A cor azul é a mais rara na natureza. Cientistas já sabem porquê

xulescu_g / Flickr

Centaurea cyanus

O azul é a cor mais rara na natureza. Agora, uma equipa de cientistas descobriu que a razão por trás disso se prende com a química e a física.

Tendo em conta o imenso céu azul ou o interminável oceano azul, pode-se pensar que a cor azul é comum na natureza. Mas é a mais escassa.

De todas as tonalidades encontradas nas rochas, plantas e flores, penas e escamas de animais, o azul é a cor mais difícil de encontrar.

Mas porque é que a cor azul é tão rara? A resposta está ligada com a química e a física de como as cores são produzidas — e de como as vemos.

Os seres humanos apenas detetam a cor azul porque cada um dos nossos olhos contém entre 6 a 7 milhões de células sensíveis à luz chamadas cones.

Nos olhos de cada pessoa com uma visão de cor dita normal existem três tipos diferentes de cones — e cada tipo é mais sensível a um determinado comprimento de onda de luz: vermelho, verde ou azul.

A informação de milhões de cones chega ao nosso cérebro através de sinais elétricos que comunicam todos os tipos de luz que são refletidos pelas coisas que estamos a ver, o que é então interpretado como diferentes tonalidades de cor.

Quando olhamos para um objeto colorido, como uma safira cintilante, “o objeto está a absorver alguma da luz branca que cai sobre si. Como absorve alguma dessa luz, o resto da luz que é refletida tem uma cor“, explica o escritor científico Kai Kupferschmidt, autor de “Blue: In Search of Nature’s Rarest Color”, em declarações ao Live Science.

“Quando se vê uma flor azul — por exemplo, uma centáurea — vê-se a cor azul porque a flor absorve a parte vermelha do espetro”, continuou Kupferschmidt.

Isto significa que a flor é azul porque essa cor é a parte do espetro que rejeitou.

No espectro visível, o vermelho tem longos comprimentos de onda, ou seja, tem muito pouca energia em comparação com outras cores. Para uma flor parecer azul, “precisa de ser capaz de produzir uma molécula que possa absorver quantidades muito pequenas de energia“, para absorver a parte vermelha do espetro, disse ainda Kupferschmidt.

Gerar tais moléculas — que são grandes e complexas — é difícil para as plantas, razão pela qual as flores azuis são produzidas por menos de 10% das quase 300 mil espécies de plantas com flor no mundo.

Um possível motor da evolução das flores azuis é que o azul é altamente visível para polinizadores como as abelhas, e a produção de flores azuis pode beneficiar plantas em ecossistemas onde a competição por polinizadores é elevada, disse Adrian Dyer, professor associado e cientista no Royal Melbourne Institute of Technology em Melbourne, na Austrália, à ABC.

Quanto aos minerais, as suas estruturas cristalinas interagem com os iões para determinar que partes do espectro são absorvidas e quais são refletidas.

A lazulita, que é extraída no Afeganistão e produz o raro pigmento azul ultramarino, contém iões trissulfuretos — três átomos de enxofre unidos dentro de uma malha de cristal — que podem libertar ou ligar um único eletrão.

“Essa diferença energética é o que faz o azul”, disse Kupferschmidt.

As cores dos animais azuis não provêm de pigmentos químicos — dependem da física para criar uma aparência azul.

As borboletas de asas azuis do género Morpho têm nanoestruturas intrincadas e em camadas nas suas escamas de asas que manipulam camadas de luz, de modo a que algumas cores se anulem mutuamente e apenas o azul seja refletido.

O mesmo acontece em estruturas encontradas nas penas de gaios azuis (Cyanocitta cristata), nas escamas de tangs azuis (Paracanthurus hepatus) e nos anéis cintilantes de polvos venenosos de anéis azuis (Hapalochlaena maculosa).

As tonalidades azuis nos mamíferos são ainda mais raras do que nas aves, peixes, répteis e insetos. Apesar de algumas baleias e golfinhos terem pele azulada, os macacos de nariz dourado (Rhinopithecus roxellana) terem faces de pele azul e os mandrilos (Mandrillus sphinx) terem faces azuis e extremidades traseiras azuis, o pêlo — uma característica partilhada pela maioria dos mamíferos terrestres — nunca é azul. Pelo menos, não à luz visível.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Percebeste mal:
    No espectro visível, o vermelho tem longos comprimentos de onda, ou seja, tem muito pouca energia em comparação com outras cores. (…) Gerar tais moléculas — que são grandes e complexas — é difícil para as plantas…
    Portanto o vermelho é uma espécie de preguiça da natureza, por isso é que é mais comum 🙂

RESPONDER

Portugal regista 677 novos casos de covid-19 e cinco mortes

Portugal registou, este domingo, 677 novos casos e cinco mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, Portugal …

Estudo mostra como diferentes espécies de polvos coexistem no mesmo ambiente

Existem mais de 300 espécies de polvos a viver em diversos habitats que abrangem recifes de coral, leitos de ervas marinhas, planícies de areia e regiões de gelo polar. Mas de que forma cefalópodes tão …

As máquinas estão "muito longe" de serem mais inteligentes (mas muito perto de agir como pessoas)

A especialista em inteligência artificial Daniela Braga considera que as máquinas estão "muito longe" de substituírem totalmente os humanos ou serem mais inteligentes, mas estão "muito perto" de interagirem como as pessoas. "Acho que estamos muito …

Secreto e lucrativo, o mercado de venda de "fezes de cachalote" pode também ser violento

O âmbar cinza é altamente raro, mas também altamente valioso. Usada na indústria dos perfumes, o mercado deste material pode ser muito perigoso. Deixa na pele uma resina oleosa e tem um cheiro a tabaco, madeira, …

Empresa norueguesa garante que pode "parar" furacões antes que estes se tornam destrutivos

Especialistas ambientais advertem que o sistema de "cortina de bolhas" proposto pela empresa pode provocar efeitos indesejados. A OceanTherm, uma startup norueguesa, assegura que a sua nova tecnologia pode evitar que as tempestades tropicais se tornem …

Afeganistão: Familiares consideram "insuficientes" pedido de desculpas dos EUA

Familiares dos civis afegãos mortos por "engano" durante um ataque de um avião não tripulado 'drone' norte-americano no final de agosto em Cabul consideraram este sábado "insuficiente" o pedido de desculpas de Washington, numa entrevista …

Descoberta de pegadas fossilizadas em Espanha revela a existência de um "berçário" de elefantes

Pegadas fossilizadas foram encontradas numa praia no sul da Espanha e mostram o que pode ter sido o berçário de uma espécie extinta de elefantes. O local costeiro, situado na região de Huelva, estava normalmente coberto …

Morreu aos 98 anos o historiador, sociólogo e crítico de arte José-Augusto França

O historiador, sociólogo e crítico de arte José-Augusto França morreu este sábado, aos 98 anos, na casa de saúde de Jarzé, perto da cidade francesa de Angers, disse à Lusa a pintora Emília Nadal, sua …

Ventura: "Não vejo outra possibilidade senão a ministra da Saúde ou pedir desculpa ou ser afastada"

O Chega vai questionar formalmente o Governo pelo “facto de a ministra da Saúde ter utilizado um carro do Estado” para ir a uma ação de campanha no Porto na sexta-feira, anunciou este sábado André …

Ouvir 30 segundos de uma sonata de Mozart pode reduzir ataques de epilepsia

Ouvir a Sonata para Dois Pianos em Ré Maior (K448), de Wolfgang Amadeus Mozart, durante pelo menos 30 segundos, ajuda a reduzir a atividade elétrica cerebral associada à epilepsia resistente a medicação. Os resultados também sugerem …