Portugueses na Escócia divididos entre a razão e o coração

SammCox / Flickr

-

Tal como os escoceses, também vários portugueses residentes na Escócia estão divididos “entre a razão e o coração” quanto ao referendo sobre a independência, mas poucos pretendem votar na quinta-feira.

“Com o coração voto ‘sim’, mas a razão diz-me para votar ‘não'”, referiu à agência Lusa Jorge Sousa, empresário de construção civil e da restauração em Edimburgo.

O voto no referendo, em que será colocada a pergunta “Deve a Escócia ser um país independente?“, está aberto não apenas aos escoceses, mas também aos residentes estrangeiros de nacionalidade europeia ou da Commonwealth.

Proprietário do restaurante Tugas Amor, em Edimburgo, Jorge Sousa justificou que gostava que o país onde se instalou há 15 anos, depois de passagens pela Alemanha e Áustria, fosse independente e até está convencido de que os imigrantes portugueses sairiam a ganhar, mas está mais inclinado a votar “não”.

“É mais seguro porque, como está, nada está mal: não há falta de trabalho e há dinheiro. Se mudar, há receios sobre a economia e sobre como vão funcionar as fronteiras. Eu estou a pensar em abrir um segundo restaurante, mas estou à espera do resultado”, confessou este lisboeta.

Também registado para votar, Luís Gomes, professor universitário em Glasgow, revê-se no mesmo dilema, disse à Lusa: “Dá vontade de reagir contra todos os sustos e o fim do mundo que os ingleses estão a dizer que vai acontecer e criar um país novo, sem guerra, de forma simples e civilizada”.

Mas uma “incerteza abstrata” sobre o futuro tem atrasado a decisão sobre como votará na quinta-feira pois, vincou, “não há factos certos” sobre o que acontecerá após 18 de setembro.

“Não votar também é um direito”

O facto de a mulher de Luís Gomes ser escocesa e defender a independência não é determinante, tal como no caso de Madalena Moreira, que se mudou para Edimburgo há 14 meses com o namorado escocês.

“Ele vai votar “sim”, mas eu decidi não votar porque estou cá há apenas um ano e esta é uma decisão importante. Não votar também é um direito“, reivindicou esta portuense, enóloga de formação.

Mesmo invocando a necessidade de refletir, Madalena disse acreditar que “o sim seria positivo para a Escócia”, apesar da incerteza que rodeia este cenário.

Como país, só tem a ganhar se sair do Reino Unido. Tem potencial para atrair investimento, tem petróleo, tem paisagem. Tem tudo para ser um país muito rico”, garantiu.

João Porfírio, engenheiro civil natural de Lisboa, concorda com a imagem de que “a maior parte de quem vota ‘sim’ está a usar mais o coração do que a cabeça“, embora defenda uma maior autonomia para a Escócia.

No seu caso, optou por não votar, e explicou: “Acho que não tenho nada a ver com isto, mas, se pensasse que ia cá viver o resto da vida, votaria ‘não’. Acho que o Reino Unido, com uma distribuição justa de poderes, pode ser mais forte”.

Igualmente há cerca de um ano na Escócia, Hugo Sousa, comissário de bordo numa companhia aérea, secundou as opiniões do amigo João Porfírio, e optou por não votar “para não prejudicar”.

Porém, resumiu o sentimento positivo dos cinco portugueses que falaram à Lusa: “Qualquer que seja o resultado, desejo que se deem bem e a Escócia seja um país próspero economicamente”.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Covid-19 já matou mais no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães da II Guerra

A pandemia de covid-19 já matou mais pessoas no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães durante a II Guerra Mundial. O novo coronavírus oriundo da China já matou cerca de 50.000 pessoas em território …

Estudo mostra que os cães querem mesmo resgatar os seus donos do perigo

Um novo estudo mostra que os nossos amigos de quatro patas querem realmente salvar-nos em momentos de aflição, mas desde que saibam como o fazer. De acordo com o site Science Alert, os investigadores reuniram 60 cães …

Derek Chauvin foi detido, mas os precedentes mostram que o polícia pode sair impune

Derek Chauvin, o polícia responsável pela morte de George Floyd, foi detido e aguarda a sua primeira audiência. No entanto, há precedentes que sugerem que o agente pode sair impune. Derek Chauvin tem a sua primeira …

Cientistas encontram dois fragmentos do meteorito de Barcelona

Cientistas espanhóis encontraram dois pequenos fragmentos do chamado meteorito de Barcelona, que caiu, há mais de 300 anos, no dia de Natal. No dia 25 de dezembro de 1704, um meteorito rasgou os céus e caiu …

"Pressionaram-me para o denunciar". Higuita recorda amizade com Escobar

A relação de amizade entre René Higuita e Pablo Escobar levou a que o ex-futebolista fosse seguido pelas autoridades. A polícia chegou a pressioná-lo para denunciar Escobar. O antigo internacional colombiano René Higuita é provavelmente uma …

George Floyd. Portugal junta-se às manifestações mundiais contra o racismo

Cinco cidades portuguesas juntam-se hoje à campanha de solidariedade mundial contra o racismo, associando-se à luta pela dignidade humana na sequência da morte, a 25 de maio, do afro-americano George Floyd, sob custódia da polícia …

Covid-19. México investiga mercado negro de atestados de óbito falsos

As autoridades da Cidade do México anunciaram que estão a investigar um suposto mercado negro de atestados de óbito relacionado com a covid-19, no dia em que o país registou 625 mortes nas últimas 24 …

Astrónomos descobrem "réplica" do Sol e da Terra a três mil anos-luz

O que diferencia esta descoberta de outros exoplanetas parecidos com a Terra é que a sua estrela tem uma semelhança impressionante com o nosso Sol. Entre os dados da missão Kepler, uma equipa de investigadores identificou …

Sem romarias e festas, milhares de famílias estão a entrar em falência

Milhares de famílias cujo rendimento depende das romarias e festas populares estão a atravessar sérias dificuldades económicas. Os prejuízos ultrapassam os 50 milhões de euros. A suspensão das festas populares e romarias religiosas em todo o …

Corpo de Maria Velho da Costa ficou 11 dias na morgue. Filho critica MP e fala em "massacre psicológico"

Os restos mortais da escritora Maria Velho da Costa, que faleceu a 23 de Maio, ficaram no Instituto de Medicina Legal, em Lisboa, durante 11 dias, sem que a família tivesse conhecimento de que já …