número mais elevado de casos diários desde abril, a Alemanha registou 2.297 novos contágios, 19 países europeus já ultrapassaram o recorde de casos do pico da pandemia. O Irão ultrapassou as …

Rangel "é um turista do carago". SMS atestam que Vieira usou Benfica em "benefício pessoal"

Luís Filipe Vieira é um dos acusados da Operação Lex, com o Ministério Público (MP) a alegar que o presidente do Benfica utilizou o clube em "benefício pessoal" para obter uma cunha do juiz Rui Rangel. O …