Portugal é dos países da UE que mais progrediram na igualdade de género

Portugal está a progredir para uma plena igualdade de género mais rapidamente do que a média da União Europeia, revela o Instituto Europeu para a Igualdade de Género, que coloca o país em 16.º posição, mais sete do que em 2005.

De acordo com os dados do mais recente Índice sobre Igualdade de Género, relativo ao ano de 2017, Portugal obtém, no global, 59,9 pontos de cem possíveis, mais dez pontos do que em 2005 e mais 3,9 do que em 2015, o que o coloca em 16.º lugar em 28 países da União Europeia (UE).

E, apesar de o total de pontos para Portugal estar 7,5 pontos abaixo da média europeia (67,4), o Instituto Europeu para a Igualdade de Género (EIGE) diz que o país tem estado desde 2005 a evoluir a um ritmo mais acelerado do que a média da União Europeia.

Ainda assim, as classificações de Portugal nas seis áreas avaliadas (trabalho, dinheiro, conhecimento, tempo, poder e saúde) ficam sempre abaixo da média europeia, e o país mostra desigualdades mais acentuadas relativamente ao poder, contrariamente à área da saúde, onde obtém a classificação mais elevada.

No entanto, é na área do poder que a evolução entre 2005 e 2017 foi mais acentuada, alcançando 46,7 pontos, mais 24,5 pontos do que em 2005 e mais 12,8 pontos do que em 2015. De acordo com o EIGE, esta área evoluiu quase o dobro da média da União Europeia, que entre 2005 e 2017 conquistou mais 13 pontos.

“Portugal introduziu uma quota para candidatos legislativos de 33% em 2006, e a percentagem de mulheres no Parlamento aumentou de 20% no início de 2005 para 36% em 2015. A fatia de mulheres ministras aumentou de 14% para 35% entre 2005 e 2018 e a fatia de mulheres deputadas também cresceu, de 24% para 36% no mesmo período. As mulheres representam 24% dos membros das assembleias regionais”, lê-se no relatório.

Para o EIGE, Portugal fez também progressos em matéria de poder económico e dá como exemplo o facto de na administração do Banco de Portugal a percentagem de mulheres ter subido de 0% para 33% entre 2005 e 2018.

Olhando para a área da saúde, onde Portugal obtém a classificação mais elevada entre as seis áreas, com 84,5 pontos, o instituto europeu diz que aqui não houve alterações significativas desde 2005, registando-se apenas mais 0,9 pontos do que em 2015.

De acordo com o EIGE, a satisfação em relação à saúde aumenta segundo o nível de educação de cada pessoa e diminui em proporção à idade, destacando que Portugal tem o terceiro nível mais baixo de satisfação com a saúde na União Europeia.

“A desigualdade de género — em detrimento das mulheres — é muito maior entre os que têm um baixo nível de educação, pais solteiros ou pessoas que vivem sozinhas”, refere o EIGE.

Abaixo da saúde vem o trabalho, com 72,5 pontos, com referência para o facto de a taxa de emprego entre a faixa etária 20-64 anos ser de 72% nas mulheres e 79% nos homens, com uma taxa global de 75%.

Destaca também, e aponta como um problema, a concentração desigual de mulheres e homens em diferentes setores de atividades, com 29% de mulheres a trabalhar na área da educação, saúde ou trabalho social em comparação com apenas 7% de homens, que, por sua vez, representam 31% dos trabalhadores nas áreas da ciência, tecnologia, engenharia e matemáticas, contra 9% de mulheres.

Com 72,1 pontos surge a área do dinheiro, com mais 1,2 pontos do que em 2015, sendo que aqui o EIGE ressalva que a desigualdade entre homens e mulheres cresceu entre 2006 e 2014 e que teve como resultado as mulheres ganharem 16% menos do que os homens.

“Nos casais com e sem crianças, as mulheres ganham menos um quarto do que os homens”, lê-se no relatório, que sublinha que o risco de pobreza manteve-se inalterado desde 2005.

Na área do conhecimento, Portugal classifica-se em 23.º lugar entre os 28 países da UE, mas “melhorou significativamente nos subdomínios da realização e da participação”, destacando que a percentagem de mulheres licenciadas com mais de 65 anos aumentou de 11% para 21% entre 2005 e 2017.

O relatório destaca ainda que a violência contra as mulheres é uma consequência e uma causa de persistentes desigualdades de género em todas as áreas descritas e o EIGE estima que entre 5% a 23% das 5.835 raparigas migrantes que vivem em Portugal estejam em risco de serem excisadas. Por outro lado, houve registo de 58 mulheres vítimas de tráfico de seres humanos.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Anunciada criação da Superliga Europeia. UEFA entra em guerra aberta e ameaça banir clubes

Doze clubes anunciaram, este domingo, a criação da Superliga Europeia. O FC Porto pode ser uma das equipas convidadas. A UEFA ameaça banir clubes das competições nacionais e internacionais. Depois de muita especulação, doze clubes anunciaram …

Luz solar pode neutralizar o SARS-CoV-2 oito vezes mais rápido do que se pensava

Uma nova investigação sugere que a luz solar pode inativar o SARS-CoV-2 oito vezes mais rápido do que se pensava anteriormente. Uma equipa de cientistas internacional - composta por investigadores da UC Santa Barbara, da Oregon …

Restaurantes, centros comerciais e cinemas perdem acesso ao lay-off

Esta segunda-feira, Portugal dá mais um passo no desconfinamento. Restaurantes, cafés, centros comerciais e cinemas perdem acesso ao lay-off simplificado. Restaurantes, centros comerciais, cafés, lojas, cinemas e teatros deixam de estar submetidos ao dever de encerramento …

CDS quer forçar reestruturação do SEF a passar pelo Parlamento

O CDS-PP defende que a reestruturação dos Serviços de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) tem de passar pela Assembleia da República e não pode ser concretizada através de legislação aprovada pelo Governo. Em causa está a extinção …

Portugal avança para 3.ª fase do desconfinamento. Todos os alunos regressam ao regime presencial

Esta segunda-feira, a generalidade do país avança para a terceira fase do processo de desconfinamento. A última fase acontece daqui a duas semanas, a 3 de maio. Na generalidade do território nacional vai ser possível, a …

Tal como os humanos, leões também são contagiados pelos bocejos

Uma equipa de cientistas descobriu que tal como nós, humanos, os leões também são sensíveis ao contágio dos bocejos. Tal como explica a revista Newsweek, a ciência tem várias explicações para o porquê de bocejarmos, podendo …

Joana Mortágua volta a ser candidata do Bloco de Esquerda à Câmara de Almada

A deputada Joana Mortágua é a candidata do Bloco de Esquerda (BE) à presidência da Câmara Municipal de Almada nas próximas eleições autárquicas, onde é vereadora desde 2017, adiantou este domingo à Lusa fonte do …

Foram administradas 183 mil vacinas durante o fim de semana

O primeiro-ministro anunciou, no Twitter, que foram administradas 183 mil vacinas este fim de semana. António Costa acredita que, até ao final deste mês, toda a população com mais de 70 anos pode estar vacinada. Este …

Cientistas criam ondas de luz que atravessam materiais opacos

Uma equipa de cientistas descobriu que é possível criar feixes de luz "indestrutíveis" que praticamente não se alteram quando atravessam um meio. Só se tornam fracos. Cientistas da Universidade de Utrecht, nos Países Baixos, e da …

Se o Planeta 9 existir, pode não estar onde pensamos

Uma equipa de astrónomos conseguiu obter novas informações sobre o Planeta 9 que podem significar que a sua órbita é muito mais elíptica do que o previsto. Konstantin Batygin e Michael Brown, do California Institute of …