Portugal e mais dez reconhecem Guaidó como Presidente legítimo. Maduro não exclui guerra civil

Miguel Gutierrez / EPA

Onze países europeus, incluindo Portugal, reconheceram já Juan Guaidó como Presidente interino legítimo da Venezuela. Ao Governo português junta-se Espanha, Reino Unido, França, Alemanha, Suécia, Áustria, Dinamarca Lituânia, Letónia e Holanda.  

“A Venezuela vive um impasse político que só pode ser resolvido com uma transição pacífica. Não pode ser confrontação interna nem intervenção externa. Deve ser com eleições presidenciais”, disse esta segunda-feira o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, em conferência de imprensa marcada para explicar a posição portuguesa de de reconhecimento de Juan Guaidó.

Pela voz de Santos Silva, o Governo português reconheceu Guaidó “como Presidente encarregado de convocar eleições livres e justas na Venezuela”. O ministro dos Negócios Estrangeiros explicou que Guaidó é o “único que, à Luz da Constituição venezuelana, pode convocar eleições presidenciais“.

Santos Silva anunciou também que irá, ele próprio, à primeira reunião ministerial do Grupo de Contacto constituído pela União Europeia, que integra países europeus e latino-americanos. “Estarei presente na primeira reunião [do Grupo de Contacto], na próxima quinta-feira, na capital do Uruguai, Montevideu”, declarou.

Portugal junta-se assim a outros países europeus que já reconheceram o presidente do parlamento venezuelano, Juan Guaidó, como presidente interino, após expirar o prazo de oito dias para que o presidente Nicolás Maduro convocasse eleições presidenciais.

Durante toda a manhã desta segunda-feira, vários países foram revelando a sua posição, utilizando o Twitter para a divulgar. Reino Unido, Dinamarca, França e Áustria foram alguns dos países que recorreram à rede social.

O Presidente francês, Emmanuel Macron, escreveu que “os venezuelanos têm o direito de se expressaram livremente e democraticamente“. “França reconhece Juan Guaidó como Presidente interino para implementar um processo eleitoral”, acrescentou.

Portugal, Espanha, França, Alemanha, Holanda e Reino Unido tinham dado oito dias a Maduro para convocar eleições, um prazo que terminou no domingo: “Será feito aquilo que o ultimato diz, que é reconhecer a autoridade do presidente da Assembleia Nacional, nos termos da Constituição venezuelana”, disse na sexta-feira Augusto Santos Silva.

Opção militar está sobre a mesa, diz Trump

Em entrevista esta segunda-feira divulgada, o Presidente norte-americano, Donald Trump, reafirmou que o recurso ao exército dos Estados Unidos na Venezuela é “uma opção” face à crise política que abala o país.

Questionado pela televisão CBS sobre o que o levaria a recorrer ao exército, Trump disse não querer falar sobre a questão. “Mas é definitivamente uma opção”, adiantou. Washington tem dito claramente, nos últimos meses e novamente nos últimos dias, que “todas as opções”, incluindo a militar, estão “em cima da mesa”.

Trump reconheceu em 23 de janeiro o opositor Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela, no próprio dia em que o presidente da Assembleia Nacional venezuelana se autoproclamou presidente. Os EUA não reconhecem a reeleição de Nicolás Maduro.

Washington já tomou rígidas sanções económicas para tentar forçar Maduro a abandonar o poder e apelou às forças armadas da Venezuela para se juntarem a Guaidó.

Maduro, por sua vez, parece não se melindrar com os avisos de Trump, não descartando uma possível guerra civil na Venezuela: “Tudo depende da loucura do império do norte e aliados”, avisou o Presidente venezuelano.

Em entrevista ao programa Salvados do canal de televisão espanhol La Sexta, emitida este domingo, o dia em que terminou o prazo dado pela União Europeia, Maduro prevenindo o seu homólogo norte-americano de que deixará a sua presidência “manchada de sangue” caso venha a intervir no país.

“Hoje, ninguém pode responder a essa pergunta com certeza”, disse, quando questionado sobre uma possível guerra civil. “Tudo depende do nível de loucura e agressividade do império do norte e dos seus aliados ocidentais. Pedimos que ninguém intervenha nos nossos assuntos internos e preparamo-nos para defender o nosso país”, acrescentou.

Em reações à declarações de Trump sobre um possível uso da força militar na Venezuela, Maduro deixou o aviso: “Pare! Pare, Donald Trump! Está a cometer erros que vão manchar as suas mãos de sangue e vai deixar a presidência manchada de sangue. Vamos respeitar-nos ou será que vai repetir um Vietname na América Latina?”, questionou.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Discordo em absoluto desta posição. Os problemas próprios de cada país devem ser resolvidos internamente. Fica, claramente, a ideia de que é fácil ser-se forte com os fracos e fraco com os fortes. Se não vejamos: é comum dizer-se que a China é uma ditadura monopartidária. Quem é que lá foi entrar? A Rússia não é tida como uma democracia ao estilo “ocidental”. Quem é que lá vai? A Correia do Norte é o que todos sabemos. Quem põe lá os pés? E a Arábia Saudita e tantos outros com quem os EUA e a UE têm negócios? Não nos esqueçamos do que aconteceu com o Iraque, com a Líbia e acontece atualmente com a Síria. Por que é que as eleições legislativas na Venezuela são válidas a e as presidenciais já não o são? Por que é que não se pede a Macron para deixar o poder com tantas contestações de que tem sido alvo? O Maduro não está a revelar-se competente, é um facto. Mas quantos como ele não existem por este mundo fora!

RESPONDER

Governo vira-se para Rio para mudar a Lei e garantir o novo aeroporto

O Governo está a preparar uma alteração à Lei para evitar que o projecto do novo aeroporto do Montijo seja chumbado. Uma medida que passará, necessariamente, pela necessidade de um entendimento entre PS e PSD …

"Entretenimento saudável". Santa Casa desvaloriza estudo sobre raspadinhas

O Departamento de Jogos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa desvalorizou a investigação da Universidade do Minho que aponta para o vício das raspadinhas. Esta sexta-feira, um artigo científico publicado na The Lancet alertou para …

"Diga-lhe para ligar ao FBI". Autocarro com a cara do príncipe André circula em Londres

Um autocarro escolar, com a cara do príncipe André, andou a circular por Londres, esta sexta-feira, numa campanha da advogada Gloria Allred para pressionar o filho da Rainha a falar com o FBI. Esta sexta-feira, um autocarro …

Suspeito de terrorismo ouvido em tribunal (com o juiz a recusar ver os seus vídeos por não ter Internet)

O arguido Rómulo Costa, um dos oito portugueses acusados por financiamento ao terrorismo e recrutamento, adesão e apoio ao Estado Islâmico, foi interrogado, esta sexta-feira, na fase de instrução do processo que vai decorrer no …

FC Porto recorre do castigo de um jogo à porta fechada

O FC Porto vai recorrer do castigo de um jogo à porta fechada, aplicado pelo Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) por ofensa a um agente desportivo. "O FC Porto vai recorrer …

Moita Flores investigado por corrupção. Antigo PJ fala em "coincidência" com empréstimo aos filhos

Francisco Moita Flores, antigo inspector da Polícia Judiciária e ex-presidente da Câmara de Santarém, está a ser investigado por suspeitas de corrupção. Há transferências de dinheiro de uma construtora para empresas a que esteve ligado …

SOS Animal vai constituir-se assistente no processo contra João Moura

A SOS Animal anunciou, esta sexta-feira, que se vai constituir assistente no processo criminal contra o cavaleiro tauromáquico detido, na quarta-feira, por suspeitas de maus-tratos a cães em Monforte, no distrito de Portalegre. Em comunicado, a SOS …

SMS de Rangel revelam teia de corrupção na Relação de Lisboa. Juiz Vaz das Neves tem empresa contra a lei

O ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, Luís Vaz das Neves, que foi constituído arguido na Operação Lex, tem uma empresa que se dedica à arbitragem extrajudicial de conflitos, o que constitui uma violação …

Presidente da PwC esteve em Lisboa para controlar danos do Luanda Leaks

O presidente mundial da PricewaterhouseCoopers (PwC) esteve em Lisboa, há duas semanas, para controlar os danos provocados pelo caso Luanda Leaks. Bob Moritz, presidente mundial da PricewaterhouseCoopers (PwC), esteve em Lisboa, há duas semanas, para perceber até …

CM Lisboa vai negociar avenças em parques para moradores da envolvente da Baixa

O presidente da Câmara de Lisboa afirmou, esta sexta-feira, que a autarquia irá tentar acordar com os operadores dos parques de estacionamento da envolvente da Zona de Emissões Reduzidas da Baixa-Chiado a criação de "avenças …