Um romance levou ao julgamento de pelotão de fuzilamento da I Guerra Mundial

Karen Dore / Flickr

“Shot at Dawn Memorial”, que comemora os soldados britânicos que foram executados como covardes durante a Primeira Guerra Mundial.

Após a Primeira Guerra Mundial, houve um livro que ajudou a trazer justiça e honra àqueles que foram executados devido a ofensas causadas por traumas de guerra. “The Secret Battle”, de A.P. Herbert, foi o romance que relançou um aceso debate a esta temática.

Em média, durante a Primeira Guerra Mundial, houve uma execução militar a cada semana da guerra. Soldados foram executados por ofensas, incluindo covardia, deserção, motim, desobediência, ajuda ao inimigo ou ataque a um oficial superior.

Em 2006, o governo britânico perdoou 306 soldados executados por deserção e covardia, reconhecendo que provavelmente teriam sido vítimas de um trauma de guerra. Os perdões demoraram a chegar e ficaram consideravelmente aquém da compreensão pública da questão.

A discussão começou praticamente mal as armas pararam de disparar, a 11 de novembro de 1918. Um livro que foi amplamente influente na época foi o “The Secret Battle” de A.P. Herbert, publicado em junho de 1919. Ao marcarmos o centenário do livro de Herbert e do Tratado de Versalhes, em 28 de junho, devemos ir além da comemoração da Primeira Guerra Mundial para considerar as consequências do conflito.

Em 1928, o livro de Herbert foi republicado numa nova edição, com um prefácio de Winston Churchill. “Um desses gritos de dor das tropas combatentes, como os poemas de Siegfried Sassoon devem ser lidos em cada geração, para que homens e mulheres não tenham ilusões sobre o que significa guerra”, escreveu no livro.

 

O romance de Herbert é, na verdade, uma versão fictícia do verdadeiro caso de tribunal de guerra, o do subtenente Edwin Dyett, que foi executado em 1917, apesar de uma história diagnosticada de trauma de guerra.

(dr) Methuen & Co. Ltd.

“The Secret Battle” do escritor A.P. Herbert

“Faça-os serem rápidos”

Neste contexto histórico altamente emocional, o romance de Herbert mostra uma restrição comovente na representação da morte de Harry Penrose por um pelotão de fuzilamento:

A coisa foi feita sete manhãs depois, num pequeno pomar atrás da fazenda dos Casquettes. O padre disse-me que se opôs a eles com muita coragem e em silêncio. Apenas sussurrou para ele: “Pelo amor de Deus, faça-os serem rápidos”. Este é o pior tormento de um soldado do começo ao fim — a espera. Ele foi baleado pelos seus próprios homens, por homens da Companhia D.

Apesar da sua oposição à pena de morte militar, Herbert também incluiu um longo debate ficcional sobre o tribunal de guerra em geral, inspirado pelos intensos sentimentos motivados pelo caso de Penrose entre os soldados do seu pelotão, que deu o mote para futuros debates parlamentares da década de 1920.

Esse aspeto imparcial do texto de Herbert reflete o resumo final do narrador, que deliberadamente se recusa a tornar-se numa polémica:

Este livro não é um ataque a ninguém, à pena de morte ou a qualquer outra coisa, embora isto faça as pessoas pensarem sobre essas coisas um tanto melhor. Eu penso que acredito na pena de morte — não sei. Mas eu não conseguia acreditar em ver Harry ser baleado. Essa é a essência; que o meu amigo Harry foi baleado por covardia — e ele foi um dos homens mais corajosos que eu já conheci.

Desmistificando o trauma de guerra

Apesar da modéstia desta afirmação final, os primeiros leitores do romance de Herbert levaram a sua abordagem muito a sério. Por exemplo, no Suplemento Literário da revista Times, R.O. Morris, sugeriu que o romance de Herbert é a primeira crónica de guerra a lidar com “as várias maneiras subtis que o medo tem de atingir um homem” a partir de um “entendimento científico“.

Ao mesmo tempo, o crítico lida com as implicações mais amplas do romance, argumentando que, ao projetar a tragédia de Penrose, o romancista “não teve meias medidas para garantir o retrato completo da calamidade”.

De maneira geral, o romance desafiou crenças culturais sobre a justiça natural da pena de morte militar. O académico americano da Primeira Guerra Mundial, Ted Bogacz, argumentou que romances como o de Herbert foram tão importantes quanto o relatório do governo de 1922 na consciencialização dos efeitos do trauma de guerra e na reforma dos procedimentos militares.

PARTILHAR

RESPONDER

Estado de Nova Iorque com mais mortes por Covid-19 do que França ou Espanha

Os Estados Unidos registaram 1.252 mortos e 63.913 infetados com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo uma contagem independente da Universidade Johns Hopkins. Os últimos números de casos e óbitos registados devido a Covid-19 …

Turistas voltam a viajar, mas optam pelo low-cost

Mesmo num contexto de pandemia mundial o desejo de ir de férias continua vivo. Os turistas voltaram a procurar voos, contudo as opções recaem em percursos de curta distância e mais económicos. Ao longo dos últimos …

Ventura anuncia recandidatura ao Chega e só sai do parlamento quando “metade daquela esquerda" sair

André Ventura anunciou esta noite a recandidatura à liderança do Chega, numa cerimónia em Leiria em que disse que só vai sair do parlamento “quando metade daquela esquerda sair”. “Estamos a fazer uma revolução democrática e …

Esqueletos revelam que fosso entre ricos e pobres começou a abrir-se há 6.600 anos

A análise a ossos encontrados numa sepultura na Polónia mostram que o fosse entre ricos e pobres na Europa começou a abrir-se muito antes daquilo que se pensava. O desaparecimento da classe média é um problema …

Super-Terras quentes podem ter atmosferas metálicas brilhantes

Os cientistas querem perceber porque é que as super-Terras quentes possuem um brilho tão chamativo - e já há uma hipótese em cima da mesa. Os exoplanetas, chamados de super-Terras quentes, podem ser particularmente brilhantes e …

As larvas de peixe-sol são adoráveis (mas crescem e tornam-se gigantescos "nadadores")

Uma equipa de cientistas australianos e neozelandeses descobriram as fases iniciais da larva gigante de peixe-sol. Pela primeira vez, o sequenciamento de ADN identificou as larvas do peixe-sol (Mola alexandrini). O peixe-sol, conhecido cientificamente como Mola …

Telescópio Webb vai estudar Júpiter, os seus anéis e duas intrigantes luas

Júpiter, que tem o nome do rei dos antigos deuses romanos, comanda a sua própria miniversão do nosso Sistema Solar de satélites circundantes; os seus movimentos convenceram Galileu Galileu de que a Terra não era …

Turista danifica escultura do século XIX enquanto posa para fotografia (e é apanhado pelas câmaras de vigilância)

A polícia italiana identificou um austríaco de 50 anos que danificou uma estátua do século XIX num museu em Itália, enquanto posava para uma fotografia. O incidente ocorreu no passado dia 31 de junho, segundo …

Covid-19: Brasil supera as 100.000 mortes

O Brasil ultrapassou hoje a barreira das 100.000 mortes associadas à covid-19, quase cinco meses depois da confirmação do primeiro óbito no país, indicam dados oficiais divulgados pelas secretarias regionais de Saúde. Segundo os mais recentes …

As vacas leiteiras têm relações complexas (que se alteram quando mudam de grupo)

Uma nova investigação levada a cabo por cientistas do Chile e dos Estados Unidos concluiu que as vacas leiteiras vivem em redes sociais complexas que se alteram quando estes animais são movidos para outros grupos.  Para …