“Absolutamente inaceitável”. Japão reage a interrupção das conversações de paz com Rússia

1

切干大根 / Wikimedia

Fumio Kishida, o primeiro-ministro do Japão

A Rússia disse na segunda-feira que iria suspender as negociações com o Japão sobre um tratado de paz pós Segunda Guerra Mundial, em resposta à escalada das sanções de Tóquio sobre a invasão da Ucrânia por Moscovo.

Numa declaração, o Ministério dos Negócios Estrangeiros russo afirmou que o país não tem qualquer intenção de prosseguir as conversações de paz, que tinham sido interrompidas desde 202, segundo o The Washington Post.

Culpou o Japão pela sua “política anti-russa“, disse que poria termo às viagens sem visto de cidadãos japoneses a uma cadeia de ilhas entre o Japão e a Rússia, e que se retiraria de projetos económicos conjuntos nas ilhas.

O Japão impôs sanções económicas à Rússia desde o mês passado, numa mudança drástica em relação aos anos de aproximação ao Presidente russo Vladimir Putin.

O Japão e a Rússia nunca assinaram um tratado de paz formal que pusesse termo às hostilidades da Segunda Guerra Mundial, devido a uma disputa territorial de longa data sobre as ilhas ao largo de Hokkaido, no norte do Japão.

Os dois países assinaram uma declaração conjunta em 1956, que punha fim ao estado de guerra, mas não assinaram um verdadeiro tratado de paz.

O Japão tem procurado mostrar uma forte resposta à invasão russa, ao lado do Grupo das Sete grandes economias, particularmente no meio de preocupações de que a invasão russa possa dar força a uma China cada vez mais assertiva, especialmente no que diz respeito à ilha auto governada de Taiwan, que Pequim considera uma província separatista.

O Primeiro-Ministro japonês Fumio Kishida referiu que o Japão “protestou veementemente” contra a decisão da Rússia.

“A situação atual surge como resultado da agressão da Rússia contra a Ucrânia, e a resposta da Rússia para tentar transferir isto para as relações Japão-Rússia é extremamente injustificada e absolutamente inaceitável“, disse Kishida, nesta quarta-feira.

Tóquio e Moscovo têm mantido negociações de paz desde a declaração de 1956, mais recentemente durante o mandato do Primeiro Ministro Shinzo Abe, que trabalhou para melhorar as relações com a Rússia.

Abe, que renunciou em 2020, fez do tratado de paz e da resolução territorial com Putin uma das suas prioridades diplomáticas.

Encontrou-se com Putin 27 vezes em oito anos, num esforço para fazer de Moscovo um parceiro estratégico e evitar que se aproximasse da China.

No entanto, desde 2020 que a relação bilateral arrefeceu, uma vez que a Rússia não alterou as suas relações com a China, nem a sua posição em relação à disputa territorial com o Japão, que data da Segunda Guerra Mundial.

Na segunda-feira, pouco depois do anúncio do ministério, a Embaixada Russa em Londres partilhou uma fotografia das ilhas no Twitter — que o Japão afirma e a Rússia ocupa — usando um nome russo.

Em resposta à invasão russa da Ucrânia, Tóquio adotou uma abordagem cada vez mais assertiva, acelerando as sanções, inclusive através da revogação do estatuto comercial de “nação mais favorecida” da Rússia, e visando as instituições financeiras e elites russas.

Tóquio prometeu pelo menos 100 milhões de dólares em assistência humanitária de emergência à Ucrânia e deu o passo invulgar de aceitar refugiados ucranianos.

O Japão também começou a enviar capacetes e outros equipamentos militares não letais, outra decisão extraordinária, de um país que tem uma proibição de exportação de armas auto-imposta, devido ao seu passado militarista.

  ZAP //

1 Comment

  1. O historial do Japão também não é muito famoso… não foi por acaso que ficaram sem as ilhas!…
    Felizmente agora estão a portar-se melhor…

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.