Professores de escola problemática não desistem dos alunos e tentam novo método de ensino

UGL_UIUC / Flickr

-

O comportamento dos alunos da escola da Apelação é mau e as notas são fracas, mas os professores, muitas vezes “psicólogos” e “pais”, não desistem e testam agora um novo método de ensino.

Todos os dias, centenas de jovens do bairro social da Quinta da Fonte, em Loures, sobem o morro junto ao cemitério para chegar ao Agrupamento de Escolas da Apelação, onde, desde o ano passado, estão a ser postos à prova com uma nova forma de ensinar e aprender.

Como os alunos têm diferentes ritmos de aprendizagem, os professores dividiram as matérias das disciplinas em seis níveis e entregaram guiões de tarefas aos estudantes. Os alunos vão estudando e, quando sentem que já dominam um tema, fazem um teste: se tiverem 100% passam de nível, se errarem, voltam aos livros até superar as dificuldades.

Muitas vezes, na sala de aula, estudam matérias diferentes. Trabalham sozinhos ou em pequenos grupos e o professor vai circulando pelas secretárias e tirando as dúvidas individualmente.

“O professor tem muito mais trabalho porque tem de ter a capacidade mental para explicar uma matéria e logo a seguir explicar outra completamente diferente”, conta à Lusa Félix Bolaños, o diretor do agrupamento de 474 alunos.

O novo método começou a ser aplicado no passado ano letivo e os resultados finais foram fracos – as notas dos alunos nos exames nacionais colocaram a escola nos últimos lugares dos rankings.

No entanto, os professores acreditam que este ano será melhor e mostram-se determinados em conseguir um futuro melhor para aquelas crianças.

Sete em cada dez alunos da Apelação são apoiados pela Ação Social Escolar (ASE). Além das carências económicas, Bolaños diz que muitos passam “quase a semana inteira sozinhos” sem ver os pais, que estão a trabalhar: “Elas nas limpezas e eles na construção civil”, explica.

Muitos não têm um único livro em casa e a maioria dos pais não completou o 7.º ano: “Tenho pais que assinam com impressão digital”, exemplifica o diretor. Entre pais ausentes e outros que pouco aprenderam, são raros os que conseguem tirar dúvidas aos filhos.

“São alunos fantásticos, mas têm dificuldades nas aprendizagens e pouco apoio em casa para poder fazer um bom percurso escolar”, resume Félix Bolaños.

A maioria dos docentes que chega ao agrupamento é sensível a esta realidade. E, mesmo quando são confrontados com episódios de violência, não conseguem virar costas. “Só há um ou outro que de vez em quando desiste. A maioria fica”, garante o diretor.

“Não digo que estes professores sejam melhores do que os outros. Mas uma coisa é certa, é preciso ter perfil para dar aulas aqui”, afirma.

Quando Joana Ferreira foi colocada no agrupamento, em 2006, deparou-se com graves problemas de comportamento na sala de aula. No entanto, a professora não conseguiu ir embora quando percebeu que teria outras missões além de ensinar as matérias definidas nos gabinetes do Ministério da Educação.

“Aqui não se é só um professor: É-se professor, psicólogo, assistente social…”, conta a docente, garantindo que hoje os alunos já estão mais calmos, mas ainda têm muitas dificuldades de aprendizagem.

Há oito anos na escola, Paula Batista diz que nunca irá “desistir dos alunos”, considerando que “já muito fazem eles”. A professora de Português do 3.º ciclo acredita que os fracos resultados “não são falta de vontade”, mas sim de condições: “Há miúdos que têm muitos problemas lá fora, mas depois chegam aqui e trabalham”.

Tentam que os problemas familiares fiquem do lado de fora da escola e na sala de aula esforçam-se por mostrar o que valem. Alguns querem bons resultados escolares para conseguir um emprego e outros, como o Ayrton, para mostrar à “família, ao diretor e aos professores da escola”.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Zidane aponta à saída de Bale. "Se puder ir embora amanhã, melhor"

O futebolista galês Gareth Bale pode deixar o Real Madrid nos próximos dias, disse no sábado o treinador da equipa espanhola, Zinedine Zidane, que o deixou de fora na derrota por 3-1 com o Bayern …

Abel Xavier deixa seleção moçambicana de futebol

Abel Xavier deixa o cargo de selecionador moçambicano após falhar a qualificação para as últimas duas edições da Taça das Nações Africanas. O treinador Abel Xavier vai deixar o comando da seleção moçambicana de futebol, ao …

Quase 800 portugueses vão participar no maior encontro de escuteiros do mundo

Quase 800 jovens portugueses vão participar no 'World Scout Jamboree', o maior encontro de escuteiros do mundo, que vai acontecer nos Estados Unidos, entre 22 de julho e 2 de agosto, informou a Federação Escutista …

Rui Rio acusa PS de copiar propostas e ideias do PSD

Rui Rio acusa os socialistas de copiar as suas propostas na área fiscal e no apoio à natalidade. "Se não estão a copiar, então porque é que não o fizeram nestes quatro anos?", questionou. O presidente …

Nove em cada 10 idosos em tratamento médico sofrem de solidão

Cerca de 91% dos idosos seguidos nos cuidados de saúde primários revelam sentir algum grau de solidão, sendo que um terço reporta mesmo níveis graves, o que interfere com os cuidados, revela uma nova investigação. A …

Juros baixos vão permitir ao Estado poupar mil milhões de euros

A redução nas taxas de juro da dívida pública vai permitir ao Estado poupar, de 2016 até final de 2019, cerca de mil milhões de euros. Só em 2019, o país deverá poupar em juros …

Praia de Fukushima reabre ao público oito anos depois do acidente nuclear

Este fim de semana, e pela primeira vez depois da catástrofe nuclear de Fukushima-1, os japoneses puderam voltar a nadar numa das praias da cidade afetada pelo terramoto e tsunami de 2011. De acordo com o …

"Greve do dia 12 vai ter repercussões muito mais graves do que as do mês de abril"

O sindicato avisa que, além dos combustíveis, a próxima greve vai afetar também o abastecimento às grandes superfícies, à indústria e serviços. O Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) ameaça consequências mais graves para …

Desde que tomou posse, Bolsonaro faz uma afirmação falsa por dia

Bolsonaro prestou 2054 declarações falsas ou distorcidas nos primeiros 184 dias do seu mandato, concluiu o site digital Aos Fatos, dedicada à verificação do rigor das informações divulgadas pelos media do país. Esse resultado dá uma …

Cashball. Bruno de Carvalho apontado como “chefe” do esquema

Paulo Silva, o empresário denunciante do caso Cashball, prestou novas declarações no âmbito deste processo, apontando o antigo presidente do Sporting Bruno de Carvalho como o "chefe" do alegado esquema de corrupção. Tal como recorda a …