Populistas europeus que o apoiavam desvinculam-se agora de Trump

Chris Kleponis / EPA Pool

A derrota eleitoral de Donald Trump, a sua recusa em aceitá-la e a violência que se seguiu parecem ter prejudicado as perspetivas de líderes de europeus populistas, apoiantes do Presidente dos Estados Unidos (EUA).

“O que aconteceu no Capitólio após a derrota de Donald Trump é um mau presságio para os populistas”, disse ao New York Times Dominique Moïsi, analista do Institut Montaigne, com sede em Paris (França). “Isto diz duas coisas: se os elegemos, não deixam o poder com facilidade” e fazem o que puderem “para desencadear a ira popular”.

A invasão do Capitólio por apoiantes de Trump – marcada por tumultos, violência e morte – mostrou a países como a França, a Alemanha, a Itália, a Holanda e a Polónia que não devem subestimar a prevalência de teorias da conspiração em governos democráticos.

“É importante mostrar aonde leva o populismo e como este brinca com o fogo”, referiu a diretora do Open Society European Policy Institute, em Bruxelas (Alemanha), Heather Grabbe. “Quando os seus apoiantes são despertados com argumentos políticos sobre “nós contra eles”, o “eles” não são oponentes, mas inimigos que devem ser combatidos com todos os meios, o que leva à violência e torna impossível a concessão do poder”.

Após os eventos nos EUA, a francesa Marine Le Pen, líder no partido de extrema direita, recuou no apoio a Trump, afirmando que os tumultos deixaram-na “muito chocada” e condenando “qualquer ato violento que vise interromper o processo democrático”.

Em Itália, o líder populista do partido Liga, Matteo Salvini, afirmou: “A violência nunca é a solução”. Na Holanda, Geert Wilders, líder do partido de direita, criticou o ataque. Com eleições marcadas para março no país, escreveu no Twitter: “O resultado das eleições democráticas deve ser sempre respeitado, quer se ganhe ou perca”.

Para o diretor de estudos do European Policy Centre em Bruxelas, Janis A. Emmanouilidis, não havia uniformidade no populismo europeu. Os vários movimentos têm características diversas em diferentes países e os eventos externos são apenas um fator na sua popularidade variável.

“Agora, a questão mais urgente é a covid-19, mas não está claro como a política se sairá após a pandemia”, disse. “Mas o medo do pior ajuda a evitar o pior”, acrescentou.

A “incrível polarização da sociedade” e a violência em Washington “criam muita dissuasão noutras sociedades”, referiu Emmanouilidis. “Vemos aonde isso leva, queremos evitar, mas estamos cientes de que também podemos chegar a esse ponto, que as coisas podem piorar”, sublinhou.

Na Polónia, o governo tem sido pró-Trump e a televisão pública não reconheceu a sua derrota eleitoral, até que o próprio Presidente o fizesse, disse Radoslaw Sikorski, ex-ministro das Relações Externas e da Defesa, agora presidente da delegação do Parlamento Europeu para as relações com os EUA.

“Com a derrota de Trump, houve um som audível de deceção da direita populista na Europa Central”, indicou Sikorski. “Para eles, o mundo será um lugar mais solitário”.

O Presidente da Polónia, Andrzej Duda, classificou a rebelião no Capitólio como um assunto interno. “A Polónia acredita no poder da democracia norte-americana”, frisou.

Da mesma forma, o primeiro-ministro da Hungria, Victor Orban, apoiante de Trump, se recusou a comentar o motim. “Não devemos interferir no que está a acontecer na América, isso é assunto da América, estamos a torcer por eles e confiamos que conseguirão resolver os seus próprios problemas”, declarou a uma rádio estatal.

De acordo com o ex-ministro da Polónia, Wladyslaw Sikorski, a Europa precisa “acordar para os perigos da violência de extrema direita” e das teorias da conspiração. “Há muito mais violência de extrema direita do que violência jihadista. Não podemos presumir que esse tipo de loucura vá embora. A democracia liberal deve se defender”, rematou.

Como aconteceu com Le Pen, os líderes populistas italianos se sentiram “obrigados a cortar os seus laços com algumas formas de extremismo”, notou Enrico Letta, ex-primeiro-ministro de Itália. “Eles perderam a capacidade de preservar essa ambiguidade sobre os seus laços com extremistas”, indicou.

A derrota de Trump e as respostas violentas foram golpes consideráveis ​​para o populismo europeu. O desastre do coronavírus, acrescentou Enrico Letta, representou “a vingança da competência e do método científico” contra o obscurantismo e anti-elitismo do populismo, disse, observando que os problemas em torno do ‘Brexit’ também foram um golpe.

Já Moïsi vê uma analogia perigosa no que aconteceu no Capitólio, com tumultos o remeterem-no para o fracasso no Beer Hall Putsch, de Adolf Hitler, e ao início do Partido Nazi em Munique, em 1923. Esse esforço para derrubar o governo bávaro também foi ridicularizado, mas se tornou “o mito fundamental do regime nazi”, concluiu.

Taísa Pagno //

PARTILHAR

RESPONDER

Futebol europeu com perdas de quase 4 mil milhões de euros

Relatório da Deloitte indica que, só nas cinco maiores ligas europeias da modalidade, a quebra nas receitas foi de 11%. Calendários alterados, campeonatos adiados ou mesmo cancelados, jogos sem público. Como se esperava, a pandemia que …

O asteróide que dizimou os dinossauros veio de um lugar inesperado

O asteróide que extinguiu os dinossauros provavelmente veio da metade externa do cinturão de asteróides principal, uma região que se pensava produzir poucos asteróides.  Investigadores do Southwest Research Institute, no Texas, Estados Unidos, mostraram que os …

Há três anos, uma tempestade de poeira em Marte desencadeou a primavera no polo sul

Em 2018, Marte foi palco de uma fortíssima tempestade de areia que destruiu um vórtice de ar frio em torno do polo sul do planeta, desencadeando uma primavera precoce. Já no hemisfério norte, a tempestade …

Vídeo mostra salmões feridos devido ao sobreaquecimento das águas

O vídeo foi gravado por um grupo de conservação ambiental depois de uma onda de calor no Noroeste Pacífico que fez as temperaturas da água atingirem os 21 graus Celsius. De acordo com o jornal The …

Uma prenda de aniversário. Israelita doou um dos seus rins a um menino palestiniano

Uma israelita quis doar um rim a um estranho. Estranho esse que acabou por ser uma criança, de apenas três anos, que vive na Faixa de Gaza, na Palestina. De acordo com a agência Associated Press, …

Novo método permite eliminar a bioincrustação marinha eficazmente

Um projeto inovador demonstrou como os revestimentos de superfície eletricamente carregados podem eliminar a bioincrustação marinha ou o crescimento de organismos marinhos, melhorando a operação e manutenção de embarcações navais. A bioincrustação marinha é um fenómeno …

Aglomerado de safiras estrela encontrado no Sri Lanka pode ser o maior do mundo

Um aglomerado de safiras estrela do mundo foi encontrado num quintal no Sri Lanka. A pedra é azul, pesa 510 quilos e estima-se que valha cerca de 84 milhões de euros. A pedra foi encontrada …

Médico sírio acusado na Alemanha de crimes contra a humanidade

Um médico sírio foi acusado na Alemanha de crimes contra a humanidade por supostamente torturar e matar pessoas em hospitais militares no seu país de origem, informaram os promotores na quarta-feira. O Ministério Público Federal de …

Justiça climática. Vamos todos sofrer com as alterações climáticas, mas não de forma igual

A recente onda de calor na América do Norte é mais um exemplo de que apesar de ser um problema global, as alterações climáticas não vão afectar todos igualmente e podem exacerbar injustiças sociais e …

Os exemplos que Portugal deve seguir (e evitar) nas últimas etapas da pandemia

No plano apresentado pela equipa de Raquel Duarte comparam-se as estratégias opostas adotadas por Israel e Reino Unido, com a segunda a merecer nota negativa por parte dos investigadores. Os dados foram lançados na reunião que …