As redes sociais podem causar paranóia

O resultado é de uma pesquisa da King’s College London, no Reino Unido. Uma a cada cinco pessoas sofre de paranóia e o principal motivo pode ser o acesso frequente às redes sociais.

E, de acordo com a Sociedade Nacional para a Prevenção da Crueldade contra Crianças, o aumento de casos de auto-mutilação entre jovens, que representam o maior grupo de risco para a doença, pode estar associado a esse vício.

A necessidade de acompanhar as atualizações de amigos nas redes sociais o tempo todo, intrínseca à própria natureza do online – presente 24 horas por dia – acaba por prender as pessoas nesse ciclo vicioso.

“O mundo digital está a mudar a sociedade de uma forma que nos pode fazer sentir como se estivéssemos sob vigilância o tempo todo”, disse Philippa Garety, professora de psicologia clínica na King’s College London, ao Daily Mail.

“Tudo o que fazemos pode ser registado de alguma forma através da Internet, o que pode estar a desencadear essa ansiedade geral”, continuou.

De acordo com uma recente pesquisa da Sociedade Nacional para a Prevenção da Crueldade contra Crianças, 18.778 crianças entre 11 e 18 anos em Inglaterra e no País de Gales foram admitidas em hospitais por auto-mutilação em 2016. Trata-se de um aumento de 14% em relação ao ano anterior.

“A partir das milhares de ligações que as linhas diretas recebem, está claro que temos uma nação de crianças profundamente infelizes. Nós sabemos que essa infelicidade é, em parte, por causa da constante pressão que sentem em ter uma vida perfeita ou atingir uma certa imagem, que não é realista, impulsionada pelas redes sociais”, explicou Peter Wanless, chefe executivo da organização.

Devido à crescente preocupação sobre o assunto, pesquisadores da Royal College of Art, igualmente no Reino Unido, estão a desenvolver aplicativos que podem ajudar pessoas que sofrem de paranóia.

Quando o paciente se sentir desconfortável, poderá aceder e obter ajuda sobre o que fazer em situações específicas. Os aplicativos, um para pacientes com casos mais graves e outro para casos mais leves, poderão ser personalizados para cada utilizador durante sessão com um terapeuta, que saberá determinar o que desencadeia a paranóia do paciente e desenvolver a resposta ideal.

A equipa de pesquisa, liderada por Philippa, irá testá-lo em 360 pacientes para avaliar os possíveis benefícios dos aplicativos, que devem ser desenvolvidos no espaço de cinco anos, no máximo.

A paranóia é o medo injustificado de que alguém está sempre a tentar prejudicá-lo, física ou socialmente, ou prejudicar a sua reputação.

Na sua forma mais extrema pode levar à psicose, um problema de saúde mental que faz com que as pessoas percebam ou interpretem as coisas de maneira diferente daqueles ao seu redor, o que pode causar alucinações e/ou delírios.

No entanto, mesmo em casos menos graves, a doença pode levar à ansiedade, à dificuldade em trabalhar e de se relacionar com outras pessoas.

// Move

PARTILHAR

RESPONDER

Rulotes vão ser proibidas de vender álcool em zonas do Porto, Lisboa e Albufeira

O Governo anunciou, esta sexta-feira, que está a articular com as câmaras de Lisboa e Albufeira a proibição de vendas alcoólicas por rulotes "nas zonas de diversão noturna identificadas como problemáticas pelas forças de segurança". A …

Condenada a mais oito. Ex-Presidente Park arrisca agora 32 anos de prisão

Esta sexta-feira, o Tribunal Distrital de Seul condenou a ex-Presidente sul-coreana Park Geun-hye a mais oito anos de prisão. Park Geun-hye, ex-Presidente da Coreia do Sul, já tinha sido condenada a 24 anos de prisão por …

Viagem de deputados contra supressão de comboios cancelada (porque o comboio foi suprimido)

Uma comitiva de deputados e autarcas que pretendia viajar de comboio entre as Caldas da Rainha e Lisboa, para exigir soluções para a Linha do Oeste, ficou apeada e foi obrigada a fazer o percurso …

12 feridos em ataque com arma branca em autocarro na Alemanha

12 pessoas ficaram feridas, duas delas em estado grave, no ataque perpetrado por um homem, armado com arma branca, no interior de um autocarro na cidade alemã de Lübeck, norte do país, segundo a televisão …

É um "emprego de sono". 1000 euros para dormir 8 horas por dia

Um salário de 1000 euros ao fim do mês para dormir oito horas por dia. Eis a oferta de emprego da marca portuguesa Desonno, especializada em colchões e almofadas, que é, acima de tudo, uma …

Marinha Portuguesa vai receber 7 novos navios (para cumprir acordo com a NATO)

O primeiro-ministro anunciou, esta sexta-feira, a construção, nos próximos seis a oito anos, de sete novos navios para a Marinha portuguesa, no âmbito da revisão da Lei de Programação Militar (LPM). António Costa falava nos estaleiros …

Por dia, são assassinadas pelo menos 3 crianças no México

Pelo menos três crianças são assassinadas todos os dias no México, país que fechou o ano passado com o número mais elevado de homicídios das últimas duas décadas, lamentaram esta quinta-feira as autoridades do país. “Temos …

Macron despede colaborador que agrediu manifestante

O Presidente francês viu-se obrigado a despedir o colaborador que tinha sido filmado a agredir um manifestaste no 1º de maio, alegando terem surgido "dados novos" sobre o caso. Segundo o Público, o colaborador de Emmanuel Macron que foi …

Há uma empresa neozelandesa em que se trabalha 4 dias por semana (e ganha-se o mesmo)

Os trabalhadores da Perpetual Guardian trabalham apenas quatro dias por semana e recebem o mesmo salário. A empresa neozelandesa decidiu fazer a experiência e os resultados não poderiam ser melhores. Mantendo o mesmo salário e sem …

Enorme sarcófago negro tinha 3 múmias (e nenhuma maldição)

O enorme sarcófago negro encontrado em Alexandria foi finalmente aberto e o mistério foi desvendado. Nem maldição nem restos mortais de Alexandre, o Grande. Na verdade, o túmulo tinha 3 múmias e água de esgoto. O …