Os robôs assassinos existem (e trazem com eles um enigma ético)

Chris.Jeriko / Flickr

A presença da tecnologia, nomeadamente dos robôs assassinos, tem um sabor agridoce. Por um lado, a máquina assusta-nos. Por outro, somos muito mais eficazes com a ajuda da tecnologia. Mas se esperamos de um soldado humano um comportamento robótico, por que não nos livramos do humano e ficamos apenas com a máquina? É o enigma ético que se impõem.

De acordo uma declaração recente do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, os seres humanos tomarão sempre a decisão final sobre se os robôs armados podem ou não disparar. Este esclarecimento surge após ter sido conhecido o programa ATLAS, que usará Inteligência Artificial em veículos de combate.

Apesar de as pessoas se sentirem, de certa forma, desconfortáveis com o termo “robôs assassinos”, a verdade é que eles não são nenhuma novidade – robôs SWORDS com metralhadoras foram implementados no Iraque, em 2017.

Mas a nossa relação com robôs militares é até mais remota, uma vez que quando dizemos “robô” referimo-nos a qualquer tecnologia com um elemento autónomo que permita realizar uma tarefa sem a necessidade se um ser humano intervir diretamente – e este tipo de tecnologia já existe há muito tempo.

Durante a II Guerra Mundial, por exemplo, o fusível de proximidade foi desenvolvido para explodir projéteis de artilharia a uma distância predeterminada do alvo, tornando as bombas muito mais eficazes do que teriam sido.

Desta forma, a questão que se impõem não é se deveríamos usar sistemas de armas autónomos em batalha (porque já os usamos há muito tempo), mas sim concentrarmo-nos na forma como os usamos e o papel que a intervenção humana deve tomar.

Na II Guerra Mundial, o matemático Norbert Wiener lançou as bases da cibernética e, ao estudar os desvios entre o movimento previsto de uma aeronave e o seu movimento real, Wiener e seu colega Julian Bigelow criaram o conceito de “ciclo de retroalimentação”, no qual os desvios poderiam ser introduzidos no sistema a fim de corrigir outras previsões.

A teoria de Wiener foi, portanto, muito mais além, na medida em que a tecnologia cibernética poderia ser usada para antecipar decisões humanas – removendo o humano falível do circuito e tornando os sistemas de armas mais eficazes.

Segundo uma análise recentemente publicado no Phys.org, escrita pelo jornalista Myke Ryder, o próximo passo é eliminar por completo o humano e, assim, maximizar os resultados militares, ao mesmo tempo que se minimiza o custo político associado à perda de vidas aliadas.

Foram estes argumentos que levaram ao uso de drones militares pelos Estados Unidos. Apesar de ser uma decisão controversa, em termos militares, ela prova ser uma boa escolha. Mas uma das questões mais controversas relacionadas com a “guerra de drones” é o papel do piloto do drone.

Um piloto de drone, ou operador, não toma uma decisão humana. Em vez disso, limita-se a fazer o trabalho que estão destinados a fazer. Isto é, se o computador diz para matar, existe algum motivo que faça esse piloto de drone recuar?

O mesmo se aplica aos soldados modernos, que carregam um sistema de navegação GPS e vários outros dispositivos que os condicionam. Mas é aqui também que entra em jogo o enigma ético – se o objetivo do soldado é seguir as ordens da máquina, então por que existem soldados humanos?

As máquinas acabam por ser muito mais eficientes do que os seres humanos e não sofrem de fadiga nem stress, por exemplo. Se esperamos de um soldado humano um comportamento robótico, por que não nos livramos do humano e ficamos apenas com a máquina?

Segundo o Phys.org a resposta é simples: o ser humano não passa de um álibi ou uma forma de “cobertura ética” para aquilo que é, na realidade, um ato robótico quase totalmente mecânico. O papel do ser humano no novo sistema ATLAS do Departamento de Defesa norte-americano é simplesmente servir de cobertura ética no caso de as coisas correrem mal.

Na verdade, a tecnologia não é tão nova assim. Os sistemas autónomos estão há muito tempo incorporados nas forças armadas e devemos estar preparados para as consequências – quer sejam elas éticas, físicas ou morais.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"Paraministro" de Costa. Gestor independente chamado para negociar plano económico de retoma

O primeiro-ministro, António Costa, convidou o diretor executivo da petrolífera Partex, António Costa Silva, para estudar o plano de recuperação económica. De acordo com o semanário Expresso, que avança a notícia na sua edição deste …

Termina o dever cívico de confinamento

O Conselho de Ministros aprovou esta sexta-feira o fim do “dever cívico de recolhimento”, que entrará em vigor na próxima segunda-feira, prevê a resolução que prolongou a situação de calamidade até 14 de junho. A situação …

"Ratos" de musgo espalham-se pelos glaciares do Ártico (e intrigam cientistas)

A presença de estranhas bolas de musgos nos ecossistemas de glaciares tem atraído a atenção da comunidade científica. Estas estranhas criatura proliferam no Ártico, mas também em regiões da Islândia e América do Sul. Especialistas de …

Há 29 países que podem visitar a Grécia a partir de 15 de junho. Portugal ficou de fora

A partir de 15 de junho, cidadãos oriundos de 29 países poderão visitar a Grécia, revelou esta sexta-feira o Governo helénico, dando conta que a lista elaborada teve em conta a situação epidemiológica de cada …

Portugal Continental não vai ter quarentena para turistas

O primeiro-ministro, António Costa, garantiu esta sexta-feira que Portugal continental não vai aplicar normas de quarentena para quem vier de fora do país. No final de um Conselho de Ministros de quase oito horas, que se …

Jovem de 19 anos morre atingido por disparos durante protesto pela morte de George Floyd

Um jovem de 19 anos morreu depois de alguém que seguia num carro ter disparado sobre uma multidão de pessoas que protestavam contra o homicídio do afro-americano George Floyd, indicou uma porta-voz da polícia de …

O campo magnético da Terra está a enfraquecer misteriosamente

Novos dados de satélite da Agência Espacial Europeia (ESA) mostram que o campo magnético da Terra está a enfraquecer entre África e a América do Sul. O enfraquecimento do campo magnético da Terra está relacionado com …

Morreram os primeiros dois capacetes azuis vítimas da covid-19

Dois militares da força de manutenção da paz das Nações Unidas no Mali morreram devido à covid-19, os primeiros entre cerca de 100.000 soldados e polícias destacados em 15 missões no mundo. "Infelizmente, ontem [quinta-feira] e …

Asteróide que dizimou os dinossauros atingiu a Terra no "mais mortífero ângulo possível"

O asteróide que dizimou os asteróides e 75% de todas espécies à face da Terra há 65 milhões de anos atingiu a Terra no "mais mortífero ângulo possível", concluiu uma investigação do Imperial College de …

O Sol pode ser fruto de um acidente galáctico entre a Via Láctea e uma galáxia anã

Uma pequena galáxia, chamada Sagitário, moldou a Via Láctea há milhares de milhões de anos: cada vez que passou perto da nossa galáxia, causou fortes explosões de formação estelar que podem até ter originado o …