Um romance levou ao julgamento de pelotão de fuzilamento da I Guerra Mundial

Karen Dore / Flickr

“Shot at Dawn Memorial”, que comemora os soldados britânicos que foram executados como covardes durante a Primeira Guerra Mundial.

Após a Primeira Guerra Mundial, houve um livro que ajudou a trazer justiça e honra àqueles que foram executados devido a ofensas causadas por traumas de guerra. “The Secret Battle”, de A.P. Herbert, foi o romance que relançou um aceso debate a esta temática.

Em média, durante a Primeira Guerra Mundial, houve uma execução militar a cada semana da guerra. Soldados foram executados por ofensas, incluindo covardia, deserção, motim, desobediência, ajuda ao inimigo ou ataque a um oficial superior.

Em 2006, o governo britânico perdoou 306 soldados executados por deserção e covardia, reconhecendo que provavelmente teriam sido vítimas de um trauma de guerra. Os perdões demoraram a chegar e ficaram consideravelmente aquém da compreensão pública da questão.

A discussão começou praticamente mal as armas pararam de disparar, a 11 de novembro de 1918. Um livro que foi amplamente influente na época foi o “The Secret Battle” de A.P. Herbert, publicado em junho de 1919. Ao marcarmos o centenário do livro de Herbert e do Tratado de Versalhes, em 28 de junho, devemos ir além da comemoração da Primeira Guerra Mundial para considerar as consequências do conflito.

Em 1928, o livro de Herbert foi republicado numa nova edição, com um prefácio de Winston Churchill. “Um desses gritos de dor das tropas combatentes, como os poemas de Siegfried Sassoon devem ser lidos em cada geração, para que homens e mulheres não tenham ilusões sobre o que significa guerra”, escreveu no livro.

 

O romance de Herbert é, na verdade, uma versão fictícia do verdadeiro caso de tribunal de guerra, o do subtenente Edwin Dyett, que foi executado em 1917, apesar de uma história diagnosticada de trauma de guerra.

(dr) Methuen & Co. Ltd.

“The Secret Battle” do escritor A.P. Herbert

“Faça-os serem rápidos”

Neste contexto histórico altamente emocional, o romance de Herbert mostra uma restrição comovente na representação da morte de Harry Penrose por um pelotão de fuzilamento:

A coisa foi feita sete manhãs depois, num pequeno pomar atrás da fazenda dos Casquettes. O padre disse-me que se opôs a eles com muita coragem e em silêncio. Apenas sussurrou para ele: “Pelo amor de Deus, faça-os serem rápidos”. Este é o pior tormento de um soldado do começo ao fim — a espera. Ele foi baleado pelos seus próprios homens, por homens da Companhia D.

Apesar da sua oposição à pena de morte militar, Herbert também incluiu um longo debate ficcional sobre o tribunal de guerra em geral, inspirado pelos intensos sentimentos motivados pelo caso de Penrose entre os soldados do seu pelotão, que deu o mote para futuros debates parlamentares da década de 1920.

Esse aspeto imparcial do texto de Herbert reflete o resumo final do narrador, que deliberadamente se recusa a tornar-se numa polémica:

Este livro não é um ataque a ninguém, à pena de morte ou a qualquer outra coisa, embora isto faça as pessoas pensarem sobre essas coisas um tanto melhor. Eu penso que acredito na pena de morte — não sei. Mas eu não conseguia acreditar em ver Harry ser baleado. Essa é a essência; que o meu amigo Harry foi baleado por covardia — e ele foi um dos homens mais corajosos que eu já conheci.

Desmistificando o trauma de guerra

Apesar da modéstia desta afirmação final, os primeiros leitores do romance de Herbert levaram a sua abordagem muito a sério. Por exemplo, no Suplemento Literário da revista Times, R.O. Morris, sugeriu que o romance de Herbert é a primeira crónica de guerra a lidar com “as várias maneiras subtis que o medo tem de atingir um homem” a partir de um “entendimento científico“.

Ao mesmo tempo, o crítico lida com as implicações mais amplas do romance, argumentando que, ao projetar a tragédia de Penrose, o romancista “não teve meias medidas para garantir o retrato completo da calamidade”.

De maneira geral, o romance desafiou crenças culturais sobre a justiça natural da pena de morte militar. O académico americano da Primeira Guerra Mundial, Ted Bogacz, argumentou que romances como o de Herbert foram tão importantes quanto o relatório do governo de 1922 na consciencialização dos efeitos do trauma de guerra e na reforma dos procedimentos militares.

PARTILHAR

RESPONDER

Vírus informático faz caixas de multibanco "cuspirem" notas (e está a espalhar-se pelo mundo)

Um vírus informático está a ser utilizado para entrar em caixas de multibanco e fazê-las ejetar todo o seu dinheiro. Os primeiros casos surgiram na Alemanha, mas têm-se alastrado um pouco por todo o mundo. Na …

Piloto Bernardo Sousa suspenso dois anos por controlo antidoping positivo a cocaína

O ex-campeão nacional de ralis Bernardo Sousa foi suspenso por dois anos devido a um controlo antidoping positivo a cocaína, anunciou na quinta-feira a Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting (FPAK). De acordo com o comunicado …

Porsche lança Taycan "low cost" para competir com a Tesla

https://vimeo.com/367293637 A Porsche lançou uma versão económica do Taycan de forma a competir com o Model S da Tesla. O veículo elétrico está disponível a partir de janeiro e custará cerca de 105 mil euros. A batalha …

Quartel da Graça vai ser um hotel de luxo

A concessão do Quartel da Graça, em Lisboa, vai ser entregue ao grupo Sana, no âmbito do programa Revive, estando previsto um investimento de 30 milhões de euros, para a instalação de um hotel, foi …

Infarmed retira do mercado protetor solar infantil

O Infarmed disse esta sexta-feira que está acompanhar as precauções da agência espanhola do medicamento em relação aos produtos de proteção solar ISDIN, indicando que em novos testes detetou variabilidade e inconsistência no fator de …

Com 13 anos, herdeira da Coroa de Espanha discursa pela primeira vez

O rei Filipe VI transmitiu esta sexta-feira à princesa Leonor o compromisso "pessoal e institucional" que possui como herdeira da Coroa na entrega dos Prémios Princesa de Astúrias 2019, cerimónia acompanhada no exterior por uma …

"El Mencho" quer ser o próximo "El Chapo" (e está a matar polícias para o conseguir)

"El Mencho", líder de um dos cartéis mais influentes do México, foi responsável pelo massacre de 14 polícias. O barão da droga quer ser o próximo "El Chapo". No México, Nemesio Oseguera Cervantes, conhecido como "El …

Marcelo promulga regime de acolhimento residencial para crianças e jovens em perigo

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou esta sexta-feira o diploma governamental que estabelece o regime de execução do acolhimento residencial, medida de promoção dos direitos e de proteção das crianças e jovens …

Lenny Kravitz regressa a Lisboa para um concerto em 2020

Lenny Kravitz regressa a Portugal em 2020. O músico irá atuar na Altice Arena, em Lisboa, no dia 25 de julho do próximo ano. Este concerto faz parte da digressão "Here to Love", de apoio ao …

Conspirador condenado a pagar 450.000 dólares por negar massacre de Sandy Hook

Um tribunal de Wisconsin, nos Estados Unidos, condenou um conspirador a indemnizar o pai de uma das crianças que morreu no tiroteio de Sandy Hook, em 2012, com 450.000 dólares depois de este afirmar que …