Populistas europeus que o apoiavam desvinculam-se agora de Trump

Chris Kleponis / EPA Pool

A derrota eleitoral de Donald Trump, a sua recusa em aceitá-la e a violência que se seguiu parecem ter prejudicado as perspetivas de líderes de europeus populistas, apoiantes do Presidente dos Estados Unidos (EUA).

“O que aconteceu no Capitólio após a derrota de Donald Trump é um mau presságio para os populistas”, disse ao New York Times Dominique Moïsi, analista do Institut Montaigne, com sede em Paris (França). “Isto diz duas coisas: se os elegemos, não deixam o poder com facilidade” e fazem o que puderem “para desencadear a ira popular”.

A invasão do Capitólio por apoiantes de Trump – marcada por tumultos, violência e morte – mostrou a países como a França, a Alemanha, a Itália, a Holanda e a Polónia que não devem subestimar a prevalência de teorias da conspiração em governos democráticos.

“É importante mostrar aonde leva o populismo e como este brinca com o fogo”, referiu a diretora do Open Society European Policy Institute, em Bruxelas (Alemanha), Heather Grabbe. “Quando os seus apoiantes são despertados com argumentos políticos sobre “nós contra eles”, o “eles” não são oponentes, mas inimigos que devem ser combatidos com todos os meios, o que leva à violência e torna impossível a concessão do poder”.

Após os eventos nos EUA, a francesa Marine Le Pen, líder no partido de extrema direita, recuou no apoio a Trump, afirmando que os tumultos deixaram-na “muito chocada” e condenando “qualquer ato violento que vise interromper o processo democrático”.

Em Itália, o líder populista do partido Liga, Matteo Salvini, afirmou: “A violência nunca é a solução”. Na Holanda, Geert Wilders, líder do partido de direita, criticou o ataque. Com eleições marcadas para março no país, escreveu no Twitter: “O resultado das eleições democráticas deve ser sempre respeitado, quer se ganhe ou perca”.

Para o diretor de estudos do European Policy Centre em Bruxelas, Janis A. Emmanouilidis, não havia uniformidade no populismo europeu. Os vários movimentos têm características diversas em diferentes países e os eventos externos são apenas um fator na sua popularidade variável.

“Agora, a questão mais urgente é a covid-19, mas não está claro como a política se sairá após a pandemia”, disse. “Mas o medo do pior ajuda a evitar o pior”, acrescentou.

A “incrível polarização da sociedade” e a violência em Washington “criam muita dissuasão noutras sociedades”, referiu Emmanouilidis. “Vemos aonde isso leva, queremos evitar, mas estamos cientes de que também podemos chegar a esse ponto, que as coisas podem piorar”, sublinhou.

Na Polónia, o governo tem sido pró-Trump e a televisão pública não reconheceu a sua derrota eleitoral, até que o próprio Presidente o fizesse, disse Radoslaw Sikorski, ex-ministro das Relações Externas e da Defesa, agora presidente da delegação do Parlamento Europeu para as relações com os EUA.

“Com a derrota de Trump, houve um som audível de deceção da direita populista na Europa Central”, indicou Sikorski. “Para eles, o mundo será um lugar mais solitário”.

O Presidente da Polónia, Andrzej Duda, classificou a rebelião no Capitólio como um assunto interno. “A Polónia acredita no poder da democracia norte-americana”, frisou.

Da mesma forma, o primeiro-ministro da Hungria, Victor Orban, apoiante de Trump, se recusou a comentar o motim. “Não devemos interferir no que está a acontecer na América, isso é assunto da América, estamos a torcer por eles e confiamos que conseguirão resolver os seus próprios problemas”, declarou a uma rádio estatal.

De acordo com o ex-ministro da Polónia, Wladyslaw Sikorski, a Europa precisa “acordar para os perigos da violência de extrema direita” e das teorias da conspiração. “Há muito mais violência de extrema direita do que violência jihadista. Não podemos presumir que esse tipo de loucura vá embora. A democracia liberal deve se defender”, rematou.

Como aconteceu com Le Pen, os líderes populistas italianos se sentiram “obrigados a cortar os seus laços com algumas formas de extremismo”, notou Enrico Letta, ex-primeiro-ministro de Itália. “Eles perderam a capacidade de preservar essa ambiguidade sobre os seus laços com extremistas”, indicou.

A derrota de Trump e as respostas violentas foram golpes consideráveis ​​para o populismo europeu. O desastre do coronavírus, acrescentou Enrico Letta, representou “a vingança da competência e do método científico” contra o obscurantismo e anti-elitismo do populismo, disse, observando que os problemas em torno do ‘Brexit’ também foram um golpe.

Já Moïsi vê uma analogia perigosa no que aconteceu no Capitólio, com tumultos o remeterem-no para o fracasso no Beer Hall Putsch, de Adolf Hitler, e ao início do Partido Nazi em Munique, em 1923. Esse esforço para derrubar o governo bávaro também foi ridicularizado, mas se tornou “o mito fundamental do regime nazi”, concluiu.

Taísa Pagno Taísa Pagno //

PARTILHAR

RESPONDER

Jovens tentam salvar vidas na Índia através do Youtube. Plataforma elimina vídeos por serem "perigosos"

A Índia continua a debater-se com a grave crise sanitária desencadeada pela covid-19. Jovens indianos publicaram no Youtube vídeos a produzir oxigénio em casa, usando processos químicos ensinados nas escolas. A plataforma eliminou-os. De acordo com …

Shuvuuia era um dinossauro do tamanho de uma galinha, que caçava às escuras

Os investigadores descobriram que Shuvuuia, um pequeno dinossauro do tamanho de uma galinha, tinha uma excelente audição e visão noturna, que lhe permitiam caçar de noite. São poucas as aves que têm aquilo que é preciso …

Na China, é ilegal pedir comida em excesso nos restaurantes

A China aprovou uma lei anti-desperdício de alimentos que proíbe clientes de restaurantes de pedirem mais do que precisam, uma legislação abrangente pode prejudicar a experiência de comer fora de casa. A lei, que entrou em …

Sindicato de pilotos denuncia pedidos da TAP para voos em folga

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) denunciou pedidos da Transportadora Aérea Portuguesa (TAP) para que alguns trabalhadores efetuem voos em dias de folga, ao mesmo tempo que afirma ter pilotos em excesso. Num email …

Bayern Munique 'festeja' nono título consecutivo com goleada

O Bayern Munique coroou este sábado o seu nono título consecutivo na Liga alemã de futebol com uma goleada no triunfo diante do Borussia Moenchengladbach (6-0), num jogo com um hat-trick de Lewandowski. Antes de pisar …

A piscina infinita mais alta do mundo fica no Dubai

Haverá poucas coisas tão libertadoras como dar um mergulho numa piscina infinita com vista para o oceano. Agora, quem visitar o Dubai poderá fazê-lo numa piscina a quase 300 metros acima do nível do mar. Segundo …

"Polskie Babcie", as avós que lutam pela democracia na Polónia

Um grupo de idosas polacas organiza protestos, todas as semanas, para lutar pela democracia no país, governado pelo partido de direita nacional-conservador e democrata-cristão Lei e Justiça (PiS). É hora de ponta em Varsóvia, capital da …

Cimeira Social. Jerónimo de Sousa diz que não se respondeu aos verdadeiros problemas

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, afirmou este sábado, no Porto, que a Cimeira Social da União Europeia não respondeu às necessidades associadas ao emprego, à valorização dos salários e ao fim da precarização …

Babbage escreveu uma carta a Tennyson. Exigia a "correção matemática" de um poema

A perspicácia matemática de Charles Babbage levou-o a escrever uma carta ao poeta Alfred Tennyson, que exigia, de certa forma, rigor e precisão no poema The Vision Of Sin. Charles Babbage é conhecido como o pai …

Covid-19: Portugal com uma morte e 324 novos casos nas últimas 24 horas

Portugal registou hoje uma morte atribuída à covid-19, 324 novos casos de infeção pelo novo coronavírus e uma ligeira subida no número de internamentos em enfermaria, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o …