Nem todos os dinossauros tinham sangue frio

Doyle Trankina, Gerald Grellet-Tinner / UCLA

Os pequenos ovirraptorossauros da Mongólia são os dinossauros mais próximos dos pássaros atuais

Os pequenos ovirraptorossauros da Mongólia são os dinossauros mais próximos dos pássaros atuais

Cientistas mediram a temperatura corporal de dinossauros com quase 80 milhões de anos analisando quimicamente as cascas dos seus ovos fossilizados, segundo um estudo hoje publicado na revista britânica Nature Communications, demonstrando que variava consoante a espécie.

Uma equipa de investigadores dirigida por Robert Eagle, da Universidade da Califórnia, em Los Angeles (UCLA), utilizou uma técnica pioneira de análise química das cascas fossilizadas, partindo da descoberta que a sua composição depende da temperatura a que foram sujeitas quando se formaram no interior do corpo dos dinossauros fêmeas.

Dois isótopos raros do carbonato de cálcio – ingrediente fundamental da casca de ovo – o oxigénio 18 e o carbono 13, tendem a juntar-se se as temperaturas forem baixas, e a separar-se se forem mais elevadas.

“Esta nova técnica permite-nos definir a temperatura interna do dinossauro fêmea no momento da ovulação”, explica Aradhna Tripati, co-autora do estudo.

O comunicado da UCLA sublinha que se trata das “primeiras medições diretas da temperatura corporal de dois tipos de dinossauros”.

Os investigadores debruçaram-se sobre duas espécies, os grandes saurópodes de pescoço longo, cujos ovos fossilizados foram encontrados na Argentina, e os pequenos ovirraptorossauros da Mongólia, os mais próximos dos pássaros atuais.

Resultado: a temperatura corporal dos maiores era de cerca de 38 graus Celsius e a dos mais pequenos era ligeiramente inferior a 32 graus Celsius.

Tal permite concluir que a temperatura corporal dos dinossauros varia entre diferentes espécies.

Os dinossauros tinham mesmo sangue frio?

Tem sido alvo de debate nos últimos anos na comunidade científica a ideia antiga de que os dinossauros eram animais de sangue frio.

O estudo de Eagle e Tripati vem agora também salientar que a temperatura corporal dos ovirraptorossauros era mais elevada que a temperatura ambiente, o que sugere que os dinossauros não tinham realmente sangue frio, mas antes intermédio.

Nos animais de sangue frio, como os jacarés, crocodilos ou lagartos, a temperatura do corpo é definida pelas trocas térmicas com o meio ambiente.

Nos de sangue quente ou endotérmicos  como os homens, mamíferos ou pássaros, a temperatura corporal é definida por um mecanismo interno, independentemente da temperatura do meio ambiente.

“Os ovirraptorossauros podiam ser uma categoria intermédia, algures entre o crocodilo e o atual pássaro”, explica Robert Eagle.

“Isto pode significar que eles gerem a sua temperatura corporal e podem aumentá-la até ultrapassar a do ambiente, mas não a mantêm tão elevada como os pássaros modernos, a 40 graus Celsius”, acrescenta.

Um estudo anterior conduzido por John Grady, biólogo da Universidade do Novo México, e publicado em junho na revista Science, tinha já chegado às mesmas conclusões, mas através de outra técnica: a partir dos anéis de crescimento dos ossos fossilizados.

Segundo o biólogo, os dinossauros integram-se na categoria intermédia, dita mesotérmica, mais próxima da do atum, de alguns tubarões e de algumas tartarugas.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Elon Musk quer enviar passageiros para o Espaço já no próximo ano

O bilionário Elon Musk, também fundador da fabricante de automóveis elétricos Tesla, fez um anúncio surpreendente: quer que pôr passageiros no Espaço já em 2020. “Isto pode soar totalmente louco, mas queremos tentar entrar em órbita …

Cientistas reverteram principal sintoma da esquizofrenia em camundongos

Um medicamento que está atualmente a ser desenvolvido para tratar a leucemia reverteu (em camundongos) um sintoma de esquizofrenia anteriormente intratável: o enfraquecimento da memória de trabalho. A memória de trabalho é um processo cerebral fundamental usado …

Para as criaturas marinhas, as doenças infecciosas são a sentinela da mudança

Uma recente investigação analisou as mudanças nas doenças relatadas em espécies submarinas num período de 44 anos. A conclusão não surpreende: a saúde dos oceanos está a piorar a passos largos. A compreensão das tendências oceânicas …

Solidariedade e ambiente. Nos EUA, já é possível doar as suas peças Lego

Nunca somos demasiado velhos para brincar com peças Lego. No entanto, se estiver a ficar sem espaço para as arrumar e estiver à procura de uma forma de garantir que os seus blocos acabam em …

Eis os primeiros smartphones pensados e fabricados em África

https://vimeo.com/365789486 No Ruanda nasceram os primeiros rebentos do grupo Mara, que anunciou o lançamento dos seus dois primeiros smartphones. São os primeiros a serem totalmente fabricados em África. Estes são os dois primeiros smartphones totalmente fabricados em …

Siza Vieira recebe Grande Prémio da Academia de Belas-Artes francesa

O arquitecto Álvaro Siza Vieira recebeu o Grande Prémio de Arquitetura da Académie des Beaux-Arts, pelo conjunto do seu percurso, no valor de 35 mil euros. “É uma grande honra, porque é um prémio importante. É …

Para os jovens refugiados, um telemóvel pode ser tão importante quanto comida ou água

Entre 2015 e 2018, mais de 200.000 jovens não acompanhados reivindicaram asilo na Europa. Muitos deles, agora na União Europeia, têm uma coisa em comum: os seus smartphones. Não são apenas ferramentas para entretenimento nem uma …

Cientistas observaram pela primeira vez porcos a usar ferramentas

Uma equipa de cientistas registou pela primeira vez uma família de javalis das Visayas, num jardim zoológico em Paris, a usar paus para cavar e construir ninhos. Os porcos não gostam só de chafurdar na lama …

Transição verde: o mundo tem muito a aprender com uma pequena cidade na Islândia

Uma pequena cidade no norte da Islândia tornou-se quase neutra em dióxido de carbono (CO2). Uma equipa de cientistas viajou até ao país insular nórdico para descobrir como podemos aprender com esta cidade. Atualmente, as cidades …

Adolfo Mesquita Nunes não será candidato à liderança do CDS

Adolfo Mesquita Nunes anunciou este domingo que não será candidato à liderança do CDS. A garantia foi deixada pelo próprio, na sua página pessoal de Facebook, depois de ter sido desafiado por António Pires de …