Populações humanas da Península Ibérica já controlavam o fogo há 400 mil anos

Um estudo liderado pelo paleoantropólogo português João Zilhão concluiu, a partir de escavações arqueológicas em Torres Novas, que as populações humanas da Península Ibérica já dominavam há 400 mil anos as tecnologias que permitiam controlar o uso do fogo.

O estudo, publicado na revista científica Scientific Reports, foi conduzido por uma equipa de investigadores do Centro de Arqueologia da Universidade de Lisboa e resulta de escavações feitas na Gruta da Aroeira, em Torres Novas, entre 2013 e 2017.

Em declarações à agência Lusa, o paleoantropólogo João Zilhão disse que o trabalho “comprova, num caso em que a datação é absolutamente segura e, para os parâmetros do período, muito precisa, que há 400.000 anos as populações humanas da Península Ibérica dominavam as tecnologias ligadas ao uso controlado do fogo”.

“E, se era assim na Península Ibérica, sê-lo-ia também seguramente nas outras regiões habitadas da Europa, Ásia e África“, frisou.

Durante as escavações na Gruta da Aroeira, onde em 2017 foi encontrado o fóssil humano (um crânio) mais antigo de Portugal, com 400 mil anos, a equipa coordenada por João Zilhão recolheu vestígios da ação do fogo, como restos de ossos queimados e carvões.

“Podemos agora afirmar com segurança, com base na Gruta da Aroeira, que, há 400.000 anos, a humanidade já dominava o fogo“, sustentou o paleoantropólogo, ressalvando que tal “não quer dizer, evidentemente, que o não fizesse desde há mais tempo”.

“Quer só dizer que estas são, de momento, as provas mais antigas que temos”, sublinhou o investigador e docente, também responsável pela descoberta do ‘crânio da Aroeira’.

João Zilhão lembrou que “há uma corrente de opinião que defende que o uso controlado do fogo é tão antigo como a humanidade (1,5 a 2,0 milhões de anos) e outra que defende que só foi conseguido há menos de 50.000 anos (antes disso, os grupos humanos saberiam utilizá-lo, mas não produzi-lo)”.

O investigador assinalou que mesmo as jazidas de Beeches Pit, no Reino Unido, e de Qesem, em Israel, apontadas como “os mais antigos exemplos de conservação de lareiras”, possuindo vestígios como carvão, ferramentas de pedra e restos da caça consumida, têm datações imprecisas, variando, no caso da primeira jazida, entre 375.000 e 425.000 anos, e, na segunda, entre 200.000 e 300.000 anos.

Justificando a importância da produção e utilização controlada do fogo, já durante o Paleolítico Inferior (entre 3 milhões e 250.000 anos), realçou, citado num comunicado de imprensa da Universidade de Lisboa, que o lume permitiu “cozinhar alimentos, melhorando a qualidade da nutrição e alargando o leque de plantas comestíveis”.

Além disso, era “uma fonte artificial de calor e aquecimento dos espaços residenciais [cavernas], sem a qual, na Europa temperada, a sobrevivência humana durante o inverno não teria sido possível”, adiantou o paleoantropólogo.

Da equipa de João Zilhão fizeram parte os investigadores espanhóis Montserrat Sanz e Joan Daura.

// Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Como se vai vendo com o numero de incêndios provocados por negligência, para alguns, 400 mil anos de conhecimento e experiência no controlo do fogo, ainda não são suficientes!…

  2. Não há tempo que chegue para controlar a maldade que está na origem de grande parte dos incêndios. Aí só a mão pesada do legislador poderá ajudar.

RESPONDER

Rio Ave não vai admitir adeptos nos jogos

Federação confirmou que o público pode voltar ao futebol mas o clube de Vila do Conde considera que a medida anunciada é injusta e tardia. Algumas competições organizadas pela Federação Portuguesa de Futebol estão autorizadas a …

Parlamento levanta imunidade a André Ventura

O levantamento da imunidade parlamentar permite a André Ventura responder perante o Tribunal Judicial da Comarca de Braga sobre o jantar-comício nas presidenciais, que contou com mais de 170 pessoas. O Parlamento levantou, esta sexta-feira, a …

Adeptos do Parma contestam regresso do Buffon "mercenário"

Faixa exibida à porta do estádio do Parma recorda saída para a Juventus, em 2001: "Saíste como mercenário". Gianluigi Buffon está de volta ao Parma, 20 anos depois. Mas nem todos os adeptos do emblema italiano …

Ex-adjunta da ministra da Justiça vai investigar corrupção no Governo

A magistrada Carolina Costa, que foi adjunta da ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, foi escolhida para integrar o Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP). Ora, este órgão, está a investigar vários elementos …

Coro de críticas ao "fecho" da Área Metropolitana de Lisboa aumenta. Governo insiste que medida é constitucional

O Governo insiste que o "fecho" da Área Metropolitana de Lisboa (AML) é uma medida prevista na situação de calamidade, mas o coro de críticas aumenta. Na conferência de imprensa desta quinta-feira, a ministra Mariana Vieira …

Como foi possível? "Inquérito urgente" à transferência de 788 mil euros para desempregado

Ainda não se sabe como é que foi possível que a Segurança Social tenha transferido 788 mil euros para um desempregado. O caso já levou à abertura de um "inquérito urgente" e o Governo quer …

MP investiga protesto com alegadas saudações nazi

Uma fonte oficial da Procuradoria-Geral da República revelou esta sexta-feira que foi instaurado um inquérito, dirigido pelo Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa, às alegadas saudações nazi na manifestação que ocorreu na Praça …

Eriksen tem alta hospitalar

Seis dias depois de sofrer uma paragem cardíaca, Christian Eriksen teve alta hospitalar e visitou o estágio da seleção dinamarquesa antes de regressar a casa. Christian Eriksen teve alta hospitalar esta sexta-feira, confirmou a federação dinamarquesa, …

MP francês pede seis meses de prisão efetiva para Sarkozy

O Ministério Público (MP) pediu na quinta-feira um ano de prisão, com seis meses de pena efetiva, para o ex-Presidente francês Nicolas Sarkozy, julgado em Paris na sequência de uma investigação ao financiamento irregular na …

Portugueses já podem pedir Certificado Digital Covid

Os portugueses já podem pedir o Certificado Digital Covid, o documento que facilita as viagens para o estrangeiro durante as férias. O primeiro-ministro, António Costa, anunciou que os portugueses poderiam pedir o seu certificado digital europeu …