Os primeiros acrobatas profissionais do mundo faziam mortais no Médio Oriente há 4 mil anos

Javier Alvarez-Mon / Louvre Museum

Os primeiros acrobatas profissionais datam de há 4 mil anos, no Médio Oriente. Afiliados à corte real, tinham vários privilégios, mas também preocupações laborais.

Os habitantes das antigas cidades-estado do Médio Oriente desfrutavam de uma vida social e económica vibrante, centrada em palácios e templos, apoiados por comunidades agrícolas vizinhas. Pessoas, bens e ideias fluíram entre essas cidades, gerando uma esfera cultural dentro da qual fortes identidades e costumes locais foram preservados.

Um desses costumes que surgiu na região da Síria era o de acrobata profissional, ou huppû, vinculado à corte real.

A primeira menção conhecida do huppû está em documentos administrativos da antiga cidade de Ebla (Tell Mardikh) na Síria, datados de 2320 aC. Os detalhes da profissão podem ser posteriormente reunidos a partir de fragmentos de informações num arquivo real (1771-1764 aC) de cerca de 20.000 tábuas preservadas na cidade vizinha de Mari (Tell Hariri) no rio Eufrates.

Registos e cartas pessoais revelam trupes de huppû que atuavam várias vezes por mês em eventos especiais para comemorar o regresso seguro do rei à cidade, a chegada de visitantes especiais e festivais religiosos. O programa do festival da deusa Ishtar incluía huppû, lutadores e sacerdotes de lamentação que cantavam na antiga língua suméria acompanhados por tambores.

Essas produções foram tão admiradas que o elenco e a equipa técnica acompanhavam o rei para se divertir em reinos estrangeiros.

O ofício do huppû

Existem apenas dois adjetivos remanescentes usados para descrever as performances de huppû, mas evocam um banquete visual de movimento de alta energia.

O primeiro, mēlulu, significava “brincar”, “atuar” e “lutar”. O segundo, nabalkutu, foi aplicado a uma série de ações ousadas e dinâmicas: “para limpar um obstáculo”, “rebelar-se contra a autoridade”, “virar de cabeça para baixo”, “mudar de lado”, entre outros.

Podemos imaginar grupos de huppû a apresentarem uma mistura coreografada de danças e acrobacias, harmonizando a força física e o controlo com a expressão corporal para conquistar o público.

O ofício parece ter sido uma profissão exclusivamente masculina. Não há registos de uma forma feminina do substantivo huppû, nem qualquer huppû documentado com nome feminino.

O acesso à educação formal na escrita e nas artes na antiga Síria, como em todo o Próximo-Oriente, era determinado principalmente pelo estatuto da família: a maioria das crianças seguia os passos dos seus pais.

Existiam conservatórios especializados para músicos e cantores promissores, enquanto, assim como os atletas modernos, jovens aprendizes huppû eram enviados para academias dedicadas para aprender a mestria através de anos de exercícios repetitivos e extenuantes.

Através de correspondência preservada entre a elite letrada, parece que a divisão entre conservatórios artísticos e academias de atletismo refletia uma divisão mente-corpo nos valores culturais.

A tensão entre as escolas veio à tona numa carta escrita pelo chefe da trupe real huppû, Piradi, ao rei Zimri-Lim, datada de cerca de 1763 aC.

Primeiro apelando ao bom senso do rei (“meu senhor sabe quando estou a mentir e quando não”), Piradi continua a lamentar a dificuldade subestimada da sua arte (uma reclamação um tanto verificada por uma disparidade salarial entre músicos e acrobatas nas contas reais) e o desprezo que recebe dos músicos.

Na realidade, da própria caneta de um músico: “se eu quebrar o meu juramento, eles podem perseguir-me e tornar-me um huppû!”

Viver como um huppû

Os membros da trupe viviam fora do palácio e muito provavelmente tinham famílias — embora nem sempre felizes, a julgar pela declaração de Piradi de que uma mulher tinha acabado de sair de sua casa e roubado os seus bens.

O emprego era ocasional. Os pagamentos eram feitos após os espetáculos, provavelmente várias vezes por mês.

Uma lista de gastos do palácio para uma viagem a uma cidade vizinha aponta para uma vida razoável: um huppû comum recebia um siclo de prata; o segundo em comando recebia dois; e o cabecilha recebia cinco. Para contexto, um siclo de prata dava para comprar 300 kg de cevada.

O chefe huppû era um papel especialmente privilegiado, mas também altamente stressante.

O huppû da cidade de Mari enfrentou uma ameaça constante de competição externa, especialmente rivais da famosa escola huppû da vizinha Halep (Aleppo), e pontecial escassez de trabalho e demissões com a chegada de um novo governante visando cortes de financiamento nas artes.

  ZAP // The Conversation

PARTILHAR

RESPONDER

Pedro Sánchez promete abolir a prostituição em Espanha, por considerar que esta "escraviza" as mulheres

Espanha é um dos países europeus com mais trabalhadoras na indústria do sexo, as quais são sobretudo originárias de países da Europa mais pobres, da América Latina e de África. O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez anunciou …

"Um milagre". Dois jovens sobreviveram quase uma semana no deserto australiano

Dois jovens, de 14 e 21 anos, sobreviveram durante quase uma semana no deserto, sem água e sem comida, depois de se terem perdido no Território do Norte, na Austrália. A polícia fala num verdadeiro …

Carlos Moedas

Moedas vai "dar tudo como presidente" e exige que seja respeitada a legitimidade do seu mandato

Carlos Moedas tomou posse, esta segunda-feira, como novo presidente da Câmara de Lisboa, tendo falado dos objetivos para o próximo quadriénio e deixado um elogio ao seu antecessor e alguns avisos à esquerda. Depois dos cumprimentos …

Chanceler austríaco Sebastian Kurz

Sondagens falsas e notícias favoráveis. O lado negro de Sebastian Kurz foi desmascarado

Sebastian Kurz e pessoas que lhe são próximas foram acusados de tentar garantir a sua ascensão à liderança do partido e do país com a ajuda de sondagens manipuladas e notícias favoráveis na imprensa, financiadas …

Tem uma carreira de sonho na Nike, mas cometeu um homicídio há 65 anos

O presidente da Jordan Brand, Larry Miller, revelou que, há 56 anos, matou um adolescente nas ruas de Filadélfia, nos Estados Unidos. O presidente da Jordan Brand — marca do ex-jogador de basquetebol Michael Jordan — …

Rio diz que decisão sobre eventual recandidatura está "quase tomada"

O presidente do PSD afirmou, esta segunda-feira, que a decisão sobre a sua eventual recandidatura está "quase tomada" e será anunciada em breve. Em declarações aos jornalistas à chegada à tomada de posse do novo presidente …

Mihajlovic: "Vou tentar manter a calma, mas é difícil"

Treinador do Bolonha furioso com os cartões amarelos mostrados para "compensar" uma expulsão. Beto voltou a marcar. Udinese e Bolonha entraram em campo neste domingo como protagonistas de um dos jogos menos mediáticos da oitava jornada …

Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo avisa que não pode haver "casos de mau uso e de fraude" com os fundos europeus

O Presidente da República avisou, esta segunda-feira, que a "última coisa" que pode acontecer com os fundos europeus são "casos de maus uso e de fraude", garantindo que os portugueses "não perdoariam" que isso acontecesse. Questionado …

O empresário John Textor

Nova direção do Benfica vai reunir-se com John Textor

O empresário John Textor, que celebrou um acordo com José António dos Santos para aquisição de 25% do capital social da SAD do Benfica, vai ser recebido pela nova direção do clube esta quinta-feira. "Após explícita …

Vítimas do ataque na Noruega foram mortas com facadas e não com arco e flecha

A polícia norueguesa esclareceu, esta segunda-feira, que as cinco vítimas mortais do ataque perpetrado na semana passada foram esfaqueadas, afastando assim a tese inicial que as mortes tinham sido provocadas por um arco e flechas. Segundo …