//

Football Leaks. Autoridades francesas suspeitam que Rui Pinto também pirateou Paris Saint-Germain

1

Mário Cruz / EPA/Lusa

Rui Pinto

As autoridades francesas suspeitam que Rui Pinto pode ter estado na origem do ataque informático ao clube de futebol Paris Saint-Germain (PSG), que resultou na divulgação de alguns documentos internos.

Segundo noticia o Público, a investigação em curso em França teve origem em três queixas apresentadas pelo PSG após o clube ter constatado o uso de documentos internos em notícias publicadas pelo Mediapart, um jornal digital francês que integra o consórcio internacional de jornais responsável pela divulgação do Football Leaks, em 2016.

Estas apareciam associadas a uma figura misteriosa, que mais tarde veio a ser identificada como Rui Pinto.

Com o hacker como suspeito, o Ministério Público francês recorreu a um mecanismo de cooperação internacional que dá pelo nome de Decisão Europeia de Investigação em Matéria Penal para obter, da parte das autoridades portuguesas, algumas informações sobre o andamento dos processos judiciais em Portugal que visam o pirata informático.

Em fevereiro, no âmbito desta investigação, a polícia francesa pediu às autoridades portuguesas várias informações sobre o hacker português, nessa altura detido em Lisboa.

Além disso, foi ainda requerida a lista de dados, servidores e materiais apreendidos em Budapeste, na Hungria, onde Pinto residiu, com o objetivo de perceber se os emails dos responsáveis do clube fazem parte do processo que decorre em Portugal.

De acordo com o Público, o objetivo é comprovar a ligação do pirata informático português ao ataque aos servidores do PSG, que a polícia francesa acredita ter sido feito através da conta de email de um dos funcionários do clube.

Os gauleses estão agora focados em dois documentos internos dos responsáveis do PSG, divulgados pelo Football Leaks. O primeiro é relativo ao orçamento da época 2017-18. O outro trata-se de um plano estratégico para o futuro do clube.

Os dois ficheiros tinham sido partilhados apenas entre um pequeno número de funcionários, com as autoridades a assumirem que o ataque informático teria ocorrido através de, pelo menos, uma destas contas de e-mail.

O PSG foi um dos clubes visados pelo Football Leaks, que atingiram outros grandes nomes do mundo do futebol, como o espanhol Real de Madrid.

Uma das suspeitas a envolver os parisienses prende-se com o cumprimento do fair-play financeiro, um mecanismo que tem como objetivo o equilíbrio entre receitas e despesas, escreve o Público.

Contactado pelo jornal, Francisco Teixeira da Mota, advogado de Rui Pinto, escusou-se a prestar declarações sobre o pedido de cooperação das autoridades francesas – que terão estado recentemente em Portugal.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

  ZAP //

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.