Portugal e mais dez reconhecem Guaidó como Presidente legítimo. Maduro não exclui guerra civil

Miguel Gutierrez / EPA

Onze países europeus, incluindo Portugal, reconheceram já Juan Guaidó como Presidente interino legítimo da Venezuela. Ao Governo português junta-se Espanha, Reino Unido, França, Alemanha, Suécia, Áustria, Dinamarca Lituânia, Letónia e Holanda.  

“A Venezuela vive um impasse político que só pode ser resolvido com uma transição pacífica. Não pode ser confrontação interna nem intervenção externa. Deve ser com eleições presidenciais”, disse esta segunda-feira o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, em conferência de imprensa marcada para explicar a posição portuguesa de de reconhecimento de Juan Guaidó.

Pela voz de Santos Silva, o Governo português reconheceu Guaidó “como Presidente encarregado de convocar eleições livres e justas na Venezuela”. O ministro dos Negócios Estrangeiros explicou que Guaidó é o “único que, à Luz da Constituição venezuelana, pode convocar eleições presidenciais“.

Santos Silva anunciou também que irá, ele próprio, à primeira reunião ministerial do Grupo de Contacto constituído pela União Europeia, que integra países europeus e latino-americanos. “Estarei presente na primeira reunião [do Grupo de Contacto], na próxima quinta-feira, na capital do Uruguai, Montevideu”, declarou.

Portugal junta-se assim a outros países europeus que já reconheceram o presidente do parlamento venezuelano, Juan Guaidó, como presidente interino, após expirar o prazo de oito dias para que o presidente Nicolás Maduro convocasse eleições presidenciais.

Durante toda a manhã desta segunda-feira, vários países foram revelando a sua posição, utilizando o Twitter para a divulgar. Reino Unido, Dinamarca, França e Áustria foram alguns dos países que recorreram à rede social.

O Presidente francês, Emmanuel Macron, escreveu que “os venezuelanos têm o direito de se expressaram livremente e democraticamente“. “França reconhece Juan Guaidó como Presidente interino para implementar um processo eleitoral”, acrescentou.

Portugal, Espanha, França, Alemanha, Holanda e Reino Unido tinham dado oito dias a Maduro para convocar eleições, um prazo que terminou no domingo: “Será feito aquilo que o ultimato diz, que é reconhecer a autoridade do presidente da Assembleia Nacional, nos termos da Constituição venezuelana”, disse na sexta-feira Augusto Santos Silva.

Opção militar está sobre a mesa, diz Trump

Em entrevista esta segunda-feira divulgada, o Presidente norte-americano, Donald Trump, reafirmou que o recurso ao exército dos Estados Unidos na Venezuela é “uma opção” face à crise política que abala o país.

Questionado pela televisão CBS sobre o que o levaria a recorrer ao exército, Trump disse não querer falar sobre a questão. “Mas é definitivamente uma opção”, adiantou. Washington tem dito claramente, nos últimos meses e novamente nos últimos dias, que “todas as opções”, incluindo a militar, estão “em cima da mesa”.

Trump reconheceu em 23 de janeiro o opositor Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela, no próprio dia em que o presidente da Assembleia Nacional venezuelana se autoproclamou presidente. Os EUA não reconhecem a reeleição de Nicolás Maduro.

Washington já tomou rígidas sanções económicas para tentar forçar Maduro a abandonar o poder e apelou às forças armadas da Venezuela para se juntarem a Guaidó.

Maduro, por sua vez, parece não se melindrar com os avisos de Trump, não descartando uma possível guerra civil na Venezuela: “Tudo depende da loucura do império do norte e aliados”, avisou o Presidente venezuelano.

Em entrevista ao programa Salvados do canal de televisão espanhol La Sexta, emitida este domingo, o dia em que terminou o prazo dado pela União Europeia, Maduro prevenindo o seu homólogo norte-americano de que deixará a sua presidência “manchada de sangue” caso venha a intervir no país.

“Hoje, ninguém pode responder a essa pergunta com certeza”, disse, quando questionado sobre uma possível guerra civil. “Tudo depende do nível de loucura e agressividade do império do norte e dos seus aliados ocidentais. Pedimos que ninguém intervenha nos nossos assuntos internos e preparamo-nos para defender o nosso país”, acrescentou.

Em reações à declarações de Trump sobre um possível uso da força militar na Venezuela, Maduro deixou o aviso: “Pare! Pare, Donald Trump! Está a cometer erros que vão manchar as suas mãos de sangue e vai deixar a presidência manchada de sangue. Vamos respeitar-nos ou será que vai repetir um Vietname na América Latina?”, questionou.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Discordo em absoluto desta posição. Os problemas próprios de cada país devem ser resolvidos internamente. Fica, claramente, a ideia de que é fácil ser-se forte com os fracos e fraco com os fortes. Se não vejamos: é comum dizer-se que a China é uma ditadura monopartidária. Quem é que lá foi entrar? A Rússia não é tida como uma democracia ao estilo “ocidental”. Quem é que lá vai? A Correia do Norte é o que todos sabemos. Quem põe lá os pés? E a Arábia Saudita e tantos outros com quem os EUA e a UE têm negócios? Não nos esqueçamos do que aconteceu com o Iraque, com a Líbia e acontece atualmente com a Síria. Por que é que as eleições legislativas na Venezuela são válidas a e as presidenciais já não o são? Por que é que não se pede a Macron para deixar o poder com tantas contestações de que tem sido alvo? O Maduro não está a revelar-se competente, é um facto. Mas quantos como ele não existem por este mundo fora!

RESPONDER

OLX regista queda na procura de casas, mas oferta de imóveis subiu 228% em relação a 2019

A pandemia afetou várias áreas da economia e o setor imobiliário não fugiu à regra. De acordo com o Público, a procura de casas para alugar na plataforma OLX teve uma queda abrupta entre os …

Recurso de Sócrates distribuído a Rangel foi redigido por Fátima Galante

Um recurso de José Sócrates, no âmbito da Operação Marquês, distribuído em 2015 ao juiz Rui Rangel, foi, afinal, redigido pela desembargadora Fátima Galante, sua mulher, revela a acusação da Operação Lex. Segundo a acusação do processo …

Filme sobre Snu Abecassis e Francisco Sá Carneiro estreia na RTP1

Snu, a produção realizada por Patrícia Sequeira e lançada nos cinemas portugueses em março do ano passado, chega à RTP1, esta segunda-feira (21), às 22h30. O filme retrata a história romântica de Snu Abecassis e …

Há mais recuperados do que apontam os dados oficiais

A diretora-geral da Saúde admitiu esta segunda-feira que o número de doentes recuperados de covid-19 é superior ao apontado pelos dados oficiais, disponibilizados no boletim diário da DGS, por atrasos na notificação. “Sabemos que há mais …

E agora, o Famalicão-Benfica em versão musical

Senhoras e senhores, bem-vindos à CoronaLiga 2020/2021. Não é ao mambo número cinco. O Lou Bega não sabe o que está a dizer. Ou a cantar. David Lubega. Talvez muita gente não saiba que nasceu em …

StayAway Covid conta mais de um milhão de utilizadores

StayAway Covid, a aplicação móvel que permite rastrear as redes de contágio de covid-19, já foi descarregada por mais de um milhão de pessoas, 19 dias após o seu lançamento. O administrador do Instituto de Engenharia …

Bielorrússia. 440 pessoas detidas violentamente após se juntarem na "marcha da justiça"

Mais de 440 pessoas foram detidas no domingo em várias cidades da Bielorrússia por participarem em protestos contra o Presidente do país, Alexander Lukashenko, informou esta segunda-feira o Ministério do Interior bielorrusso. Em todo o país, …

"Sim" vence referendo para reduzir um terço dos deputados em Itália

O “sim” à redução em um terço dos deputados em Itália venceu o referendo realizado no domingo e hoje com 60% a 64% dos votos, segundo sondagens à boca das urnas citada pela agência Lusa. O …

Depois de vários boicotes à atividade de Navalny, Supremo dissolve o seu partido político

O Supremo tribunal da Rússia dissolveu hoje o partido político "A Rússia do Futuro", fundado pelo líder da oposição Alexei Navalny, hospitalizado na Alemanha após ser envenenado com o agente neurotóxico Novichok, de acordo com …

"Solução Milagrosa" também é vendida em Portugal para tratar covid-19. Infarmed avisa que é "uma lixívia"

A Solução Mineral Milagrosa, ou MMS, está também a ser vendida em Portugal como tratamento para a covid-19, tal como tem acontecido noutros países. Mas o Infarmed alerta que este produto é, basicamente, "uma lixívia" …