Os robôs assassinos existem (e trazem com eles um enigma ético)

Chris.Jeriko / Flickr

A presença da tecnologia, nomeadamente dos robôs assassinos, tem um sabor agridoce. Por um lado, a máquina assusta-nos. Por outro, somos muito mais eficazes com a ajuda da tecnologia. Mas se esperamos de um soldado humano um comportamento robótico, por que não nos livramos do humano e ficamos apenas com a máquina? É o enigma ético que se impõem.

De acordo uma declaração recente do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, os seres humanos tomarão sempre a decisão final sobre se os robôs armados podem ou não disparar. Este esclarecimento surge após ter sido conhecido o programa ATLAS, que usará Inteligência Artificial em veículos de combate.

Apesar de as pessoas se sentirem, de certa forma, desconfortáveis com o termo “robôs assassinos”, a verdade é que eles não são nenhuma novidade – robôs SWORDS com metralhadoras foram implementados no Iraque, em 2017.

Mas a nossa relação com robôs militares é até mais remota, uma vez que quando dizemos “robô” referimo-nos a qualquer tecnologia com um elemento autónomo que permita realizar uma tarefa sem a necessidade se um ser humano intervir diretamente – e este tipo de tecnologia já existe há muito tempo.

Durante a II Guerra Mundial, por exemplo, o fusível de proximidade foi desenvolvido para explodir projéteis de artilharia a uma distância predeterminada do alvo, tornando as bombas muito mais eficazes do que teriam sido.

Desta forma, a questão que se impõem não é se deveríamos usar sistemas de armas autónomos em batalha (porque já os usamos há muito tempo), mas sim concentrarmo-nos na forma como os usamos e o papel que a intervenção humana deve tomar.

Na II Guerra Mundial, o matemático Norbert Wiener lançou as bases da cibernética e, ao estudar os desvios entre o movimento previsto de uma aeronave e o seu movimento real, Wiener e seu colega Julian Bigelow criaram o conceito de “ciclo de retroalimentação”, no qual os desvios poderiam ser introduzidos no sistema a fim de corrigir outras previsões.

A teoria de Wiener foi, portanto, muito mais além, na medida em que a tecnologia cibernética poderia ser usada para antecipar decisões humanas – removendo o humano falível do circuito e tornando os sistemas de armas mais eficazes.

Segundo uma análise recentemente publicado no Phys.org, escrita pelo jornalista Myke Ryder, o próximo passo é eliminar por completo o humano e, assim, maximizar os resultados militares, ao mesmo tempo que se minimiza o custo político associado à perda de vidas aliadas.

Foram estes argumentos que levaram ao uso de drones militares pelos Estados Unidos. Apesar de ser uma decisão controversa, em termos militares, ela prova ser uma boa escolha. Mas uma das questões mais controversas relacionadas com a “guerra de drones” é o papel do piloto do drone.

Um piloto de drone, ou operador, não toma uma decisão humana. Em vez disso, limita-se a fazer o trabalho que estão destinados a fazer. Isto é, se o computador diz para matar, existe algum motivo que faça esse piloto de drone recuar?

O mesmo se aplica aos soldados modernos, que carregam um sistema de navegação GPS e vários outros dispositivos que os condicionam. Mas é aqui também que entra em jogo o enigma ético – se o objetivo do soldado é seguir as ordens da máquina, então por que existem soldados humanos?

As máquinas acabam por ser muito mais eficientes do que os seres humanos e não sofrem de fadiga nem stress, por exemplo. Se esperamos de um soldado humano um comportamento robótico, por que não nos livramos do humano e ficamos apenas com a máquina?

Segundo o Phys.org a resposta é simples: o ser humano não passa de um álibi ou uma forma de “cobertura ética” para aquilo que é, na realidade, um ato robótico quase totalmente mecânico. O papel do ser humano no novo sistema ATLAS do Departamento de Defesa norte-americano é simplesmente servir de cobertura ética no caso de as coisas correrem mal.

Na verdade, a tecnologia não é tão nova assim. Os sistemas autónomos estão há muito tempo incorporados nas forças armadas e devemos estar preparados para as consequências – quer sejam elas éticas, físicas ou morais.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Veneno de cascavel pode ser o segredo para novo analgésico poderoso

Um composto do veneno da cascavel sul-americana pode ser usado para criar um analgésico poderoso. Os testes feitos em animais foram um sucesso. A crotoxina pode ser encontrada no veneno da cascavel sul-americana, Crotalus durissus terrificus, …

O falecido George Solitário, última tartaruga da sua espécie, pode ter parentes vivos

Uma expedição científica encontrou, em Galápagos, uma tartaruga com uma alta carga genética da espécie a que pertenceu o famoso George Solitário. Em 2012, uma tartaruga gigante, conhecida como George Solitário, faleceu com 100 anos. A …

Vídeo de criança vítima de bullying gera onda de apoio global

Internautas de todo o mundo, inclusive celebridades, uniram-se para dar apoio ao menino australiano, de nove anos, que sofre de bullying por causa da sua aparência. De acordo com a BBC, Yarraka Bayles partilhou o vídeo …

Descoberta nova quasipartícula: o π-ton

Foi descoberta uma nova quasipartícula no Instituto de Tecnologia de Viena. Os cientistas batizaram-na de π-ton, uma quasipartícula que contém dois eletrões e duas lacunas. Existem diferentes tipos de partículas. Um deles, as quasipartículas, são excitações …

É oficial. Friends está de volta para um episódio especial

As preces dos fãs foram finalmente ouvidas. O elenco de Friends vai reunir-se para um episódio especial exclusivo na HBO Max. Jennifer Aniston, Courteney Cox, Lisa Kudrow, Matt LeBlanc, Matthew Perry e David Schwimmer voltarão ao …

Dieta ocidental está a deixar as pessoas menos inteligentes

Uma dieta pouco saudável, à base de hambúrgueres e doces está literalmente a deixar as pessoas menos inteligentes apenas no espaço de uma semana. Esta foi a conclusão de um estudo de investigadores da Universidade …

Pedro Proença: Sociedade deve atuar no combate ao racismo

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) disse, esta sexta-feira, que a sociedade portuguesa deve atuar no combate ao racismo, violência, xenofobia e intolerância. A Liga vai lançar, durante este fim-de-semana, uma campanha com …

Na última década, Coreia do Norte gastou mais de meio milhão de dólares em cavalos russos

A Coreia do Norte gastou recentemente dezenas de milhares de dólares na aquisição de 12 cavalos provenientes da Rússia, de acordo com os dados alfandegários. A Coreia do Norte gastou quase meio milhão de dólares (584.302 …

O caranguejo "supervilão" do Canadá vai ser transformado em plástico biodegradável

Uma equipa de cientistas no Canadá desenvolveu um plano para transformar uma espécie invasora de crustáceo - conhecida como como caranguejo supervilão - em copos e talheres  de "plástico", usando as suas carapaças para criar …

Covid-19. Tripulante de navio japonês pode ser o primeiro português infetado

Um português que é tripulante do navio Princess Cruises, atracado no porto de Yokohama, no Japão, pode ter sido diagnosticado "positivo" com o novo coronavírus. Contactada pela agência Lusa, a diretora-geral de Saúde, Graça Freitas, afirma …