O pensamento crítico tende a diminuir a crença religiosa nas pessoas

Algumas pessoas são mais religiosas do que outras e, quando tentamos explicar essa diferença na crença de alguns indivíduos, concentramo-nos no papel da cultura ou da educação. Embora essas influências sejam importantes, novos estudos sugerem que o nosso nível de crença religiosa também pode ter a ver com a intuição e o pensamento analítico.

Em 2011, Amitai Shenhav, David Rand e Joshua Greene, da Universidade de Harvard, publicaram um artigo que mostra que as pessoas que tendem a confiar na sua intuição são mais propensas a acreditar em Deus. Os investigadores também mostraram que incentivar as pessoas a pensar intuitivamente aumentava a crença das pessoas em Deus.

Com base nestas descobertas, num artigo publicado na revista Science, Will Gervais e Ara Norenzayan, da Universidade da Colúmbia Britânica, no Canadá, descobriram que encorajar as pessoas a pensar analiticamente reduz a sua tendência para acreditar em Deus.

Pensamento analítico VS crença religiosa

A investigação de Gervais e Norenzayan baseia-se na ideia de que as pessoas possuem duas formas diferentes de pensar que são distintas, mas relacionadas. Compreender estas duas formas, muitas vezes referidas como Sistema 1 e Sistema 2, pode ser importante para entender a tendência de cada indivíduo para a fé religiosa.

O pensamento do Sistema 1 depende de atalhos e outras regras mais dependentes da experiência do que de comprovação científica, enquanto que o Sistema 2 depende do pensamento analítico e tende a ser mais lento e requerer mais esforço.

Resolver problemas lógicos e analíticos pode exigir que anulemos os processos de pensamento do Sistema 1 para utilizar o Sistema 2 – e vários psicólogos desenvolveram uma série de técnicas que nos encorajam a fazê-lo. Através de algumas dessas técnicas, Gervais e Norenzayan examinaram se o Sistema 2 leva as pessoas a não acreditar em Deus e na religião.

Por exemplo, os cientistas fizeram com que os participantes visualizassem imagens de obras de arte que estão associadas ao pensamento reflexivo – como “O Pensador”, de Auguste Rodin – ou a imagens mais neutras – como o “Discóbolo”, de Myron.

Os participantes que viram “O Pensador” relataram crenças religiosas mais fracas numa pesquisa posterior. No entanto, Gervais e Norenzayan questionaram se mostrar arte às pessoas poderia ter tornado a conexão entre pensamento e religião muito óbvia.

Nos próximos dois estudos, os especialistas criaram uma tarefa que preparou o pensamento analítico mais subtilmente. Os participantes receberam conjuntos de cinco palavras dispostas aleatoriamente e foram convidados a excluir uma palavra e reorganizar as outras para criar uma frase mais significativa.

Alguns dos participantes receberam frases misturadas contendo palavras associadas ao pensamento analítico, como “análise” ou “razão”, e outros participantes receberam frases que apresentavam palavras neutras, como “martelo” ou “sapatos”). Depois de decifrarem as frases, os participantes preencheram uma questionário sobre as suas crenças religiosas.

Em ambos os estudos, este subtil lembrete do pensamento analítico fez com que os participantes expressassem menos crença em Deus e religião. Isto significa que o pensamento analítico reduziu a crença religiosa, independentemente de quão religiosas as pessoas eram no início do teste.

Num estudo final, Gervais e Norenzayan usaram uma maneira ainda mais subtil de ativar o pensamento analítico: fazendo com que os participantes preenchessem um questionário que medisse as suas crenças religiosas, mas que tinha sido impresso com uma fonte normal ou com uma fonte difícil de ler. Vários estudos anteriores mostraram que as fontes difíceis de ler promovem o pensamento analítico, forçando os participantes a diminuírem o ritmo e a pensarem com mais atenção sobre o significado do que estão a ler.

Os especialistas descobriram que os participantes que preencheram o questionário que foi impresso em fontes pouco claras expressaram menos crença em comparação com aqueles que preencheram o mesmo questionário com uma fonte legível.

Diferenças no pensamento

Mas como é que o pensamento analítico pode reduzir a crença religiosa? Embora sejam necessárias mais investigações para responder a esta pergunta, Gervais e Norenzayan dizem que o pensamento analítico pode inibir a intuição natural para acreditar em agentes sobrenaturais que influenciam o mundo ou pode simplesmente sobrepor a intuição de um indivíduo para acreditar em Deus.

Gervais e Norenzayan apontam que o pensamento analítico é apenas uma das razões porque as pessoas podem ou não ter crenças religiosas. Além disso, estas descobertas não dizem nada sobre o valor inerente ou a verdade das crenças religiosas – simplesmente falam sobre a psicologia do “porquê”.

Mais importante ainda, este estudo fornecem provas de que, em vez de serem estáticas, as crenças de uma pessoa podem mudar drasticamente de uma situação para outra, sem que se saiba exatamente a razão para tal mudança.

PARTILHAR

RESPONDER

"Tão lentamente quanto humanamente possível". Site simula como era usar a Internet nos anos 90

Se é jovem e gostaria de experimentar as velocidades lentas da Internet dos anos 90, está com sorte. Um novo site simula a experiência dolorosa à qual já não estamos habituados com as redes atuais. Nos …

Novembro vai ser “muito duro e muito exigente” (e fechar escolas seria uma "grande falta de respeito")

O primeiro-ministro, António Costa, avisou hoje que “convém não criar falsas expectativas”, porque novembro vai ser “muito duro e muito exigente”, sendo maior a probabilidade de, daqui a 15 dias, acrescentar mais concelhos à lista …

O Torsus Praetorian é o autocarro mais radical de sempre (e não permite faltas à escola)

Cheias, árvores caídas ou tempestades. Há muitas razões para faltar à escola ou, neste caso, haviam. É que a Torsus lançou um novo autocarro capaz de enfrentar todos os obstáculos e transportar as crianças até …

Spot, o cão-robô, visitou Chernobyl (e analisou os seus níveis de radiação)

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Bristol visitou a Central Nuclear de Chernobyl na semana passada para testar Spot, um robô de quatro patas feito pela empresa norte-americana Boston Dynamics. O Spot é o robô …

Sangue de porco é mais proteico do que qualquer proteína do mercado (e pode ser consumido em smoothies)

Uma equipa de investigadores do departamento de ciência alimentar da Universidade de Copenhaga desenvolveu um método para extrair proteínas do sangue de porco. O resultado é um pó fino, branco, com sabor neutro e com …

Costa anuncia cinco medidas restritivas para 121 concelhos "de elevado risco" e reforços da capacidade de resposta

Após um Conselho de Ministros extraordinário que durou mais de 8 horas, o primeiro-ministro anunciou este sábado novas "medidas imediatas" de combate à pandemia de covid-19. Concelhos "de elevado risco" estão sujeitos a medidas restritivas, …

Escola na China transformou-se num "edifício andante" para evitar a demolição

Os residentes da cidade chinesa de Xangai que, no início deste mês, passaram pelo distrito de Huangpu podem ter encontrado uma visão incomum: um "edifício andante". De acordo com a cadeia de televisão CNN, uma escola primária …

Joke Boon, a chef holandesa que não tem olfato nem paladar

Joke Boon perdeu o paladar e o olfato quando ainda era criança, mas isso não a impediu de viver da culinária, área na qual estes requisitos são, à partida, essenciais.  "Como seria a minha vida se …

Portugal com mais 39 mortos, mais 4007 casos e recorde de internamentos graves

Portugal registou hoje 39 mortos e mais 4.007 casos de novas infeções pelo novo coronavírus, tendo alcançado um novo recorde de 286 doentes internados nos cuidados intensivos por covid-19, segundo a Direção-Geral da Saúde. Registou-se este …

Leiloada carta de Nobel antissemita a desprezar Einstein e os judeus

Uma carta escrita em 1927 pelo Prémio Nobel Philipp Lenard a um colega a reclamar das conquistas de Einstein e do suposto domínio judaico da ciência foi a leilão no Nate D. Sanders Auctions, em …