Um dos países mais pobres de África quer melhorar a economia enviando canábis para todo o mundo

No Lesoto, um dos países mais pobres de África, as empresas estão a investir na produção e comercialização legal de cannabis para fins medicinais, de forma a aumentar a receita do país e responder à crescente indústria global.

Kekeletso Lekaota, de 27 anos, passa os dias a alimentar fileiras de plantas de cannabis, trabalho que disse exigir um toque suave e mãos delicadas. Há 18 meses, contou o jovem, não tinha experiência neste tipo de colheita, mas foi nessa altura que viu um anúncio de um produtor no jornal local, relatou a Time.

Atualmente, a jovem dá formação a outras pessoas para cultivar as plantas da empresa MG Health, que fornece produtos à base de cannabis para fins medicinais, numa quinta e numa unidade de extração de óleo, no Lesoto. “Não sabia o que era cannabis. Só quando me candidatei a este emprego é que percebi que que era uma droga”, disse.

A cannabis é amplamente cultivada em todo o Lesoto, um dos países mais pobres da África, e há muito utilizada como remédio pelos nativos. É mais fácil cultivar e mais lucrativo do que outras culturas, como o milho e a cana-de-açúcar, e a água abundante e o solo fértil do país fornecem as condições ideais para a sua produção.

No país, muitas famílias dependem da receita extra proveniente da venda ilegal de cannabis para utilização recreativa de forma a cobrir custos básicos, como o envio dos filhos para a escola.

Agora, o governo do Lesoto está a tentar estimular o desenvolvimento de plantações legais para abastecer a crescente indústria global de cannabis medicinal e ampliar a sua base tributária – atualmente dominada pelas exportações de diamantes, água e lã – e, em consequência, criar mais emprego.

Cerca de dois terços dos 2,2 milhões de habitantes do país vivem em aldeias rurais e muitos sobrevivem da agricultura de subsistência. A cannabis é uma parte crítica da estratégia agrícola do governo, que espera ajudar a financiar a infraestrutura básica, como estradas, eletricidade e canalização de água.

Em 2018, o Lesoto tornou-se na primeira nação africana a emitir licenças para o cultivo de cannabis para fins medicinais. Investidores estrangeiros, incluindo as empresas canadianas Supreme Cannabis, Canopy Growth e Aphria, investiram dezenas de milhões de dólares em algumas instalações, atraídas pelo baixo custo de produção.

HowToGrowWeedExtreme.com / wikimedia

A MG Health, a maior produtora comercial do Lesoto, que emprega atualmente 350 pessoas, planeia empregar até três mil trabalhadores em poucos anos, indicou o CEO da empresa, Andre Bothma.

A empresa planta uma variedade de cannabis com baixos níveis de tetra-hidrocanabinol (THC) e exporta extrato de óleo de canabidiol não psicoativo (CBD) e outros produtos de cannabis medicinal, principalmente para a África do Sul, e está a trabalhar para entrar nos mercados da Europa, da Austrália e do Oriente Médio.

O CBD é uma parte de crescimento rápido do mercado global de cannabis. Nos Estados Unidos (EUA), as vendas de CBD devem chegar a 20 mil mlhões de dólares (aproximadamente 18 mil milhões de euros) em 20244, segundo a BDS Analytics.

À medida que as regras sobre a cannabis se tornam mais flexíveis em todo o mundo, as empresas voltam-se para regiões de baixo custo para fornecimento. Em breve, o Lesoto enfrentará a concorrência de outras regiões conhecidas como baratas, incluindo a Colômbia e a Jamaica, além de outros países africanos que pretendem legalizar a produção.

Como produto médico, é essencial que o óleo CBD seja padronizado e não contaminado, com os testes de controlo de qualidade da MG Health a serem realizados pelo laboratório independente LuCan. Os trabalhadores tomam banho no trabalho e usam roupas de proteção, que são lavadas no final de cada dia de trabalho.

Kotsoana Clementi, de 43 anos, que cultiva cannabis ilegalmente na sua aldeia, a cerca de 1,5 horas de carro da capital Maseru, disse que gostaria de fazer parceria com uma das empresas canadianas, passando assim a um negócio legal.

“O mais importante seria garantir um investidor – então toda a vila teria trabalho”, referiu. “Eu ainda quero estar no comando dos negócios, mas os moradores podem ter uma participação de 2-3%”, acrescentou.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Produção e comercialização legal, tal como os outros! Pena é não haver lei internacional para afastar estes países do convívio internacional enquanto não mudassem de sistema.

RESPONDER

Operação Lex. Juiz Vaz das Neves arguido por corrupção e abuso de poder

O ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa Vaz das Neves é arguido na Operação Lex por suspeitas de corrupção e abuso de poder relacionadas com a distribuição eletrónica de processos, disse à Lusa fonte …

Governo quer licenças de trabalho parcial pagas para pais no primeiro ano dos filhos

O Governo quer implementar licenças de trabalho parcial remuneradas para pais e mães de crianças no seu primeiro ano de vida, no âmbito do programa para a conciliação entre vida profissional e vida familiar e …

Covid-19. Portugal "tem de preparar-se para o pior" e ter plano de contingência

Ricardo Mexia, presidente da Associação Nacional de Médicos de Saúde Pública, defende que Portugal tem de se preparar para o pior e, por esta altura, já devia ser conhecido o plano de contingência em ação. "Convém …

Misteriosa mensagem esculpida numa rocha em França foi finalmente decifrada

A inscrição, gravada há 250 anos numa rocha na região francesa da Bretanha, foi finalmente decifrada graças a um concurso lançado pelo município. O mistério, que há muitos anos intrigava a comunidade científica e curiosos de …

Transferência de Bruno Fernandes rendeu 16 milhões ao BCP e ao Novo Banco

A transferência de Bruno Fernandes do Sporting para o Manchester United foi rentável não apenas para o clube de Alvalade, mas também para os Bancos que são os principais financiadores do emblema. Millennium BCP e …

Braga 0-1 Rangers | "Guerreiros" eliminados por pé Kent

O Sporting de Braga caiu nos 16 avos-de-final da Liga Europa. Após a derrota por 3-2 na visita ao Rangers na semana passada, após estar a vencer por 2-0, os “arsenalistas” foram donos e senhores …

Violada, drogada e raptada. Cantora Duffy explica o seu desaparecimento da cena musical

A cantora galesa Duffy que fez sucesso, em 2008, com a música "Mercy", esteve vários anos afastada dos holofotes do mundo da música e explica, agora, que isso se deveu ao facto de ter sido …

Neeleman continua na TAP, mesmo com a entrada da Lufthansa

David Neeleman vai manter-se como acionista da companhia aérea portuguesa, mesmo que a Lufthansa venha a entrar no capital da TAP. Sabe-se que a Lufthansa está a estudar, juntamente com a United Airlines, a aquisição dos …

Escócia aprova plano para dar tampões e pensos grátis a todas as mulheres

O Parlamento escocês aprovou, esta terça-feira, um projeto de lei para disponibilizar gratuitamente produtos de higiene feminina a todas as mulheres. A Escócia será o primeiro país a avançar com uma medida deste tipo. O plano …

Bruxelas regista lentidão no desenvolvimento da ferrovia e dos portos portugueses

A Comissão Europeia fez hoje várias observações sobre a lentidão do desenvolvimento de projetos na ferrovia e nos portos portugueses, num relatório elaborado no âmbito do pacote de inverno do semestre europeu. Abordando os setores ferroviário …