Átomo extinto revela segredos da infância do Sistema Solar

Makiko K. Haba

Usando o átomo extinto nióbio-92, uma equipa de investigadores da ETH Zurich, na Suíça, conseguiu explicar eventos do início do sistema solar com a maior precisão de sempre.

Se um átomo de um elemento químico tiver um excedente de protões e neutrões, torna-se instável e irá libertar essas partículas adicionais como radiação gama até que se torne estável novamente.

Um desses isótopos instáveis ​​é o nióbio-92 (92Nb), que os especialistas também chamam de radioisótopo. A sua meia-vida de 37 milhões de anos é relativamente curta, por isso extinguiu-se logo após a formação do Sistema Solar. Hoje, apenas o seu isótopo filho estável, o zircónio-92 (92Zr), atesta a existência do 92Nb.

Mesmo assim, os cientistas continuaram a usar o radioisótopo extinto na forma do cronómetro 92Nb-92Zr, com o qual conseguem datar eventos que ocorreram no início do Sistema Solar, há cerca de 4,57 mil milhões de anos.

Até agora, o uso do cronómetro 92Nb-92Zr tem sido limitado, devido à falta de informações precisas sobre a quantidade de 92Nb que estava presente no nascimento do Sistema Solar. Isso compromete o seu uso para datar e determinar a produção desses radioisótopos em ambientes estelares.

Agora, uma equipa de investigadores da ETH Zurich e do Instituto de Tecnologia de Tóquio melhorou este cronómetro através de um truque inteligente: recuperaram zircão e minerais rutílicos raros de meteoritos que eram fragmentos do protoplaneta Vesta.

Esses minerais são considerados os mais adequados para a determinação do 92Nb, porque fornecem evidências precisas do quão comum este na época da formação do meteorito.

“Este cronómetro aprimorado é, portanto, uma ferramenta poderosa para fornecer idades precisas para a formação e desenvolvimento de asteróides e planetas – eventos que aconteceram nas primeiras dezenas de milhões de anos após a formação do Sistema Solar”, disse Maria Schönbächler, professora do Instituto de Geoquímica e Petrologia da ETH Zurich, em comunicado.

Sabendo com maior precisão quão abundante era o 92Nb no início do Sistema Solar, os cientistas conseguem determinar o local onde se formaram esses átomos e onde se originou o material que compõe o nosso sol e os planetas.

O novo modelo criado pela equipa de cientistas sugere que o Sistema Solar interno, com os planetas terrestres Terra e Marte, é amplamente influenciado pelo material ejetado pelas supernovas Tipo Ia na Via Láctea. Nessas explosões estelares, duas estrelas em órbita interagem entre si antes de explodir e libertar material estelar.

Em contraste, o Sistema Solar externo era alimentado principalmente por uma supernova de colapso do núcleo – provavelmente no berçário estelar onde o Sol nasceu -, na qual uma estrela massiva colapsou sobre si mesma e explodiu violentamente.

Este estudo foi publicado em fevereiro na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences.

Maria Campos Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Já pode "adotar" um pedaço de Notre-Dame para ajudar na sua reconstrução

Uma organização está a dar a oportunidade de o público ajudar na reconstrução de artefactos específicos da catedral de Notre-Dame, em França, que foi parcialmente destruída por um incêndio em 2019. De acordo com a cadeia …

Proporção divina identificada na gerbera

Descobrir como se formam os padrões distintos e omnipresentes das cabeças das flores tem intrigado os cientistas há séculos. Quando se pede a alguém que desenhe um girassol, quase todas as pessoas desenham um grande círculo …

Audi apresenta o novo Q4 e-tron que traz uma autonomia até 520 km

Ainda antes do verão, a Audi vai colocar no mercado o seu primeiro SUV elétrico concebido de raiz e não adaptado a partir de uma plataforma concebida para motores a combustão. O Q4 e-tron destaca-se pela …

Vanuatu em alerta depois de um corpo com covid-19 ter dado à costa

Vanuatu proibiu viagens de e para a sua principal ilha três dias depois de ter dado à costa um corpo de um pescador filipino, que testou positivo à covid-19. De acordo com a Radio New Zealand, …

Cientistas russos querem criar a primeira vacina comestível contra a covid-19

O Instituto de Medicina Experimental de São Petersburgo, na Rússia, anunciou o seu plano de concluir dentro de um ano os testes pré-clínicos da primeira vacina comestível do mundo contra o novo coronavírus. Em entrevista à …

Em plena crise política, o país mais pobre das Américas ainda não recebeu nenhuma vacina

Numa altura em que a maior parte dos países já têm o processo de vacinação a decorrer, o governo do Haiti ainda não garantiu uma única dose da vacina contra o coronavírus. O país mais pobre …

Afinal, Leonardo da Vinci não esculpiu o busto de Flora

Está terminada a controvérsia que durou mais de cem anos após a aquisição do Busto de Flora em 1909, por Wilhelm von Bode. A datação por radiocarbono revelou, recentemente, que a obra não foi …

Crise climática "implacável" intensificou-se em 2020, diz relatório da ONU

Houve uma intensificação "implacável" da crise climática em 2020, com a queda temporária nas emissões de carbono devido ao confinamento a ter um impacto pouco significativo nas concentrações de gases de efeito de estufa, revelou …

Já se sabe o que causou a misteriosa "tempestade de asma", que vitimou dez pessoas em 2016

Em 2016, na cidade de Melbourne, aconteceu o evento de "tempestade de asma" mais grave do mundo. Os cientistas descobriram agora o culpado. No dia 21 de novembro de 2016, as urgências de um hospital em …

Carlos César reivindica papel do PS na construção da democracia e no combate à corrupção

O presidente do PS defendeu, esta segunda-feira, que se deveu ao seu partido o aprofundamento da democracia e os avanços no combate à corrupção, embora admitindo desvios", "erros" e "omissões num ou outro momento da …