“Ratos” de musgo espalham-se pelos glaciares do Ártico (e intrigam cientistas)

A presença de estranhas bolas de musgos nos ecossistemas de glaciares tem atraído a atenção da comunidade científica. Estas estranhas criatura proliferam no Ártico, mas também em regiões da Islândia e América do Sul.

Especialistas de várias áreas científicas tentam há anos perceber a origem destes “ratos dos glaciares”, tal como são vulgarmente conhecidos, bem como a forma como proliferaram em baixas temperaturas e num ambiente tão extremo.

Agora, uma equipa de cientistas norte-americanos revelou novas informações sobre estas formações particulares que se revelaram ser pequenos ecossistemas para a vida microbiana e componentes importantes da atividade biológica nos glaciares.



Para melhor compreender estas estranhas criaturas, os cientistas analisaram 30 espécimes do Glaciar Root, no Alasca, que foram acompanhados durante quatro anos.

A equipa descobriu que estes “ratos” de musgo dos glaciares podem viver durante anos e são capazes de se mover de forma coordenada, como se de um rebanho se tratasse, precisam os cientistas no novo estudo, cujos resultados foram recentemente publicados na revista científica especializada Polar Biology.

“Todos este agrupamento se move aproximadamente à mesma velocidade e nas mesmas direções”, disse Timothy Bartholomaus, um dos autores do estudo, citado pela NPR.

Bartholomaus e a sua equipa marcaram 30 destas formações no glaciar do Alasca e acompanhar o seu movimento durante 54 duas em 2009. Durante os três anos seguintes, os mesmos cientistas voltaram ao local e descobriram que este musgo se movia “relativamente rápido” – cerca de um centímetro por dia.

A equipa descobriu ainda que muitos destes espécimes, os mais velhos, poderiam viver, em média, mais de seis anos, observa ainda a Russia Today.

Estas estranhas bolas são apelidada por alguns cientistas como “ratos dos glaciares”, sendo descritas como uma espécie de almofada suave e húmida, composta por diferentes espécies de musgo. São verdes e felpudos, sintetiza o Science Alert.

“Parecem-se realmente com pequenos mamíferos, ratinhos ou esquilos ou algo que corre pelo glaciar, embora corram em velocidade muito lenta”, acrescentou a bióloga Sophie Gilbert, co-autora do artigo agora publicado.

Para já, sabe-se que estes aglomerados podem desenvolver-se a partir de impurezas existentes nas superfícies geladas e fornecer um “habitat-chave” para os invertebrados. São considerados um “fenómeno biológico relativamente raro”, que existe não só no Alasca, mas também na Islândia, Noruega e América do Sul.

No entanto, importa frisar, estas bolas verdes não existem num qualquer glaciar, precisando de condições específicas para proliferar.

ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Há mais três mortos e 756 novos casos de covid-19

De acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), nas últimas 24 horas registaram-se mais 756 casos de infeção por covid-19 e três pessoas morreram. A região de Lisboa e Vale do Tejo regista …

Mensagem em garrafa atravessou o Atlântico e foi encontrada nos Açores

Três anos depois de ter sido lançada ao mar, uma mensagem numa garrafa uniu dois adolescentes separados pelo Oceano Atlântico. Em 2018, durante um feriado (25 de novembro) no estado norte-americano de Rhode Island, no leste …

Afinal, autoagendamento só avança para maiores de 37 anos (e não 35)

O autoagendamento da vacina contra a covid-19 vai ficar disponível apenas para pessoas com mais de 37 anos esta segunda-feira, ao contrário do que informou, domingo, a task-force de vacinação. Ao contrário do que estava previsto, …

Retomado voo entre Portugal e a China após duas semanas de suspensão

Depois de ter sido suspensa por duas semanas, a ligação aérea entre Portugal e a China foi retomada este fim de semana. A ligação aérea entre Portugal e a China foi retomada este fim de semana, …

Líder do CDS diz que Portugal é uma "república das bananas" que já nem pune os criminosos

O líder do CDS, Francisco Rodrigues dos Santos, acusou o Governo de "descongestionar as cadeias à boleia de um pretexto sanitário". O regime especial de perdão das penas, aprovado em abril de 2020, continua em vigor, …

Há quatro mestrados portugueses entre os melhores do mundo segundo o Financial Times

Uma lista anual publicada pelo Financial Times ordena as 55 escolas de gestão em todo o mundo que mais se destacam nos 17 indicadores avaliados por esta publicação. O mestrado em Finanças da Nova School of …

Há cada vez mais denúncias de assédio. Motorista de autocarros de Coimbra foi suspenso após importunar jovem

Um motorista de autocarros de Coimbra foi suspenso depois de ter sido filmado enquanto assediava uma jovem num veículo dos SMTUC, a empresa de transportes públicos da cidade. O caso está a dar destaque a …

"A pandemia precipitou uma epidemia." Fungo negro disparou pela Índia desde a segunda vaga

A mucormicose, uma doença fúngica rara e frequentemente mortal, explodiu em toda a Índia durante a pandemia de covid-19. “A pandemia precipitou uma epidemia”, disse Bela Prajapati, otorrinolaringologista no Hospital Civil, na Índia, ao The New …

Governo aponta "soluções" para rever tabela remuneratória da Função Pública (e quer limitar "mandatos" das chefias intermédias)

O Governo está a avaliar “várias soluções” para rever a tabela remuneratória da Função Pública que passam por “alongá-la” ou alterar os momentos de entrada em cada carreira. A informação foi avançada pela ministra Alexandra Leitão, …

Já abriram os primeiros concursos para gastar a bazuca. Costa destaca "orgulho" na boa gestão de fundos europeus

Arranca, nesta segunda-feira, o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), com a abertura dos dois primeiros concursos para obtenção de financiamento da chamada "bazuca" europeia. O primeiro-ministro António Costa destaca a "boa gestão" dos fundos …