Um romance levou ao julgamento de pelotão de fuzilamento da I Guerra Mundial

Karen Dore / Flickr

“Shot at Dawn Memorial”, que comemora os soldados britânicos que foram executados como covardes durante a Primeira Guerra Mundial.

Após a Primeira Guerra Mundial, houve um livro que ajudou a trazer justiça e honra àqueles que foram executados devido a ofensas causadas por traumas de guerra. “The Secret Battle”, de A.P. Herbert, foi o romance que relançou um aceso debate a esta temática.

Em média, durante a Primeira Guerra Mundial, houve uma execução militar a cada semana da guerra. Soldados foram executados por ofensas, incluindo covardia, deserção, motim, desobediência, ajuda ao inimigo ou ataque a um oficial superior.

Em 2006, o governo britânico perdoou 306 soldados executados por deserção e covardia, reconhecendo que provavelmente teriam sido vítimas de um trauma de guerra. Os perdões demoraram a chegar e ficaram consideravelmente aquém da compreensão pública da questão.

A discussão começou praticamente mal as armas pararam de disparar, a 11 de novembro de 1918. Um livro que foi amplamente influente na época foi o “The Secret Battle” de A.P. Herbert, publicado em junho de 1919. Ao marcarmos o centenário do livro de Herbert e do Tratado de Versalhes, em 28 de junho, devemos ir além da comemoração da Primeira Guerra Mundial para considerar as consequências do conflito.

Em 1928, o livro de Herbert foi republicado numa nova edição, com um prefácio de Winston Churchill. “Um desses gritos de dor das tropas combatentes, como os poemas de Siegfried Sassoon devem ser lidos em cada geração, para que homens e mulheres não tenham ilusões sobre o que significa guerra”, escreveu no livro.

 

O romance de Herbert é, na verdade, uma versão fictícia do verdadeiro caso de tribunal de guerra, o do subtenente Edwin Dyett, que foi executado em 1917, apesar de uma história diagnosticada de trauma de guerra.

(dr) Methuen & Co. Ltd.

“The Secret Battle” do escritor A.P. Herbert

“Faça-os serem rápidos”

Neste contexto histórico altamente emocional, o romance de Herbert mostra uma restrição comovente na representação da morte de Harry Penrose por um pelotão de fuzilamento:

A coisa foi feita sete manhãs depois, num pequeno pomar atrás da fazenda dos Casquettes. O padre disse-me que se opôs a eles com muita coragem e em silêncio. Apenas sussurrou para ele: “Pelo amor de Deus, faça-os serem rápidos”. Este é o pior tormento de um soldado do começo ao fim — a espera. Ele foi baleado pelos seus próprios homens, por homens da Companhia D.

Apesar da sua oposição à pena de morte militar, Herbert também incluiu um longo debate ficcional sobre o tribunal de guerra em geral, inspirado pelos intensos sentimentos motivados pelo caso de Penrose entre os soldados do seu pelotão, que deu o mote para futuros debates parlamentares da década de 1920.

Esse aspeto imparcial do texto de Herbert reflete o resumo final do narrador, que deliberadamente se recusa a tornar-se numa polémica:

Este livro não é um ataque a ninguém, à pena de morte ou a qualquer outra coisa, embora isto faça as pessoas pensarem sobre essas coisas um tanto melhor. Eu penso que acredito na pena de morte — não sei. Mas eu não conseguia acreditar em ver Harry ser baleado. Essa é a essência; que o meu amigo Harry foi baleado por covardia — e ele foi um dos homens mais corajosos que eu já conheci.

Desmistificando o trauma de guerra

Apesar da modéstia desta afirmação final, os primeiros leitores do romance de Herbert levaram a sua abordagem muito a sério. Por exemplo, no Suplemento Literário da revista Times, R.O. Morris, sugeriu que o romance de Herbert é a primeira crónica de guerra a lidar com “as várias maneiras subtis que o medo tem de atingir um homem” a partir de um “entendimento científico“.

Ao mesmo tempo, o crítico lida com as implicações mais amplas do romance, argumentando que, ao projetar a tragédia de Penrose, o romancista “não teve meias medidas para garantir o retrato completo da calamidade”.

De maneira geral, o romance desafiou crenças culturais sobre a justiça natural da pena de morte militar. O académico americano da Primeira Guerra Mundial, Ted Bogacz, argumentou que romances como o de Herbert foram tão importantes quanto o relatório do governo de 1922 na consciencialização dos efeitos do trauma de guerra e na reforma dos procedimentos militares.

PARTILHAR

RESPONDER

Humanidade não será capaz de controlar máquinas superinteligentes, avisam cientistas

Uma equipa de investigadores do Instituto Max Planck para o Desenvolvimento Humano sugere que seria impossível controlar máquinas superinteligentes. A tecnologia de Inteligência Artificial (IA) continua a evoluir de vento em popa, enquanto alguns cientistas e …

Em 1950, a vacinação em massa salvou a Escócia

Em 1950, Glasgow, na Escócia, viu-se a braços com um surto de varíola e o cenário era muito semelhante ao que vivemos hoje: as autoridades sanitárias tentavam rastrear todos os contactos de pessoas portadoras do vírus, …

Japonês aluga-se a si próprio "para não fazer nada". E tem milhares de clientes

Um homem japonês que ganha a vida a alugar-se a si próprio “para não fazer nada” atraiu milhares de clientes. O negócio começou em 2018. Por 10.000 ienes (cerca de 79 euros) - mais despesas com …

Documentos de vacinas roubados por hackers também foram "manipulados"

A Agência Europeia do Medicamento, entidade reguladora da União Europeia (UE), informou este sábado que os documentos da vacina contra a covid-19 roubados e colocados na Internet por hackers foram também "manipulados". A manipulação aconteceu depois …

Há 11 anos que não se consumia tanta eletricidade num só dia. A culpa é do frio

O país está a bater recordes de energia, tanto em termos de pico como de consumo diário. A culpa é da vaga de frio que assolou Portugal neste Inverno. O consumo de eletricidade bateu, na quarta-feira, …

Dymka, a gata que perdeu as patas e recebeu próteses de titânio impressas em 3D

Dymka, uma gata russa, ganhou um novo estímulo na sua vida depois de um grupo de veterinários realizar uma cirurgia para substituir as suas patas por próteses feitas de titânio impressas em 3D. A universidade revelou …

Hélder Amaral: "O meu partido de sempre está a morrer"

Em declarações ao semanário Expresso, o antigo deputado do CDS-PP, Hélder Amaral, diz-se desiludido com o seu partido. O ex-deputado centrista Hélder Amaral, que foi também presidente da distrital de Viseu, não está feliz com o …

EDP antecipa pagamento a mais de mil fornecedores em Portugal e Espanha

A EDP vai antecipar o pagamento a mais de mil fornecedores, uma iniciativa que, à semelhança do que já aconteceu no último ano, irá manter-se para todos os pagamentos a fornecedores ao longo do primeiro …

Há centenas de pessoas em busca de tesouros que não existem na Índia (e a culpa é de um boato)

Moradores de pelo menos três vilas no distrito de Rajgarh, no estado indiano de Madhya Pradesh (MP), passaram a última semana à procura de um tesouro antigo que provavemente não existe. Centenas de aldeões estão a …

João Ferreira diz que Marcelo deixou jovens em situação de "vulnerabilidade" (e elogia lay-off a 100%)

João Ferreira criticou este sábado o atual Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa por deixar os jovens em situação de "vulnerabilidade". O candidato presidencial João Ferreira afirmou, este sábado, que o Presidente da República, Marcelo …