Inspiração de desenhos animados, o pica-pau-bico-de-marfim pode estar extinto (mas a sua história não acabou)

Arthur A. Allen / Jerry A. Payne / Wikimedia

Uma fotografia do alegadamente extinto pica-pau-bico-de-marfim.

Uma fotografia digitalmente colorida do alegadamente extinto pica-pau-bico-de-marfim.

O pica-pau-bico-de-marfim terá inspirado a personagem Woody Woodpecker, da série animação conhecida em Portugal simplesmente por “Pica-Pau”.

Desde que a Lei de Espécies Ameaçadas foi criada há quase 50 anos nos Estados Unidos, o Serviço de Pesca e Vida Selvagem evitou a extinção de mais de 99 por cento das espécies listadas na lei. Infelizmente, nem mesmo a proteção federal pode proteger totalmente a vida selvagem americana do que os cientistas chamam de “sexta extinção em massa”.

No seu relatório mais recente para o governo dos Estados Unidos, o Serviço de Pesca e Vida Selvagem identificou 23 causas perdidas, incluindo Kauaʻi ʻōʻō, Vermivora bachmanii e sete espécies de mexilhão de água doce. Poucos causaram tanto clamor, porém, como o icónico pica-pau-bico-de-marfim.

Conhecido por alegadamente ter servido de inspiração para a série de animação “Woody Woodpecker” (“Pica-Pau”), o pica-pau-bico-de-marfim era encontrado nas antigas florestas do sudeste dos Estados Unidos, vindo da Flórida ao sul de Illinois e da Carolina do Norte ao leste do Texas, bem como em Cuba.

Foi praticamente dizimado nos EUA em 1800 devido à combinação da extração industrial de madeira após a Guerra Civil e caça por coletores de espécimes científicos, e foi entrando e saindo da suposta extinção desde então.

Em 20 de setembro, após décadas de debate e quase 80 anos desde o último avistamento indiscutível, o Serviço de Pesca e Vida Selvagem declarou a sua intenção de remover pica-pau-bico-de-marfim da Lista de Espécies Ameaçadas porque considera a ave extinta.

O anúncio pode ser um dos eventos de extinção mais disputados da história americana. O bico-de-marfim é um símbolo da natureza selvagem do sul, uma região que alguns argumentam não estar na vanguarda da política de conservação dos EUA. E os defensores temem que remover a ave da proteção federal abrirá o seu habitat para exploração.

O seu último avistamento confirmado foi em 1944, quando o presidente da National Audubon Society enviou Don Eckelberry, um artista de vida selvagem de 23 anos, a Louisiana para fazer um esboço de uma ave fêmea, supostamente a última nos EUA.

Dezenas de supostos avistamentos do pássaro foram relatados desde então. Muitos deles são relatos amadores facilmente descartados. Outros são menos claros. Por exemplo, fotos apresentadas à American Ornithological Union em 1971 foram rejeitadas como fraude, um espécime taxidermizado que o fotógrafo montou em árvores. Mas alguns ornitólogos agora acreditam que era autêntico.

O debate sobre a espécie atingiu o pico em 2005, quando uma equipa de investigadores do Laboratório de Ornitologia de Cornell afirmou ter redescoberto o pássaro num refúgio de vida selvagem no leste do Arkansas.

Os sete avistamentos relatados e o vídeo desfocado de quatro segundos que ofereceram como evidências não eram exatamente claros, mas a reputação do grupo gerou entusiasmo pelo facto de o pica-pau-bico-de-marfim ter sido ressuscitado. Com base nas evidências, o governo dos EUA prometeu mais de 10 milhões de dólares para o esforço de recuperação da ave.

Embora inicialmente acreditasse nos avistamentos de 2005, o relatório recente do Serviço de Pesca e Vida Selvagem rejeita esses e todos os avistamentos pós-1944, dizendo que nenhum deles tem as evidências necessárias para apoiá-los.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Doppelgangers aviários

A evidência objetiva, na visão do Serviço de Pesca e Vida Selvagem, incluiria “fotografias nítidas, penas de origem recente, espécimes, etc”. Fotos e vídeos desfocados podem facilmente ser imagens de outro pássaro. As gravações de som podem ser de outras aves também, e com apenas uma gravação indiscutível sobrevivente de 1935, há muito espaço para dúvidas.

Alguns investigadores argumentam que a referência da agência é injusta, já que o habitat de pântanos profundos e implacáveis do bico-de-marfim — e a sua natureza elusiva — tornam tais evidências quase impossíveis de reunir.

No entanto, a agência argumenta que as marcas distintivas do bico-de-marfim e décadas de extensos esforços de pesquisa significam que se o pássaro ainda estivesse vivo, já teria sido documentado de forma conclusiva.

A procura continua

Este capítulo da história natural norte-americana ainda não terminou. O público tem até 29 de novembro para apresentar evidências da existência do pica-pau-bico-de-marfim para impedir a sua remoção da Lei de Espécies Ameaçadas.

Pode haver resultados prejudiciais se uma espécie for declarada extinta muito cedo. Remover a proteção federal elimina o financiamento de conservação para as espécies e remove a pressão dos estados para proteger o habitat. Outras aves e espécies vulneráveis na área também podem sofrer.

Por outro lado, a decisão da agência é prática — remover uma espécie com baixa probabilidade de renascimento liberta recursos para outras que podem ser salvas.

Mesmo que o pica-pau-bico-de-marfim esteja oficialmente extinto, as pessoas continuarão a procurá-lo. O grupo Mission Ivorybill começa um esforço de busca de três anos em Louisiana no dia 1 de novembro.

Matt Courtman, um ex-presidente da Sociedade Ornitológica de Louisiana que fundou o grupo, disse que viu um par de pica-paus-bico-de-marfim recentemente em 2019. O grupo espera fornecer evidências para deitar por terra a declaração de extinção.

Anteriormente, outras espécies foram redescobertas após declarada ou presumida a extinção. Estas espécies de “Lázaro” — batizadas com o nome bíblico de Lázaro, que ressuscitou — incluem uma baleia, uma espécie de trigo sarraceno e um bicho-pau.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

A esperança para o pica-pau-bico-de-marfim pode ser encontrada em Cuba, onde alguns cientistas, incluindo aqueles associados à União Internacional para a Conservação da Natureza, acreditam que ele pode persistir.

  ZAP // The Conversation

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE