As redes sociais podem causar paranóia

O resultado é de uma pesquisa da King’s College London, no Reino Unido. Uma a cada cinco pessoas sofre de paranóia e o principal motivo pode ser o acesso frequente às redes sociais.

E, de acordo com a Sociedade Nacional para a Prevenção da Crueldade contra Crianças, o aumento de casos de auto-mutilação entre jovens, que representam o maior grupo de risco para a doença, pode estar associado a esse vício.

A necessidade de acompanhar as atualizações de amigos nas redes sociais o tempo todo, intrínseca à própria natureza do online – presente 24 horas por dia – acaba por prender as pessoas nesse ciclo vicioso.

“O mundo digital está a mudar a sociedade de uma forma que nos pode fazer sentir como se estivéssemos sob vigilância o tempo todo”, disse Philippa Garety, professora de psicologia clínica na King’s College London, ao Daily Mail.

“Tudo o que fazemos pode ser registado de alguma forma através da Internet, o que pode estar a desencadear essa ansiedade geral”, continuou.

De acordo com uma recente pesquisa da Sociedade Nacional para a Prevenção da Crueldade contra Crianças, 18.778 crianças entre 11 e 18 anos em Inglaterra e no País de Gales foram admitidas em hospitais por auto-mutilação em 2016. Trata-se de um aumento de 14% em relação ao ano anterior.

“A partir das milhares de ligações que as linhas diretas recebem, está claro que temos uma nação de crianças profundamente infelizes. Nós sabemos que essa infelicidade é, em parte, por causa da constante pressão que sentem em ter uma vida perfeita ou atingir uma certa imagem, que não é realista, impulsionada pelas redes sociais”, explicou Peter Wanless, chefe executivo da organização.

Devido à crescente preocupação sobre o assunto, pesquisadores da Royal College of Art, igualmente no Reino Unido, estão a desenvolver aplicativos que podem ajudar pessoas que sofrem de paranóia.

Quando o paciente se sentir desconfortável, poderá aceder e obter ajuda sobre o que fazer em situações específicas. Os aplicativos, um para pacientes com casos mais graves e outro para casos mais leves, poderão ser personalizados para cada utilizador durante sessão com um terapeuta, que saberá determinar o que desencadeia a paranóia do paciente e desenvolver a resposta ideal.

A equipa de pesquisa, liderada por Philippa, irá testá-lo em 360 pacientes para avaliar os possíveis benefícios dos aplicativos, que devem ser desenvolvidos no espaço de cinco anos, no máximo.

A paranóia é o medo injustificado de que alguém está sempre a tentar prejudicá-lo, física ou socialmente, ou prejudicar a sua reputação.

Na sua forma mais extrema pode levar à psicose, um problema de saúde mental que faz com que as pessoas percebam ou interpretem as coisas de maneira diferente daqueles ao seu redor, o que pode causar alucinações e/ou delírios.

No entanto, mesmo em casos menos graves, a doença pode levar à ansiedade, à dificuldade em trabalhar e de se relacionar com outras pessoas.

// Move

PARTILHAR

RESPONDER

Tondela vs Benfica | Pizzão em goleada na Beira Alta

O Benfica conseguiu a maior goleada da sua temporada fora de casa. Na deslocação a Tondela, os “encarnados” venceram por claros 5-1, numa noite de grande inspiração de Pizzi – estreou-se a marcar esta época …

Turquia quer abrir embaixada na parte oriental de Jerusalém como capital palestiniana

O presidente da Turquia disse, este domingo, que o país planeia abrir uma embaixada em Jerusalém Oriental como capital de um futuro Estado palestiniano, depois dos EUA terem reconhecido Jerusalém como capital de Israel. “Já declarámos …

Sporting vs Portimonense | Leão sereno soma e segue

O Sporting subiu ao primeiro lugar da tabela na Liga NOS, de forma provisória, ao vencer, por 2-0, o Portimonense, em Alvalade. A equipa liderada por Jorge Jesus soube contrariar as adversidades impostas por um Portimonense …

Isabel dos Santos usou dinheiro da Unitel para controlar a Zon e criar a NOS

A empresária angolana utilizou dinheiro da maior operadora móvel do país para comprar ações da Zon e realizar a fusão entre a Zon e a Optimus, criando a NOS.  Segundo o Público, entre maio de 2012 …

Empresas de autocarro e comboio de acidente em França com versões contraditórias

A condutora do autocarro que, na quinta-feira, colidiu com um comboio, no sudoeste de França, diz que as cancelas da passagem de nível estavam levantadas quando atravessou a linha, mas a companhia ferroviária afirma o …

Santana Lopes "está a fazer as mesmas trapalhadas que fazia em 2004"

O antigo presidente da Câmara do Porto diz que, relativamente à questão dos debates na televisão, o rival à liderança do PSD só está a mostrar que continua "a fazer exatamente as mesmas trapalhadas que …

Equipa de Trump acusa Mueller de ter obtido milhares de emails ilegalmente

O Procurador Especial que investiga a interferência russa nas eleições presidenciais dos EUA em 2016 obteve de forma ilegal "dezenas de milhares de emails", segundo um advogado da equipa de transição de Donald Trump. Numa carta …

6 meses depois, ainda há quem pergunte pela "estrada da morte"

O chamado "turismo da desgraça" ainda persiste pela zona de Pedrógão Grande, mas com muito menos frequência do que nas primeiras semanas e meses após o incêndio de 17 de junho. Na estrada 236-1, seis meses …

Atentado contra igreja no Paquistão faz pelo menos 8 mortos e 30 feridos

Pelo menos oito pessoas morreram e 30 ficaram feridas, este domingo, durante um ataque suicida contra uma igreja no sudoeste do Paquistão a poucos dias do Natal, anunciou a polícia. O ataque foi perpetrado por dois …

Gravuras rupestres mostram que os cães ajudaram o Homem a sobreviver

Foram descobertas na Arábia Saudita gravuras rupestres que mostram que o Homem já caçava com cães há oito mil anos. Os cientistas continuam a tentar perceber quando e como é que começou a relação entre humanos …