O nojo pode levar a pensamentos e sentimentos religiosos

Um novo estudo revela que o sentimento de nojo pode estar na base de pensamentos religiosos. O medo de Deus e do pecado mostrou ser maior em pessoas que se enojavam mais facilmente.

Mesmo as pessoas e sociedades mais seculares costumam ter o seu comportamento moldado pela religião. Podemos ver a sua influência nos códigos comportamentais que definem o que é considerado certo e errado. Mas também podemos vê-lo em atitudes mais gerais em relação à autoridade, sexualidade e o que fazer com as pessoas que não seguem esses códigos.

Compreender como a religião — e os seus ecos nos sistemas de crenças seculares — motiva as pessoas a se comportarem de certa maneira é cada vez mais importante numa cultura na qual as pessoas geralmente têm identidades múltiplas e mutáveis.

A questão do que realmente leva as pessoas a se comportarem de maneira religiosa tem irritado os filósofos há milénios. Para muitos com crenças religiosas, o medo de um deus (ou deuses) e a sua ira parece suficiente para mantê-los na linha. Da mesma forma, o pecado ou o medo do pecado, impulsiona certo tipo de comportamento.

Estas formas de escrupulosidade religiosa são influenciadas por uma enorme variedade de fatores sociais e psicológicos. Num recente estudo comportamental é destacado um motivador muito importante e básico que pode estar por trás de ambos os medos: o sentimento de nojo.

O nojo é talvez mais frequentemente associado a alimentos com mau sabor ou pessoas que podem espalhar doenças. No centro da experiência de repulsa está um processo de proteção. Evoluímos a emoção do nojo, porque ele pode proteger-nos de coisas que nos podem prejudicar.

A expressão facial de nojo, que geralmente envolve apertar o lábio superior e enrugar o nariz, cria uma barreira física que impede a ingestão de contaminantes. A resposta que nós sentimos quando ingerimos alimentos estragados ou pensamos em comer coisas repugnantes é uma resposta preparatória para facilitar a expulsão de micróbios potencialmente prejudiciais.

O nojo em resposta a certos comportamentos não nos protege de germes, mas pode impedir uma forma psicológica de contaminação. Comer uma barata ou dormir numa cama em que alguém morreu na noite anterior dificilmente nos prejudica fisicamente, mas podem fazer-nos sentir mal.

Esta forma de nojo não nos protege fisicamente, mas protege contra danos psicológicos. Este tipo de sensibilidade moral é um moderador importante do nosso comportamento.

Medo de Deus, medo do pecado

Um estudo publicado em janeiro na revista Frontiers in Psychology mostra que a sensibilidade baseada no nojo pode desempenhar um papel importante na motivação de comportamentos religiosos específicos. Os cientistas descobriram que a escrupulosidade religiosa pode ser motivada pela sensibilidade ao nojo, sentimentos de nojo por germes e práticas sexuais, mas, paradoxalmente, não por imoralidade.

Os investigadores realizaram dois estudos online. O primeiro envolveu 523 estudantes adultos de psicologia e examinou a relação entre nojo e escrupulosidade religiosa. Este estudo mostrou que as pessoas que sentiam um desgosto particular em relação aos germes tinham maior probabilidade de expressar um medo de Deus. E aqueles com aversão a práticas sexuais eram mais propensos a temer o pecado.

Estes resultados sugerem que há um vínculo entre sensibilidades de nojo e pensamentos e sentimentos religiosos, mas não explicam como estão relacionados. O nojo pode influenciar o desenvolvimento da escrupulosidade religiosa ou vice-versa, ou pode ser uma combinação dos dois.

Para investigar mais este assunto, fizeram um segundo estudo com 165 participantes. Esta experiência envolveu fazer com que alguns participantes se sentissem enojados, mostrando-lhes imagens desagradáveis relacionadas com germes (vómito, fezes e feridas abertas).

Os cientistas compararam o medo de Deus e o medo do pecado com o de outros participantes que não se sentiram enojados. Os participantes que viram as imagens relacionadas a germes expressaram sentir-se dramaticamente mais repugnantes e relataram níveis mais extremos de escrupulosidade religiosa em termos de medo do pecado, mas não de Deus.

Nojo ou dogma?

Estes estudos estão entre os primeiros a sugerir que a emoção básica do nojo pode conduzir a pensamentos e sentimentos religiosos. As conclusões do estudo sugerem que processos emocionais básicos que existem separados da doutrina religiosa podem estar subjacentes a algumas crenças e comportamentos fundamentais da fé.

As crenças e comportamentos religiosos são sem dúvida influenciados pela fé e pelo dogma, e muitas vezes estão enraizados em séculos de prática devota. Ao mesmo tempo, a escrupulosidade religiosa em termos do medo do pecado e do medo de Deus pode ser usada para justificar crenças extremistas e comportamentos prejudiciais, como discriminação ou atos de violência religiosa.

Compreender o papel desempenhado pelo nojo em levar a crenças e comportamentos religiosos extremistas pode ajudar-nos a lidar com os danos sociais que eles causam.

Embora este estudo abra novos caminhos, é claramente necessário mais para explorar e esclarecer os efeitos do nojo no fundamentalismo religioso e as ameaças que isso representa para as pessoas e para a sociedade.

PARTILHAR

RESPONDER

Radovan Karadzic vai ser transferido para o Reino Unido

Radovan Karadzic, antigo líder dos sérvios da Bósnia condenado por genocídio no massacre de mais oito mil muçulmanos bósnios em Srebrenica, em 1995, vai ser transferido para o Reino Unido, onde vai continuar a cumprir …

Adjunta de Matos Fernandes era sócia de empresa que fez negócios com o ministério

Entre 2016 e 2019, a secretária de Estado do Ambiente, Inês Santos Costa, acumulou funções quando integrou o gabinete de João Pedro Matos Fernandes, na qualidade de adjunta, sendo, na altura, sócia de uma empresa, …

Cavaco acusa Governo de Costa de continuar a alimentar "monstro" da despesa pública

Cavaco Silva volta a criticar o Governo de Costa, desta vez por criar “impostos adicionais” sobre “tudo o que mexe” para alimentar “o monstro” da despesa pública. O ex-primeiro-ministro e antigo Presidente da República Aníbal Cavaco …

Dívidas de Vieira investigadas. Com falência à vista, grupo do líder do Benfica pagou viagens de luxo

Afinal, o Fundo de Resolução nunca aceitou a reestruturação das dívidas do grupo empresarial de Luís Filipe Vieira, ao contrário do que foi dito aos deputados na Comissão Parlamentar de Inquérito aos grandes devedores do …

João Rendeiro condenado a 10 anos de prisão

João Rendeiro, antigo presidente do Banco Privado Português (BPP), foi condenado a 10 anos de prisão efetiva esta sexta-feira. O tribunal condenou o ex-presidente do Banco Privado Português (BPP), João Rendeiro, a 10 anos de prisão …

Bloqueio de migrantes. Salvini não vai a julgamento

Matteo Salvini, líder do Liga, não vai a julgamento na sequência do bloqueio do desembarque de migrantes a bordo do navio da Guarda Costeira italiana "Gregoretti", em julho de 2019. Esta sexta-feira, um tribunal italiano decidiu …

Promulgado diploma sobre acesso às praias (com alerta para novo regime de multas)

O "regime contraordenacional, que está previsto para o não cumprimento de um conjunto de regras que temos na área covid, também é aplicado" às regras relativas às praias. O Presidente da República promulgou, esta sexta-feira, o …

PCP vai votar contra reforma das Forças Armadas

Os comunistas consideram tratar-se de uma "alteração significativa" da estrutura de comando, sem dar resposta "a problemas que persistem há largos anos" na instituição militar". O PCP vai votar contra as propostas do Governo para a …

Biden diz que ataque a oleoduto veio da Rússia. Mas exclui envolvimento do Kremlin

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Joe Biden, afirmou na quinta-feira que o ciberataque que paralisou durante vários dias a maior rede de oleodutos do país foi proveniente da Rússia, mas exclui envolvimento do Governo …

Máscaras vieram para ficar. Mas pode haver exceções

A máscara de proteção individual vai continuar a fazer parte do nosso dia-a-dia. No entanto, pode haver exceções para os já vacinados contra a covid-19. O Governo convidou os especialistas a criarem um novo plano e …