Nova Zelândia declara estado de emergência climática

worldeconomicforum / Flickr

Jacinda Ardern, primeira-ministra da Nova Zelândia

O Governo da Nova Zelândia declarou, esta quarta-feira, o estado emergência em matéria de alterações climáticas, comprometendo-se a tornar o setor público neutro em carbono até 2025 e pedindo ao país para “agir com urgência”.

A primeira-ministra Jacinda Ardern, que classifica as alterações climáticas como “um dos maiores desafios do nosso tempo”, apresentou esta quarta-feira uma moção no parlamento, com a maioria dos parlamentares a votar favoravelmente, após um debate de uma hora, avançou o Guardian.

Ardern afirmou durante a reunião que a moção baseia-se em conclusões do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas, entidade que aconselha uma redução de 45% das emissões até 2023 e zero até 2025 para evitar um aumento de mais de 1,5 grau Celsius no aquecimento global.

No documento, o Governo reconheceu “o impacto devastador que as condições climáticas extremas e voláteis terão na Nova Zelândia e no bem-estar dos neozelandeses, nas indústrias primárias, na disponibilidade de água e na saúde pública devido a inundações, ao aumento do nível do mar e aos incêndios florestais”.

A moção reconheceu a “tendência alarmante no declínio das espécies e da biodiversidade global”, incluindo da biodiversidade indígena da Nova Zelândia. “Esta declaração é um reconhecimento à próxima geração. Um reconhecimento do fardo que eles carregarão se não fizermos isso direito e não agirmos agora”, disse ainda Ardern.

A moção também pediu o reconhecimento do “progresso significativo do país para enfrentar o desafio”, através da assinatura do Acordo de Paris e da aprovação da Lei de Carbono Zero 2019, que compromete a Nova Zelândia a reduzir as emissões.

Essa legislação – que prevê uma Comissão para as Alterações Climáticas com a tarefa de colocar o país no caminho de emissões zero até 2050 – fez da Nova Zelândia um dos poucos países a ter uma meta de emissões zero consagrada em lei.

A primeira-ministra acrescentou que o setor governamental será obrigado a comprar apenas veículos elétricos ou híbridos, a frota será reduzida em 20% ao longo do tempo e todas as 200 caldeiras a carvão usadas nos prédios de serviços públicos serão eliminadas.

A Nova Zelândia juntou-se assim a outras 32 nações – como o Japão, o Canadá, a França e a Grã-Bretanha – que estão a concentrar esforços para combate às alterações climáticas.

Contudo, de acordo com especialistas, o país está longe da sua meta de zero emissões até 2050. Este contribui com 0,17% das emissões globais, com a emissão líquida a crescer 60% nos últimos 20 anos. Está em 17º lugar entre 32 países da OCDE, com os transportes e indústrias de manufatura e construção como a maior fonte de emissões de CO2.

Os partidos de oposição votaram contra a moção, classificando-a como um golpe de marketing. “Declarar emergência climática nada mais é do que um gesto vazio e simbólico. Não vale a pena fazer se não houver intenção de agir no melhor interesse dos neozelandeses”, disse Stuart Smith, porta-voz da oposição para as alterações climáticas.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Em apenas três anos, a Austrália perdeu um terço dos seus coalas

A seca, os incêndios florestais e a desflorestação na Austrália levaram o país a perder um terço dos seus coalas nos últimos três anos. A Austrália perdeu cerca de 30% dos seus coalas nos últimos …

Há modelos matemáticos que preveem se uma música vai ser viral — os mesmos utilizados com a covid-19

O uso de modelos matemáticos para antecipar o nível de sucesso de uma música pode começar a ser usado, a partir da publicação do presente estudo, por artistas e editoras para melhorar o desempenho dos …

Alemanha. Funcionário de posto de combustível abatido a tiro por cliente que se recusou a usar máscara

Um homem de 49 anos matou um funcionário de um posto de combustível na Alemanha, após tentar comprar cerveja sem utilizar a máscara. No país, o uso deste equipamento de proteção é obrigatório para entrar …

Um violino gigante flutuou no Grande Canal de Veneza (ao som de Vivaldi)

No passado fim de semana, um violino gigante, com quase 12 metros de comprimento, desceu o Grande Canal de Veneza. A bordo estava um quarteto de cordas, que tocou Four Seasons de Vivaldi. O Noah's Violin …

Assembleia de credores aprova recuperação da Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros. Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, …

Europeus acreditam numa "guerra fria" entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE), 62%, considera que os Estados Unidos (EUA), com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova "guerra fria" com a China, mas recusam envolvimento nacional, revelou um inquérito …

Desenho de Van Gogh esteve guardado mais de 100 anos. Agora, é exibido pela primeira vez

O Museu de Amesterdão, nos Países Baixos, ganhou um novo inquilino: Study for 'Worn Out', um desenho recém-descoberto de Vincent van Gogh. O holandês Vincent van Gogh ainda continua a impressionar o mundo inteiro com a …

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …

Preços das casas voltaram a aumentar no segundo trimestre

Entre abril e junho, o índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu 6,6% em termos homólogos. A revelação foi feita esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O Índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu …