Rússia quer chegar a Júpiter com nave movida a energia nuclear

Em 2030, a Rússia quer enviar uma nave movida a energia nuclear a Júpiter. A Roscosmos, agência espacial federal da Rússia, anunciou o plano na semana passada.

A viagem de irá contar com uma “mini tour” pelo Sistema Solar, onde serão feitas paragens em torno da Lua e Vénus.

“Juntamente com a Academia Russa de Ciências, estamos agora a fazer cálculos sobre a balística e a carga útil deste voo”, referiu o diretor executivo de Ciência e Programas de Longo Prazo da Roscosmos, Alexander Bloshenko, de acordo com a agência de notícias TASS.



Batizada de Zeus, a nave será projetada para gerar energia suficiente para impulsionar cargas pesadas no espaço profundo e pode ser visto como uma espécie de central nuclear móvel.

Ao longo dos anos, têm sido muitos os países a estudar soluções tecnológicas baseadas em energia nuclear para encurtar as viagens espaciais.

Atualmente, as naves dependem de energia solar ou da força da gravidade para acelerar. Isto significa que uma viagem de ida e volta a Marte, por exemplo, pode demorar mais de três anos. De acordo com a NASA, a energia nuclear pode reduzir este tempo em até um ano.

A maioria das naves usa painéis solares que convertem a energia do Sol em eletricidade. No entanto, quanto mais fundo uma nave entra no Sistema Solar, mais esta se afasta do Sol e menos energia solar está disponível.

Embora as baterias possam ser usadas para backup, algumas missões foram alimentadas por um gerador termoelétrico radio-isotópico (RTG).

O novo projeto Zeus, em comparação, é um reator nuclear completo que irá usar reações de fissão para conduzir a propulsão. Nas palavras dos media estatais russos, é um “projeto secreto em desenvolvimento desde 2010” que envolve um reator nuclear de 500 quilowatts e que pesa cerca de 22 mil quilos.

As viagens espaciais movidas a energia nuclear têm muitas vantagens em relação à energia solar pois são relativamente mais baratas, extremamente confiáveis ​​e podem acumular uma grande quantidade de energia.

Já o itinerário da missão prevê que a nave se aproxime da Lua, siga em direção a Vénus, onde irá puder usar a gravidade do planeta para mudar a sua direção, seguindo assim até Júpiter, que é seu destino final, escreve o IFL Science.

Com este percurso, a missão seria realizada em quatro anos e dois meses, segundo o diretor executivo de programas de longo prazo e ciência da Roscosmos.

A missão russa pode ser, em última análise, precursora para uma nova fronteira nos voos espaciais.

Ana Isabel Moura, ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. E que tal pôr Putin como comandante da nave, ficaria o nosso planeta mais limpo e por lá os outros devem estar necessitados de entulho!

    • Com todos os seus defeitos Putin é infinitamente melhor do que Biden ou Trump. E os russos estão satisfeitos com ele. Porque razão achamos nós que temos o direito de interferir nas escolhas dos russos? Ser-se um estado soberano já nada significa para os EUA e os seus vassalos?

      • Interferir? Esse já arranjou forma de se perpetuar no poder por longos anos, dizer que os russos escolhem é uma forma de tapar o sol com a peneira, mas há quem teime em não querer ver nem acreditar, será por uma questão ideológica!

RESPONDER

Sporting 2 - 1 Braga | Leão entra em 2021/22 a rugir

O Sporting parece querer manter a senda de sucesso da época passada e entrou em 2021/22 com o pé direito. Os “leões” bateram o Sporting de Braga por 2-1, num jogo que valeu, sobretudo, pela primeira …

Ensinar crianças a dizer palavrões? Uma cientista acha que é boa ideia

A auto-intitulada "cientista dos palavrões" acredita que ensinar as crianças a usá-los de forma eficiente ajuda os mais novos a perceber como este palavreado afecta outras pessoas. Já se sabia que dizer palavrões é um sinal …

Fósseis misteriosos podem ser uma das provas mais antigas de vida animal na Terra

Elizabeth Turner, cientista numa universidade do Canadá, poderá ter encontrado a prova mais antiga de vida animal na Terra. Uma cientista encontrou possíveis sinais de vida animal multicelular em restos de recifes microbianos de há 890 …

E se o mundo entrasse em colapso? Cientistas descobrem qual o país onde há maior probabilidade de sobreviver

Caso a civilização entre em colapso - uma possível consequência das alterações climáticas - os cientistas já descobriram qual o lugar do mundo onde há maior probabilidade de sobreviver: é na Nova Zelândia. Numa pesquisa, dois …

"Dança quem está na roda", responde Marcelo sobre ausência de Bolsonaro

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse este sábado que "dança quem está na roda" quando questionado pelos jornalistas sobre a ausência do homólogo brasileiro, Jair Bolsonaro, da cerimónia de reinauguração do Museu …

Todos os anos, esta cidade italiana entrega sal ao Papa em mãos

O Sal de Cervia, também conhecido como "sal do Papa", é-lhe entregue todos os anos em mãos. A tradição sofreu algumas interrupções até ter sido recuperada pelo Bispo Mario Marini, que serviu no Pontificado de …

A colisão secreta entre navios soviéticos e britânicos podia ter tido um desfecho drástico

Colisão aconteceu durante um dos períodos mais quentes da Guerra Fria e foi camuflado pela marinha britânica, que tratou de fazer regressar a sua embarcação à base de Devonport durante a noite para evitar dar …

Esta garrafa de tequila demorou seis anos para ser desenvolvida (e contém ouro)

A Clase Azul Spirits é uma empresa que comercializa tequila e está a preparar uma edição limitada para homenagear o legado artesanal do México - de onde a bebida é originária. A 2 de agosto, a …

Covid-19. Milhares de franceses protestam contra passe sanitário

Milhares de pessoas concentraram-se este sábado em Paris para protestar contra o passe sanitário — certificado de vacinação contra a covid-19 que passa a ser obrigatório para entrar em vários locais —, tendo a polícia …

"Toque de Midas" científico. Químicos transformam água purificada em metal dourado

Esta nova descoberta ajuda a entender o estado de transição da água e pode vir a ser importante no estudo de planetas como Neptuno ou Urano. Numa experiência alucinante, cientistas conseguiram transformar água purificada num metal …