Preços das casas não baixam porque há Fundos a comprar tudo

Apesar de estarmos em plena crise pandémica, os preços das casas não têm sofrido uma baixa significativa. Uma realidade que se pode explicar pelo interesse de alguns Fundos na aquisição de imóveis, com a perspectiva de os poder rentabilizar após o fim da pandemia.

Este cenário é traçado pelo arquitecto Tiago Mota Saraiva que é o coordenador do programa governamental Bairros Saudáveis que foi criado em Julho deste ano, no âmbito do combate à covid-19, para criar melhores condições de saúde e de vida em zonas de maiores dificuldades financeiras.

O Jornal de Negócios avança que os preços das casas aumentaram em quase todas as capitais de distrito, verificando-se uma “desaceleração dos valores” nas cidades mais caras como Porto e Lisboa.

Nesta altura, em tempos de grave crise económica provocada pela pandemia, seria de esperar que os preços tivessem caído mais, não só no caso das vendas, mas também nos arrendamentos.

Tiago Mota Saraiva repara, em entrevista ao jornal i, que se verifica “uma redução muito pouco significativa“, o que mantém vivo “o problema” do mercado da habitação que o arquitecto diz estar “a crescer numa nova forma”.

“Por um lado, percebemos que há gente aflita a colocar à venda os seus imóveis porque está com carências económicas. Por outro lado, também sabemos que há um conjunto de entidades, nomeadamente fundos imobiliários, que continuam a operar e a acumular“, destaca Tiago Mota Saraiva.

O coordenador do Bairros Saudáveis vinca que o fenómeno “acontece sobretudo nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto, mas também noutros territórios com potencial interesse turístico, na expectativa que é aguentar este período até haver vacina, porque têm a noção que, depois, vai voltar tudo ao mesmo“.

“Problema da habitação resolve-se com cooperativas”

O arquitecto acrescenta que a pandemia “fez com que a bomba-relógio [do mercado da habitação] fosse rebentando aos poucos”, continuando a haver escassez de imóveis para arrendar ou para vender a preços mais acessíveis.

“A pandemia veio pôr a nu os problemas que já existiam”, reforça Tiago Mota Saraiva, notando que até as pessoas sem casa própria perceberam que não conseguiam “fazer o confinamento porque não tinha condições para estar em casa”.

O arquitecto destaca que “o problema da habitação tem de ter uma resposta pública e que já está anunciada através da criação de bolsas de imóveis por parte da Secretaria de Estado, mas que é insuficiente”.

“Há uma disposição para aumentar significativamente a oferta pública, mas estamos com níveis muito baixos, continuamos com 2% da oferta de habitação pública a nível nacional”, lamenta ainda.

“O problema da habitação resolve-se com cooperativas ou com fundos de terras comunitárias”, diz também o arquitecto, dando o exemplo de outras cidades europeias.

O programa Bairros Saudáveis vai estar em vigor até Dezembro de 2021 e pretende actuar em bairros mais vulneráveis, tendo por objectivo “criar parcerias de base local, em que haja a identificação de um problema, ou seja, um diagnóstico, e que as próprias entidades, de base local, as pessoas, se organizem para o resolver”, como explica Tiago Mota Saraiva ao Contacto, jornal de Língua Portuguesa no Luxemburgo.

“O programa financia projetos até 50 mil euros, tem uma dotação orçamental de 10 milhões de euros e destina-se a todo o país”, acrescenta ainda o arquitecto.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Será?
    Se os fundos compram tudo, porque é que há milhares de casas à venda, que se arrastam largos meses em anúncios, mas que ninguém compra? Quem pesquisa um pouco na internet verifica que a esmagadora maioria dos imóveis que vê à venda são os mesmos que via há mais de um ano.
    Pois eu digo que o preço das casas já baixou muito e irá baixar muito mais.
    Quando as transacções baixaram tanto, não podemos dizer que o preço dos imóveis é o preço dos poucos que se venderam. O preço dos imóveis (aquele que o mercado está disposto a pagar) é o preço que os imóveis teriam de ter para serem vendidos, pelo menos para se recuperar o número de vendas do passado.
    Neste momento, a maioria dos portugueses, mesmo que queira, não consegue comprar casa aos preços praticados. O vendedor até pode ser muito convincente e o banco até pode emprestar, mas simplesmente não há dinheiro suficiente, e por isso não há alternativa à redução do preço das casas.
    Os preços foram inflacionados numa lógica especulativa (onde imobiliárias, banco e a ganância das pessoa são os principais impulsionadores). Os preços estão muito acima da qualidade que os imóveis apresentam.

RESPONDER

Os polegares dos neandertais adaptaram-se a ferramentas com pega

Os polegares dos neandertais adaptaram-se para segurar melhor ferramentas com pega, da mesma forma como utilizamos atualmente um martelo, revela uma nova investigação da Universidade de Kent, no Reino Unido. A mesma investigação sugere ainda …

Sporting 2-1 Moreirense | JackPote rende pontos ao “leão”

O “Leão” soma e segue na liderança do campeonato, depois de vencer o Moreirense por 2-1, graças a um bis Pedro Gonçalves. Neste sábado, na recepção ao Moreirense, num embate relativo à oitava jornada, sofreu, mas conseguiu …

Raro crustáceo parasita descoberto na boca de um tubarão em exibição num museu

Uma equipa de cientistas descobriu uma espécie extremamente rara de Cymothoidae na boca de um espécime de tubarão capturado no Mar da China Oriental e agora em exibição num museu. Os Cymothoidae são uma família de isópodes …

Série da Netflix faz disparar venda de jogos de xadrez nos Estados Unidos

A série "The Queen’s Gambit", da plataforma de streaming Netflix, que retrata a ascensão de uma jovem jogadora de xadrez na década de 1950, fez disparar as vendas deste jogo de tabuleiro nos Estados Unidos. …

Novo comité central do PCP eleito com 98,5%

O novo comité central do PCP foi este domingo eleito no XXI congresso nacional dos comunistas, em Loures, com 98,5% dos votos. Dos 611 delegados, 602 votaram a favor, seis abstiveram-se e três votaram contra na …

Elefante salvo de um poço profundo na Índia. Resgate durou 14 horas

Uma equipa de 50 pessoas ajudou a salvar um elefante que tinha caído num poço profundo em Dharmapuri, no sul da Índia. Moradores locais atiraram folhas de bananeira para o animal comer antes de ser …

Santa Clara 0-1 Porto | Magia de Díaz resolve jogo pobre

Missão cumprida. O Porto viajou até aos Açores para defrontar o Santa Clara e leva na bagagem os três pontos. Mas não o conseguiu com brilhantismo, longe disso. A eficácia foi a palavra de ordem, num …

Raro pinguim totalmente branco encontrado nas Ilhas Galápagos

Um raro pinguim com o corpo totalmente "pintado" de branco foi encontrado no arquipélago das Galápagos, no Equador. Em comunicado, o Parque Nacional das Galápagos detalha que o raro espécime foi encontrado enquanto um guia fazia …

A China tem 8 milhões de cegos, mas apenas 200 cães-guia. Há uma razão

A China tem 8 milhões de cegos, mas apenas 200 cães-guia. As cidades populosas, as vias não adaptadas, as poucas escolas de treino e a própria população são entraves à existência destes companheiros (e verdadeiros …

Governo das Ilhas Salomão quer banir o Facebook para preservar a União Nacional

O Governo das lhas Salomão quer banir temporariamente a rede social Facebook numa tentativa de combater o cyberbullying e a difamação, alegando que a plataforma está a "minar" a União Nacional. A decisão, que já …