O cérebro tem toneladas de espaço para a memória

arselectronica / Flickr

-

Ao contrário de smartphones, tablets e pen drives, o cérebro humano parece ter uma capacidade infinita. Ainda assim, muitas vezes temos dificuldade para decorar um simples nome, dia de anos ou número de telefone. 

Os neurocientistas têm tentado medir desde há muito tempo quanta informação cabe na memória humana, mas a tarefa torna-se quase impossível quando temos conhecimento de casos de pessoas que realizam feitos incríveis com os seus cérebros.

Um deles é o chinês Chao Lu, que em 2005, quando era um estudante universitário de 24 anos, recitou corretamente os 67.980 dígitos do número Pi (π), durante um período de 24 horas, sem intervalos. Outros génios realizaram façanhas ainda mais incríveis, lembrando-se de detalhes complexos de uma imagem, por exemplo.

Em casos raríssimos, uma lesão pode também dar azo à chamada “síndrome da sabedoria adquirida“. Foi o que aconteceu ao americano Orlando Serrel, que, aos 10 anos, foi atingido por uma bola de basebol no lado esquerdo da cabeça. De um momento para o outro, começou a mostrar-se capaz de se lembrar de inúmeras matrículas de automíveis e a fazer cálculos sobre datas de décadas anteriores.

Mas o que faz a massa cinzenta dessas pessoas superar a memória de um indivíduo comum? O que estes “super talentos” podem ensinar-nos sobre a verdadeira capacidade do cérebro humano?

Bytes cerebrais

A nossa capacidade de memória tem como base a fisiologia do cérebro, que é composto de aproximadamente 100 mil milhões de neurónios. No entanto, apenas mil milhões destes têm funções no armazenamento de recordações antigas, e são chamados de células piramidais.

Se cada neurónio pudesse armazenar apenas uma “unidade” de memória, o cérebro estaria a transbordar de informação. “A quantidade de neurónios existente não é suficiente para todas as informações adquiridas por um indivíduo”, explica Paul Reber, professor de psicologia da Northwestern University, dos EUA.

Os cientistas acreditam que, em vez disso, as lembranças formam-se nas ligações entre os neurónios e ao longo da rede neural. Cada neurónio gera extensões semelhantes a linhas do metro que se cruzam numa única estação, atravessando cerca de mil outros neurónios.

Acredita-se que é essa arquitetura que torna possível aceder a memórias ao longo de toda a teia.É por isso, por exemplo, que o conceito de céu azul pode aparecer em inúmeras lembranças discretas de fatos ocorridos num dia de sol.

Reber chama a esse efeito “armazenamento exponencial“, e é por causa deste que a capacidade de memória do cérebro “salta até à estratosfera”.

“É possível dizer que o cérebro teria muitos petabytes – e um petabyte equivale a 2 mil anos de música em formato MP3”, diz Reber. “Ainda não sabemos ao certo quantas ligações uma lembrança necessita, nem se podemos comparar a sua capacidade com a de um computador. Mas é possível afirmar que o cérebro tem toneladas e toneladas de espaço.”

O gargalo da memória

O que se sabe com certeza é que a memória humana tem alguma limitação intrínseca. Por que não conseguimos lembrar-nos de tudo o que nos chega pelos cinco sentidos – seja ao pormenor ou de todo?

Reber acredita que o cérebro, ao interpretar o mundo que nos cerca, simplesmente não consegue manter-se no mesmo ritmo da torrente de estímulos externos a que estamos expostos. “Existe um gargalo na passagem da informação dos nossos sentidos para a nossa memória”, afirma.

Fazendo uma analogia com um computador, Reber afirma que o limite da memória humana durante a vida não é o espaço no disco rígido, mas sim a velocidade de download dessas informações. “As coisas acontecem mais rapidamente do que a velocidade à qual o nosso sistema de memória é capaz de anotá-las”, conclui.

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Criada para prevenir a guerra, a ONU enfrenta um mundo profundamente polarizado

Criada após a Segunda Guerra Mundial para evitar novos conflitos, a Organização das Nações Unidas (ONU) comemora esta segunda-feira o 75.º aniversário, num mundo polarizado que enfrenta uma pandemia, conflitos regionais, uma economia em declínio …

Mulher cai de carro em movimento enquanto grava vídeo para o Snapchat

Uma mulher, que ocupava o lugar do passageiro de um carro em movimento, caiu numa auto-estrada enquanto filmava um vídeo para a rede social Snapchat, no Reino Unido. Segundo a CNN, a mulher estava pendurada na …

Nos Estados Unidos, a venda de discos em vinil ultrapassou a de CD pela primeira vez desde 1986

Pela primeira vez desde 1986, as vendas de discos de vinil ultrapassaram as vendas de CD nos Estados Unidos em 2020. Os números foram apresentados na semana passada pela Associação Americana da Indústria de Gravação, …

Mourinho espera ganhar sem jogar

Tottenham iria defrontar o Leyton Orient mas também no Reino Unido há jogos de futebol em causa por causa do coronavírus. O encontro entre Leyton Orient e Tottenham, relativo à terceira eliminatória da Taça da Liga …

A máfia italiana tem uma nova arma de recrutamento: o TikTok

Os jovens membros da Camorra, organização criminosa aliada à máfia siciliana, estão a recorrer ao TikTok para divulgar o seu estilo de vida e recrutar novos membros. Em maio, um vídeo foi publicado no TikTok que …

Os três segredos para ter um bom sistema imunológico são gratuitos, avisa Fauci

Manter o sistema imunológico saudável é um dos fatores-chave para lidar com a covid-19, o que não implica necessariamente a toma de suplementos vitamínicos. Há uns tempos, quando confrontado com o facto de a atriz Jennifer …

Pinguim encontrado morto no Brasil com uma máscara inteira no estômago

Um espécime de pinguim-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus) foi encontrado morto numa popular praia brasileira e a autópsia ao corpo revelou que o animal tinha no seu estômago uma máscara de proteção facial N95. O animal foi …

Trump quer restabelecer sanções ao Irão. ONU rejeita apoiar posição norte-americana

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, disse que somente apoiará a restituição de sanções ao Irão, exigidas pelos Estados Unidos (EUA), se receber luz verde do Conselho de Segurança. Numa carta dirigida …

Designer holandês desenvolve "caixão vivo" feito com fibras de fungos

Um corpo humano pode demorar cerca de uma década a decompor-se dentro de um caixão. Com o Living Cocoon, o tempo é reduzido para dois ou três anos. Bob Hendrikx, biodesigner fundador da Loop, desenvolveu e …

Relógio em Nova Iorque mostra o tempo restante para reverter efeitos do aquecimento global

O Metronome, icónico relógio digital de Nova Iorque, deixou de mostrar o tempo do dia-a-dia e mostra agora o tempo restante que o nosso planeta tem para reverter os efeitos do aquecimento global. O relógio digital …