Relâmpagos primitivos “bombardearam” a Terra (e podem ter ajudado a vida a surgir)

Um novo estudo da Universidade de Yale e da Universidade de Leeds revela que um trilião de relâmpagos ao longo de mil milhões de anos pode ter desencadeado a vida na Terra primitiva. 

Uma equipa de investigadores da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, e da Universidade de Leeds, no Reino Unido, acredita que, com o tempo, um trilião de relâmpagos criaram o fósforo necessário para a criação de biomoléculas que seriam a base da vida na Terra.

“Este trabalho ajuda-nos a entender a forma como a vida se pode ter formado na Terra e como ainda se pode estar a formar noutros planetas semelhantes à Terra”, disse Benjamin Hess, estudante do Departamento de Ciências da Terra e Planetárias da Universidade de Yale e autor principal do estudo, num comunicado.

Segundo Hess, tudo começou, em parte, com o fósforo, um elemento-chave necessário para a formação da vida, mas que não era facilmente acessível na Terra há milhares de milhões de anos porque estava firmemente preso dentro de minerais insolúveis na superfície do planeta.

A questão para os investigadores tem sido: como é que o fósforo da Terra passou para uma forma utilizável e ajudou a criar ADN, ARN e outras biomoléculas necessárias para a vida?

Primeiro, os cientistas olharam para os meteoritos. A ideia era que meteoritos que continham o mineral de fósforo, schreibersita – que é solúvel em água -, caíram na superfície da Terra com frequência suficiente para criar as condições necessárias para a vida biológica.

A desvantagem desta teoria, contudo, tinha a ver com a frequência. Durante o período em que se pensa que a vida começou, há entre 3,5 e 4,5 mil milhões de anos, a frequência das colisões de meteoritos na Terra caiu a pique.

Porém, havia outra fonte de fósforo encontrada na schreibersita. Segundo Hess, a schreibersita também pode ser encontrada em certos vidros – chamados fulguritas -, que se formam quando um raio atinge o solo. O vidro contém parte do fósforo da rocha superficial, mas na forma solúvel.

Hess e os coautores Sandra Piazolo e Jason Harvey, da Universidade de Leeds, usaram modelos de computador e estimaram que a Terra primitiva foi atingida por um a cinco mil milhões de relâmpagos por ano – em comparação com cerca de 560 milhões de relâmpagos por ano atualmente.

Destes, entre 100 milhões a mil milhões terão atingido o solo todos os anos, o que somaria 0,1 a um trilião de relâmpagos – e bastante fósforo utilizável – após mil milhões de anos.

A teoria do relâmpago também tem outras vantagens, segundo os cientistas. Primeiro, o número anual de descargas atmosféricas teria permanecido constante, ao contrário do número de colisões de meteoritos. Além disso, os relâmpagos eram provavelmente mais predominantes em massas de terra nas regiões tropicais, fornecendo áreas mais concentradas de fósforo utilizável.

Assim como hoje, as tempestades com raios frequentemente atingiam as latitudes tropicais do planeta, potencialmente enriquecendo essas áreas com entre 110 e 11 mil quilogramas de fósforo por ano.

“Isto faz com que os relâmpagos sejam um caminho significativo para a origem da vida”, disse Hess.

É possível que relâmpagos tenham criado uma quantidade significativa de fósforo biorreativo nas primeiras ilhas vulcânicas nos trópicos, que contêm o tipo de solo rico em argila que é ideal para a formação de schreibersita. Para ter a certeza, Hess e os seus colegas planeiam estudar a abundância de schreibersita em fulguritos formados em regiões vulcânicas como o Havai.

Este estudo foi publicado esta semana na revista científica Nature Communications.

Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Role play ao serviço da Ciência. Investigadores fingem ser Neandertais para estudar caça a aves

Uma equipa de investigadores espanhóis decidiu adotar a "dramatização" científica para reconstruir um novo elemento do comportamento Neandertal: a cooperação com os membros do grupo enquanto usa fogo e ferramentas para caçar gralhas no interior …

Estoril 0-1 Sporting | Figueira deu o fruto que saciou o leão

Foi preciso surgir um erro crasso do guarda-redes estorilista (até então a fazer uma belíssima exibição) para o campeão nacional poder respirar de alívio e festejar a quarta vitória na Liga, esquecendo por agora a …

A tinta mais branca do mundo ajuda a poupar energia nas casas - e pode eliminar de vez o ar condicionado

Uma equipa de investigadores da Universidade de Purdue desenvolveu uma tinta tão branca que revestir um prédio com ela pode reduzir, ou até mesmo eliminar, a necessidade de ter ar condicionado. Depois de testar mais de …

Costa promete "lição exemplar" à Galp depois de "tanto disparate" em Matosinhos

O secretário-geral do PS, António Costa, considerou hoje que “era difícil imaginar tanto disparate, tanta asneira, tanta insensibilidade” como a Galp demonstrou no encerramento da refinaria de Matosinhos, prometendo uma “lição exemplar” à empresa. Falando em …

Porto 5-0 Moreirense | Días, Taremi e Fábio, o trio maravilha

O Porto foi o primeiro dos “grandes” a entrar em campo e deu o mote, e que mote. Os “dragões” receberam o Moreirense e golearam sem apelo nem agravo, por 5-0, graças a uma segunda …

Ronaldo volta a marcar pelo United em jogo com final frenético

O português Cristiano Ronaldo voltou hoje a marcar pelo Manchester United, mas foram Lingaard e David de Gea que ‘brilharam’ na vitória sobre o West Ham, por 2-1, em jogo da quinta jornada da Liga …

O Cumbre Vieja, num dos complexos vulcânicos mais ativos nas Canárias, entrou em erupção

O vulcão Cumbre Vieja, na ilha espanhola de La Palma, entrou hoje em erupção na zona de Las Manchas, depois de mais de uma semana em que foram registados milhares de sismos na região. Na zona, …

Portugal regista 677 novos casos de covid-19 e cinco mortes

Portugal registou, este domingo, 677 novos casos e cinco mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, Portugal …

Estudo mostra como diferentes espécies de polvos coexistem no mesmo ambiente

Existem mais de 300 espécies de polvos a viver em diversos habitats que abrangem recifes de coral, leitos de ervas marinhas, planícies de areia e regiões de gelo polar. Mas de que forma cefalópodes tão …

As máquinas estão "muito longe" de serem mais inteligentes (mas muito perto de agir como pessoas)

A especialista em inteligência artificial Daniela Braga considera que as máquinas estão "muito longe" de substituírem totalmente os humanos ou serem mais inteligentes, mas estão "muito perto" de interagirem como as pessoas. "Acho que estamos muito …