Portugal alargou a escolaridade obrigatória para 6 anos há meio século

Wilson Dias / ABr

-

Portugal aprovou há 50 anos o alargamento da escolaridade obrigatória para seis anos, mas no acesso ao liceu continuou a ser privilegiada a elite que seguiria para o Ensino Superior e, no campo, vingava ainda o trabalho infantil.

Na data em que se assinala meio século sobre a passagem da escolaridade obrigatória de quatro para seis anos, a investigadora Maria Cândida Proença recordou à Lusa as contradições de um regime forçado a responder a uma “pressão social sobre a escola” e mais preocupado com a “imagem para o exterior” do que com a escolarização da população.

“Os níveis de analfabetismo eram muito elevados ainda. Nos rapazes andava perto dos 27% e nas raparigas dos 40%”, afirmou a especialista em História da Educação.

Por decreto de 9 de julho de 1964, fixaram-se seis anos para a escolaridade obrigatória, mas esta podia ser cumprida através de várias modalidades, nomeadamente o ensino técnico. Só mais tarde seria criado o ciclo preparatório unificado, igual para todas as crianças.

Com o período de crescimento que se seguiu à II Guerra Mundial e que em Portugal se sentiu mais no final dos anos 50 – início da década de 60, verificou-se “uma grande pressão” sobre a escola, notou a investigadora.

O aumento da escolaridade por parte do regime terá sido “para dar uma resposta mais por pressão social do que propriamente porque fosse muito a vontade deles”, defendeu.

“Além disso, também porque internacionalmente estávamos mal vistos, uma vez que todos os países estavam a aumentar a escolaridade e nós ainda estávamos nos quatros anos”, indicou.

Primeiro os rapazes

No Estado Novo, só era obrigatória a 3ª classe. Em 1956, tornaram-se obrigatórios os quatro anos de escolaridade apenas para os rapazes e só depois para as raparigas, em 1960, assinalou a investigadora do Instituto de História Contemporânea.

A partir do início da década de 60, a procura pelo ensino cresceu de uma forma que levou à instalação de pavilhões pré-fabricados nas escolas.

Surgem inovações, como a criação do Ciclo Preparatório unificado, legislado em 1967. Até então, os seis anos de escolaridade podiam cumprir-se por vários modos: ou pela 5ª e 6ª classe do ensino primário, ou pelo ensino técnico ou ainda através da telescola.

Com a criação do ciclo unificado começa a chegar uma maior democraticidade ao ensino: “vem realmente acabar com aquela separação que se verificava na 4ª classe, logo aos 10 anos, entre os alunos que iam para o ensino técnico e os que iam para o liceu, sendo que dificultavam sempre mais a entrada para o liceu, que estava mais reservado para uma elite que seguiria depois para o ensino superior e o ensino técnico estava mais vocacionado para os operários”.

Vida nas cidades incentiva estudos

A população do interior continuava “a considerar prejudicial” ter de enviar as crianças para a escola durante seis anos, porque persistia a ideia de que “não servia para nada e precisavam era de trabalhar e ganhar a vida” relata a investigadora, recordando que não foi fácil consolidar a nova escolaridade obrigatória. “Punham as crianças a trabalhar muito cedo”.

A vaga de migração para as cidades acabou por ser determinante, assume Maria Cândida Proença: “Abriram-se as mentalidades e as pessoas começaram a perceber que para conseguir um emprego precisavam de mais alguma habilitação”.

A televisão e a emigração também deram uma ajuda, uma vez que os portugueses começaram “a ver que existiam vidas diferentes das suas, que havia outras coisas”.

Começavam a surgir novos métodos de ensino também, mas o regime não mudava. “Há alguma vontade de inovar, mas os programas não mudavam. Há uma série de contradições, num país aferrolhado, controlado, ideologicamente”, observou a investigadora, sustentando: “Havia censura, os programas de História não mudavam, continuava a mesma história nacionalista, continuávamos a ter guerra em África e a ser profundamente colonialistas e a transmitir esse ideário”.

Passados 50 anos, o ensino em Portugal é obrigatório até aos 18 anos ou ao 12º de escolaridade, embora tenha regressado a vertente do ensino vocacional ou profissional, que divide opiniões entre os especialistas sobre a idade em que os alunos devem ou não ser encaminhados para essa via, a par do debate sobre a igualdade de oportunidades.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Profissionais do SNS já trabalharam oito milhões de horas extra no primeiro semestre

No primeiro semestre de 2020, contam-se mais 1,2 milhões de horas suplementares trabalhadas, sendo que só em maio a subida foi superior a 471 mil. Segundo o Jornal de Notícias, nos primeiros seis meses deste ano, …

Rui Moreira diz que não é possível prevenir festejos de adeptos do FC Porto

O presidente da Câmara Municipal do Porto disse, esta terça-feira, não ser possível tomar medidas de prevenção em relação a possíveis festejos de adeptos do FC Porto pela conquista do título, pedindo apenas que se …

Mulher assintomática provoca surto de 71 infetados na China. Bastou entrar sozinha num elevador

A passagem de uma mulher infetada com covid-19, mas assintomática, por um elevador de um edifício habitacional na China deu origem a um surto de 71 contagiados. De acordo com o estudo publicado pelo Centro de …

Detido em França um dos pedófilos da "darknet" mais procurados do mundo

A polícia francesa prendeu um suspeito de gerir portais na "darknet" que permitiram a "milhares de internautas de todo o mundo ter acesso a fotografias ou vídeos de caráter pedopornográfico", anunciou, esta segunda-feira, o Ministério …

Mais seis mortes e 233 novos casos de covid-19 em Portugal

Portugal regista, esta terça-feira, mais seis mortes e 233 novos casos de infeção por covid-19 em relação a segunda-feira. Segundo o boletim diário da Direção-Geral de Saúde (DGS), dos 233 novos casos, 143 são na região …

Itália restitui a França obra de Banksy roubada do Bataclan

Itália anunciou, esta terça-feira, que vai devolver a França uma obra atribuída a Banksy, uma homenagem às vítimas dos ataques terroristas em Paris, em 2015, roubada em 2019 e encontrada numa quinta perto de Roma. Antes, …

Há corais vermelhos na costa algarvia (e vai haver multas para quem os apanhar)

Os corais vermelhos da costa portuguesa vão passar a estar protegidos por legislação pesqueira e ambiental que está a ser preparada pelo governo e coimas elevadas, anunciou o ministro do Mar. O ministro do Mar, Ricardo …

Vieira e SAD arguidos. CMVM suspende ações do Benfica

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) suspendeu, esta terça-feira, as negociações de ações da Benfica SAD, pouco tempo depois de ter sido confirmada a existência de três arguidos por fraude fiscal, na sequência …

Comissão Europeia planeia reduzir capacidade das multinacionais em explorar sistemas fiscais

A Comissão Europeia está a estudar formas de acionar partes de tratados europeus para reduzir a capacidade das multinacionais em explorar os sistemas fiscais de alguns países da União Europeia (UE), identificando-os como distorções do …

Governo britânico decide banir Huawei da rede de telemóvel 5G

As operadoras de telemóvel britânicas vão ter de remover todo o equipamento da empresa chinesa Huawei usado na infraestrutura de telecomunicações 5G até ao final de 2027. A decisão foi tomada, esta terça-feira, numa reunião do …