Preços das casas não baixam porque há Fundos a comprar tudo

Apesar de estarmos em plena crise pandémica, os preços das casas não têm sofrido uma baixa significativa. Uma realidade que se pode explicar pelo interesse de alguns Fundos na aquisição de imóveis, com a perspectiva de os poder rentabilizar após o fim da pandemia.

Este cenário é traçado pelo arquitecto Tiago Mota Saraiva que é o coordenador do programa governamental Bairros Saudáveis que foi criado em Julho deste ano, no âmbito do combate à covid-19, para criar melhores condições de saúde e de vida em zonas de maiores dificuldades financeiras.

O Jornal de Negócios avança que os preços das casas aumentaram em quase todas as capitais de distrito, verificando-se uma “desaceleração dos valores” nas cidades mais caras como Porto e Lisboa.

Nesta altura, em tempos de grave crise económica provocada pela pandemia, seria de esperar que os preços tivessem caído mais, não só no caso das vendas, mas também nos arrendamentos.

Tiago Mota Saraiva repara, em entrevista ao jornal i, que se verifica “uma redução muito pouco significativa“, o que mantém vivo “o problema” do mercado da habitação que o arquitecto diz estar “a crescer numa nova forma”.

“Por um lado, percebemos que há gente aflita a colocar à venda os seus imóveis porque está com carências económicas. Por outro lado, também sabemos que há um conjunto de entidades, nomeadamente fundos imobiliários, que continuam a operar e a acumular“, destaca Tiago Mota Saraiva.

O coordenador do Bairros Saudáveis vinca que o fenómeno “acontece sobretudo nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto, mas também noutros territórios com potencial interesse turístico, na expectativa que é aguentar este período até haver vacina, porque têm a noção que, depois, vai voltar tudo ao mesmo“.

“Problema da habitação resolve-se com cooperativas”

O arquitecto acrescenta que a pandemia “fez com que a bomba-relógio [do mercado da habitação] fosse rebentando aos poucos”, continuando a haver escassez de imóveis para arrendar ou para vender a preços mais acessíveis.

“A pandemia veio pôr a nu os problemas que já existiam”, reforça Tiago Mota Saraiva, notando que até as pessoas sem casa própria perceberam que não conseguiam “fazer o confinamento porque não tinha condições para estar em casa”.

O arquitecto destaca que “o problema da habitação tem de ter uma resposta pública e que já está anunciada através da criação de bolsas de imóveis por parte da Secretaria de Estado, mas que é insuficiente”.

“Há uma disposição para aumentar significativamente a oferta pública, mas estamos com níveis muito baixos, continuamos com 2% da oferta de habitação pública a nível nacional”, lamenta ainda.

“O problema da habitação resolve-se com cooperativas ou com fundos de terras comunitárias”, diz também o arquitecto, dando o exemplo de outras cidades europeias.

O programa Bairros Saudáveis vai estar em vigor até Dezembro de 2021 e pretende actuar em bairros mais vulneráveis, tendo por objectivo “criar parcerias de base local, em que haja a identificação de um problema, ou seja, um diagnóstico, e que as próprias entidades, de base local, as pessoas, se organizem para o resolver”, como explica Tiago Mota Saraiva ao Contacto, jornal de Língua Portuguesa no Luxemburgo.

“O programa financia projetos até 50 mil euros, tem uma dotação orçamental de 10 milhões de euros e destina-se a todo o país”, acrescenta ainda o arquitecto.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Será?
    Se os fundos compram tudo, porque é que há milhares de casas à venda, que se arrastam largos meses em anúncios, mas que ninguém compra? Quem pesquisa um pouco na internet verifica que a esmagadora maioria dos imóveis que vê à venda são os mesmos que via há mais de um ano.
    Pois eu digo que o preço das casas já baixou muito e irá baixar muito mais.
    Quando as transacções baixaram tanto, não podemos dizer que o preço dos imóveis é o preço dos poucos que se venderam. O preço dos imóveis (aquele que o mercado está disposto a pagar) é o preço que os imóveis teriam de ter para serem vendidos, pelo menos para se recuperar o número de vendas do passado.
    Neste momento, a maioria dos portugueses, mesmo que queira, não consegue comprar casa aos preços praticados. O vendedor até pode ser muito convincente e o banco até pode emprestar, mas simplesmente não há dinheiro suficiente, e por isso não há alternativa à redução do preço das casas.
    Os preços foram inflacionados numa lógica especulativa (onde imobiliárias, banco e a ganância das pessoa são os principais impulsionadores). Os preços estão muito acima da qualidade que os imóveis apresentam.

RESPONDER

Académicos sul-africanos querem diminuir o brilho do Sol

Um grupo de cientistas e académicos sul-africanos considera diminuir o brilho do Sol para evitar uma seca devastadora na Cidade do Cabo, de acordo com um novo estudo científico recentemente publicado. Os especialistas pretendem lançar …

O Universo está cheio de uma substância misteriosa: chama-se quintessência

Uma equipa internacional de cientistas sugere, num novo estudo, que a expansão acelerada do Universo pode ser causada por uma substância misteriosa chamada quintessência. Os cientistas acreditam que a expansão do Universo está relacionada com a …

Entrevista: "Demorei 2 anos a aperfeiçoar o meu passe; os miúdos de Timor já jogam lindamente!"

Sara Moreira Silva é a líder da primeira escola de voleibol em Timor-Leste, que vai arrancar em janeiro de 2021. Fica aqui a perspetiva de uma portuguesa que vê muito talento entre os timorenses...que não …

O edifício mais antigo do mundo ainda em funcionamento "mora" em Roma

O Panteão de Roma, o edifício mais antigo desta cidade italiana, continua a ser utilizado nos dias de hoje, cerca de 2.000 anos depois da sua construção. Edificado em meados de 125 a.C sob a …

Da cabeça de javali à perdiz. Historiadores e chefs ensinam a cozinhar pratos medievais

Uma equipa de historiadores e grandes chefs reuniu-se para oferecer um curso online para ensinar os alunos a criar banquetes medievais. Professores da Universidade de Durham e chefs do restaurante Blackfriars criaram o Eat Medieval, que …

The Climate Store. Os preços desta loja sueca variam conforme a pegada ecológica

Os rótulos dos alimentos já indicam o quão bom ou mau um produto é para a nossa saúde, mas e o planeta? Um número crescente de marcas está agora a rotular os seus produtos para …

A cidade-irmã mais famosa de Petra abre finalmente ao público. "Esconde" túmulos amaldiçoados

A cidade de Hegra, localizada nos desertos a norte de Al Ula, no noroeste da Arábia Saudita, vai pela primeira vez abrir ao público, podendo os visitantes explorar agora este local antigo sem quaisquer restrições. …

Falha no Microsoft Excel pode ter levado a mais de 1.500 mortes no Reino Unido

Um erro no Microsoft Excel que eliminou quase 16 mil casos de covid-19 das estatísticas do Reino Unido pode ter levado a mais de 1.500 mortes evitáveis, de acordo com um artigo da Warwick University. Os …

Pessoas com bons hábitos de sono têm menor risco de insuficiência cardíaca

Os padrões de sono saudáveis ​​incluem acordar de manhã cedo, dormir 7 a 8 horas por noite e não ter insónias ou sonolência diurna excessiva. Esta pode ser a receita secreta para evitar insuficiência cardíaca, …

Marcelo quer regras do Natal na próxima semana. E lembra que não há lugar para uma crise política

O Presidente da República defendeu, esta sexta-feira, que as medidas para o fim-de-semana do Natal devem ser conhecidas já na próxima semana. E congratulou-se com o facto de já haver um Orçamento aprovado. Em resposta às questões …