Populações asiáticas têm maior proteção imunológica ao vírus, sugere estudo

How Hwee Young / EPA

As populações do Japão e países da Ásia oriental têm maior proteção imunológica contra o novo coronavírus graças à exposição anterior a outros patógenos relacionados, sugere um novo estudo da Universidade de Tóquio.

Isso poderia explicar “a menor mortalidade no Japão e em outros países do sudeste da Ásia”, disse o professor e co-autor do estudo Tatsuhiko Kodama, do Centro de Estudos de Ciência Avançada e Tecnologia da Universidade de Tóquio, em videoconferência.

A análise de amostras de anticorpos de mais de 100 japoneses “indica que existe imunidade contra SARS-CoV-2 em muitos indivíduos não expostos ao patógeno devido à exposição prévia à proteína de outro coronavírus da mesma família” explicou Kodama.

Os resultados preliminares do estudo, que continua o seu trabalho de analisar dezenas de amostras de pacientes diariamente, “sugerem que a imunidade ao novo coronavírus já existe em muitos países da Ásia oriental”, disse o investigador.

Kodama acrescentou que a sua hipótese é apoiada por outro estudo publicado há uma semana por cientistas norte-americanos e conduzido entre moradores da cidade de San Diego que não haviam sido expostos à SARS-CoV-2, dos quais 50% tinham “memória de imunidade” contra o novo coronavírus.

Esta cidade, no estado da Califórnia, possui um alto número de residentes de origem asiática e extensas conexões com a Ásia-Pacífico e nessa região houve sucessivas epidemias de resfriado comum nos últimos anos, possivelmente causadas por estirpes relacionadas com SARS-CoV-2, explicou o investigador.

O motivo dessa imunidade subjacente seria o aumento da circulação na Ásia oriental de outras variedades de coronavírus, incluindo aqueles que causam surtos da síndrome respiratória aguda (SARS) em 2003 e a epidemia de síndrome respiratória do Médio Oriente (MERS) em 2012.

“Na Ásia oriental, temos uma longa história de doenças com sintomas semelhantes aos da gripe. Muitos desses vírus vieram originalmente da China e de outras partes do sudeste da Ásia e depois espalharam-se para o Médio Oriente e Europa”, disse o professor.

Assim, os autores do estudo acreditam que a exposição anterior aos vírus da família SARS-CoV-2 “faz uma grande diferença na resposta imune e na taxa de mortalidade” do novo patógeno entre os países da Ásia e o resto do mundo, disse Kodama, interpretando que “se trata de uma diferença imunológica, não genética”.

“Enorme diferença” nas taxas de mortalidade

Enquanto a China, a Coreia do Sul e o Japão registaram entre três e seis mortes por milhão de habitantes, em outros países como Espanha, Itália ou Reino Unido essa proporção sobe para mais de 500 por milhão de habitantes.

“É uma enorme diferença que não foi estudada extensivamente e precisamos entender porquê”, continuou, dizendo desconfiar dos dados sobre infeções por covid-19 oferecidas pelas autoridades japonesas devido ao número reduzido de testes PCR realizados.

Dados oficiais indicam que somente em Tóquio houve cerca de 5.000 infeções, um número que pode ser “até 16 vezes maior”, segundo estimativas da equipa liderada por Kodama e com base nos seus testes de anticorpos.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 320 mil mortos e infetou quase 4,9 milhões de pessoas em 196 países e territórios. Mais de 1,7 milhões de doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

É a quantidade de alimento que determina quem se torna a abelha-rainha

Um novo estudo sugere que é a quantidade de alimento, e não a sua qualidade, como se pensava até agora, que determina quem se torna a abelha-rainha. Quais são os fatores que determinam qual é a …

Em Miami e Nova Iorque, os polícias ajoelharam-se por George Floyd

Em Miami e em Nova Iorque, alguns agentes da autoridade juntaram-se aos manifestantes por breves momentos, para mostrar o seu respeito pela memória de George Floyd. Nos Estados Unidos, os protestos pela morte de George Floyd …

A Nova Zelândia está em cima de uma enorme bolha de lava

A Nova Zelândia situa-se no topo dos restos de uma pluma vulcânica gigante. Este processo é o responsável pela atividade vulcânica e desempenha um papel fundamental no funcionamento do nosso planeta. Nos anos 70, vários cientistas …

Petição busca estatuto de vítima para crianças em contexto de violência doméstica

Uma petição lançada na sexta-feria que reivindica a criação do estatuto de vítima para as crianças que vivem em contexto familiar de violência doméstica já foi assinada por mais de 1300 pessoas, entre elas personalidades …

Assimétrica e flutuante. A primeira casa impressa em 3D na República Checa vai "nascer" em 48 horas

A primeira casa impressa em 3D na República Checa vai estar pronta no próximo mês para demonstrar a velocidade e a eficácia de uma técnica de construção que será sete vezes mais rápida e terá …

Anonymous garantem que princesa Diana foi assassinada para abafar caso Epstein

O movimento internacional de ciberativistas Anonymous - ou alguém que alega operar em seu nome - garante que a princesa Diana, que morreu num acidente de viação em agosto de 1997, foi, na verdade, assassinada …

Empresa de mineração pede desculpa por destruir cavernas sagradas aborígenes

A empresa mineira Rio Tinto admitiu que destruiu as cavernas pré-históricas que eram locais de culto para os aborígenes australianos e pediu desculpa. As cavernas de pedra Juukan Gorge 1 e 2 – dois locais de …

Itália exige "respeito": vai abrir fronteiras, mas excluir países que impõem restrições a italianos

Apesar de acredita "no espírito europeu", o ministro dos Negócios Estrangeiros italiano sublinhou que o país está pronto "para fechar as fronteiras" àqueles que não o respeitem. A Itália vai abrir as suas fronteiras internacionais a …

As Forças Armadas sul-africanas não estavam preparadas para um inimigo invisível

A Força de Defesa Nacional da África do Sul não está preparada para combater uma pandemia silenciosa como a da covid-19. Este "inimigo invisível" veio trazer à tona as fragilidades do país. As Forças Armadas da …

Putin convoca referendo sobre alterações constitucionais para 1 de julho

A aprovação da reforma constitucional permitirá ao atual Presidente da Rússia, Vladimir Putin, cumprir mais dois mandatos suplementares a partir de 2024. Vladimir Putin anunciou a data de 1 de julho para o referendo nacional de …