Presidente do Peru reitera inocência perante acusação do Congresso para o destituir

Martin Alipaz / EPA

O presidente do Perú, Pedro Pablo Kuczynski

O Presidente do Peru reiterou, no domingo, a sua inocência face às acusações do Congresso, controlado pela oposição, para abrir contra si um processo de destituição que qualificou como “um assalto à ordem constitucional”.

Numa entrevista, transmitida pela televisão, a partir do Palácio do Governo peruano, Pedro Pablo Kuczynski afirmou que o Parlamento está a forçar “uma destituição rápida” sem respeitar os prazos, dado que a moção para o inabilitar por “incapacidade moral permanente” foi apresentada na sexta-feira e vai ser votada na próxima quinta-feira.

Os defensores da destituição argumentaram que Kuczynski está desacreditado para continuar a governar por “faltar à verdade”, por ter negado, em repetidas ocasiões, qualquer ligação à construtora brasileira Odebrecht que, na semana passada, revelou ter feito pagamentos de mais de 782 mil dólares em consultorias entre 2004 e 2007 à Westield Capital, empresa de Kuczynski que era à data ministro do ex-presidente Alejandro Toledo.

O chefe de Estado peruano garantiu que não mentiu: “Acusam-me de coisas que aconteceram há anos. Não cometi nenhum crime. Não pratiquei corrupção, nem criei contas fictícias em paraísos fiscais. Está tudo auditado, reportado e tributado”.

O chefe de Estado peruano reconheceu que obteve dividendos como dono da empresa com esses contratos, que assegurou desconhecer até à semana passada, dado que, explicou, enquanto era ministro a sua companhia era gerida pelo empresário chileno Gerardo Sepúlveda, que assinou os contratos com a Odebrecht.

Esses contratos foram enviados na semana passada pela construtora brasileira à comissão parlamentar que investiga o capítulo peruano do caso Lava Jato, a maior rede de corrupção da história do Brasil.

“Inteirei-me recentemente destes contratos que têm 12 anos. Nunca os tinha visto. Que fique claro: não me aproveitei de nada”, acrescentou o Presidente peruano.

Kuczynski lamentou que haja deputados que tenham já decidido votar a favor da destituição sem sequer ter ouvido os argumentos da sua defesa.

“Isto é um exagero em que se tenta abalar o Presidente para gerir o Estado sem ter ganhado eleições presidenciais”, afirmou Kuczynski, numa referência ao partido ‘fujimorista’ Fuerza Popular, que tem a maioria absoluta no Parlamento e que ameaçou na quinta-feira destitui-lo se não se demitir do cargo.

O governante peruano advertiu para “terríveis consequências para o país” se a destituição avançar, especialmente para a economia, e recordou que a taxa de câmbio da moeda peruana, o sol, face ao dólar norte-americano já subiu.

Kuczynski instou os peruanos a defender a democracia face à autocracia e afirmou sentir-se “absolutamente capacitado” para continuar como chefe de Estado.

A incapacidade moral permanente pela qual o Congresso pretende destituir Kuczynski está consagrada na Constituição para inabilitar o chefe de Estado do país por feitos extraordinários que não incorrem necessariamente em delitos, como quando o ex-presidente Alberto Fujimori renunciou, por fax, a partir do Japão, em 2000.

O caso Odebrecht afeta quase toda a primeira linha política do Peru devido aos milionários subornos pagos entre 2005 e 2014 em troca de adjudicações de grandes contratos de obras públicas, além de financiamentos às campanhas eleitorais dos principais candidatos.

Esse período cobre os mandatos presidenciais de Alejandro Toledo (2001-2006), com mandado de captura por alegadamente ter recebido um suborno de 20 milhões de dólares; Alan García (2006-2011), implicado no processo de entrega de donativos ao Metro de Lima; e Ollanta Humala (2011-2016), que foi preso por suposto financiamento irregular das suas campanhas.

A construtora brasileira garantiu no sábado que os pagamentos feitos à empresa Westfield Capital, por serviços de consultadoria realizados quando Kuczynski era ministro, foram legais.

Numa nota publicada no Diário da República, a Odebrecht apoiou as explicações dadas anteriormente pelo Presidente peruano, indicando que “os pagamentos foram legais e geridos com o então administrador dessa sociedade, o chileno Gerardo Sepúlveda”.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Partido de Le Pen desviou 6,8 milhões de fundos europeus, segundo jornal francês

O partido francês de extrema-direita União Nacional (RN, sigla original), liderado por Marine Le Pen, terá desviado 6,8 milhões de euros de fundos do Parlamento Europeu, revela este domingo um inquérito policial noticiado pelo Le …

Proporção divina. Antiga fórmula grega pode ser responsável pelo sucesso dos musicais

Desde 1972, quando "Jesus Christ Superstar" estreou na Broadway, os mais populares musicais quase unanimemente empregaram uma fórmula centenária conhecida como “a proporção divina” - e, surpreendentemente, parecem tê-lo feito acidentalmente. A proporção divina é um …

Egito já iniciou obras de alargamento do Canal do Suez

A Autoridade do Canal do Suez iniciou este sábado obras para ampliar dez quilómetros do troço sul, onde o navio Ever Given encalhou em março passado, causando o bloqueio de uma das vias de navegação …

Museu do Prado descobre erro de 500 anos numa das suas esculturas

O Museu do Prado, em Madrid, descobriu que uma das suas esculturas, que se pensava ser do século XV, é afinal uma obra do século XX. Em comunicado, o museu espanhol explicou que a escultura – …

Costa entrou em “modo avestruz” e Cabrita é uma “mancha”. Líder do CSD não poupa nas críticas

Francisco Rodrigues dos Santos fez duras críticas ao primeiro-ministro, António Costa, e ao ministro da Administração Interna, Eduarda Cabrita. O presidente do CDS-PP disse que o primeiro-ministro entrou "em modo avestruz no caso João Galamba" referindo-se …

Morreu o prefeito de São Paulo que venceu a covid-19, mas que perdeu a batalha para o cancro

O prefeito da cidade brasileira de São Paulo, Bruno Covas, morreu este domingo, aos 41 anos, vítima de cancro, segundo a imprensa brasileira e várias personalidades que nas redes sociais têm lamentado a sua morte. Bruno …

China não está a conseguir macacos de laboratório suficientes para responder à procura da comunidade científica

A proibição do comércio de animais selvagens e o crescimento da investigação científica estão a causar uma escassez de macacos de laboratório na China. A oferta cada vez menor de macacos de laboratório, amplamente usados em …

Câmara do Porto recusa hastear bandeira LGBT no dia contra a homofobia

A Câmara Municipal do Porto recusou hastear a bandeira LGBTI+ na próxima segunda-feira, dia 17 de Maio, data em que se assinala o Dia Internacional Contra a Homofobia, Bifobia e Transfobia. Segundo o Público, a autarquia …

E se fosse possível passar um mês no Palácio de Buckingham? O preço não seria para qualquer bolso

Viver num palácio pode ser o sonho de muitos, mas não é para a carteira de qualquer um. Agora, já se sabe quanto custaria alugar, durante um mês, uma das casas reais mais conhecidas da …

Cavaco Silva considera que seria "chocante" PSD aprovar reforma das Forças Armadas

O ex-Presidente da República defende que é "um erro grave" a reforma das Forças Armadas que o ministro da Defesa pretende fazer, afirmando que seria para si "chocante" ver o PSD aprová-la. "Considero um erro grave …