NASA “cozinha” atmosferas alienígenas na Terra

NASA

Uma equipa de cientistas do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA (JPL), localizado na Califórnia, conseguiu criar uma atmosfera na Terra que se assemelha a um tipo especial de planetas extrasolares, os “Júpiteres quentes”. 

Um exoplaneta orbita não o Sol, mas antes outras estrelas. Por sua vez, os “Júpiteres quentes” orbitam em volta das suas estrelas numa distância relativamente curta, sendo o seu período de rotação de apenas apenas 10 dias.

A proximidade destes planetas com as estrelas quentes faz com que as temperaturas nas suas atmosferas sejam muito elevadas, entre 530 e 2.800 graus Celsius, de acordo com um comunicado do JPL publicado esta semana na sua página oficial.

As atmosferas destes planetas também têm outra qualidade: são muito nebulosas mesmo em grandes altitudes e em condições de baixa pressão, quando as nuvens não se devem formar. Para explicar a sua aparência, os especialistas da NASA decidiram “cozinhar” atmosferas semelhantes nos seus laboratórios. No fundo, e tal como escrevem na nota de imprensa, estão a “cozinhar atmosferas alienígenas na Terra”.

Para a instigação, a equipa misturou hidrogénio e monóxido de carbono – elementos muito comuns no Universo e que podem fazer parte da composição da atmosfera destes planetas -, aquecendo depois os elementos num forno de elevada temperatura (330 a 1.230 graus Celsius). Depois de aquecidos, foram expostos a uma elevada dose de radiação ultravioleta. Enquanto o aquecimento da mistura não produziu resultados, a radiação ajudou a produzir a névoa.

“Embora seja impossível simular em laboratório de forma exatas estes ambientes hostis de planetas extrasolares, podemos aproximar-nos muito”, explicou Murthy Gudipati, líder de investigação e autor principal do estudo cujos resultados foram publicados no fim de janeiro na revista especializada The Astrophysical Journal.

Para Benjamin Fleury, do mesmo laboratório, os resultados conseguidos com esta investigação melhoram a forma como os cientistas interpretam as atmosferas nebulosas dos “Júpiteres quentes” atualmente.

Segundo Fleury, a equipa pretende continuar a estudar as partículas que “moram” na atmosfera destes exoplanetas, de forma a melhor “entender melhor como se formam, como absorvem a luz e como reagem às mudanças do ambiente”.

“Toda esta informação pode ajudar os astrónomos a perceber o que estão a ver quando observam estes planetas”, rematou o cientista.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Greenpeace na lista de grupos extremistas da polícia britânica

As organizações ambientalistas Greenpeace e Extinction Rebellion foram incluídas num documento da polícia britânica contraterrorismo que elenca grupos extremistas e potencialmente perigosos, escreve o jornal The Guardian. De acordo com o diário britânico, que avança a …

PGR de Angola quer julgar portugueses em Angola (e admite ir atrás de outros "poderosos")

O procurador-geral da República de Angola, Hélder Pitta Grós, considerou, em entrevista ao jornal Expresso, que os os três arguidos portugueses envolvidos na investigação à empresária Isabel dos Santos devem ser julgados em Angola. “Nós achamos …

Há dezenas de medicamentos não oncológicos capazes de matar células cancerígenas

Uma nova investigação concluiu que existem dezenas de medicamentos não oncológicos capazes de matar células cancerígenas em laboratório. O estudo, cujos resultados foram esta semana publicados na revista Nature, descobriu que alguns medicamentos para a diabetes, …

Sismo na Turquia faz pelo menos 14 mortos

Pelos menos 14 pessoas morreram e cerca de 300 ficaram feridas depois de um sismo de magnitude preliminar 6,8 na escala de Richter ter atingido esta sexta-feira o leste da Turquia, havendo também relatos de …

Haaland, o menino prodígio do Dortmund, chegou aos cinco golos em menos de uma hora

Com dois golos apontados ao Colónia esta sexta-feira, numa partida que acabou com a goleada do Borussia Dortmund (5-1), Erling Haaland chegou ao seu quinto golo ao serviço do emblema alemão em menos de uma …

As ilhas havaianas atingem o jackpot da longevidade (e já se sabe porquê)

As ilhas vulcânicas não duram para sempre, mas há algumas que atingem o jackpot da longevidade. De acordo com uma nova investigação, a explicação prende-se com dois fatores: a velocidade da placa tectónica e o …

Uma inexplicável explosão de ondas gravitacionais atingiu a Terra (e atordoou os astrónomos)

Uma equipa de investigadores detetou uma misteriosa explosão de ondas gravitacionais, cuja natureza deixou os astrónomos totalmente perplexos. O fenómeno foi registado a 14 de janeiro deste ano pelo Observatório de Ondas Gravitacionais por Interferómetro Laser …

O mar interno da misteriosa Encélado "grita" habitabilidade

Uma equipa de especialistas desenvolveu um novo modelo geoquímico que revela que o dióxido de carbono do interior de Encélado, lua de Saturno que abriga um oceano, pode ser controlado através de reações químicas no …

Os Simpsons podem ter previsto o surto do novo coronavírus da China

A série de televisão animada "Os Simpsons" é conhecida por ter feito profecias que, com o passar do tempo, se tornaram mesmo realidade. Agora, os fãs do programa parecem ter encontrado um episódio que prediz …

Identificada nova espécie de dinossauro que viveu há mais de 150 milhões de anos

Paleontólogos identificaram, nos Estados Unidos, uma nova espécie de dinossauro do género dos alossauros, que viveu há mais de 150 milhões de anos. A espécie, que tem o nome de Allosaurus jimmadseni, foi identificada a partir …