Estudar música ou falar mais do que uma língua torna o cérebro mais eficiente

Uma equipa de cientistas do Centro de Cuidados Geriátricos de Baycrest, no Canadá, realizou uma investigação e concluiu que músicos bilingues têm um cérebro mais eficiente.

Cientistas do Centro de Cuidados Geriátricos de Baycrest, no Canadá, realizaram uma investigação e concluíram que músicos bilingues utilizam menos recursos cerebrais na realização de tarefas.

A experiência provou que estas pessoas apresentam menos atividade cerebral e ativam diferentes recursos do que aqueles que não estudam música e não aprendem, pelo menos, mais uma língua além da materna.

Segundo a Visão, a investigação contou com o contributo de 41 participantes, com idades compreendidas entre os 19 e os 35 anos que se encaixam numa das três possíveis situações: falavam inglês mas não sabiam música; eram músicos e só falavam inglês; eram bilingues e não tocavam nenhum instrumento.

Durante a experiência, foi-lhes pedido que identificassem sons, que eram de ambientes ou de instrumentos, e solicitado as direções dos sons que ouviam. Ao mesmo tempo, os cientistas recolheram imagens dos seus cérebros.

Os participantes que eram músicos foram mais rápidos a lembrar-se do tipo de som, enquanto que os bilingues e os que falavam apenas uma língua ficaram ao mesmo nível. Já no que diz respeito à localização de sons, os bilingues e os músicos triunfaram.

Claude Alain, um dos autores do estudo, adianta que “as pessoas que falam duas línguas podem demorar mais tempo para processar os sons, já que as informações são executadas através de duas bibliotecas de idiomas, em vez de uma”.

“Durante esta tarefa, os cérebros dos bilingues mostraram-se mais ativos em áreas que são conhecidas pela compreensão da fala, apoiando esta teoria”, acrescenta a investigadora.

Os cientistas já tinham identificado uma melhor memória operacional nos músicos e bilingues, isto é, uma maior capacidade de se lembrar de coisas mais facilmente, como um número de telemóvel.

“Estas descobertas mostram que músicos e bilingues não se esforçam tanto a realizar a mesma tarefa, o que também poderá protegê-los contra o declínio cognitivo e retardar o início da demência”, conclui Alain.

A especialista refere ainda que os resultados mostraram também que as experiências de uma pessoa, quer a aprender a tocar um instrumento ou outro idioma, podem “moldar o funcionamento do cérebro e quais as redes que usa”.

PARTILHAR

RESPONDER

Autarca de Vieira do Minho denuncia: testes estão a ser desviados para Lisboa

O Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Gerês/Cabreira, Vieira do Minho, detetou 77 infetados pelo novo coronavírus, com os autarcas da área a reclamarem contra a demora na distribuição de testes, disse esta sexta-feira à …

Trump recomenda uso de máscaras (mas recusa-se a usá-las)

Esta sexta-feira, os Estados Unidos tiveram, pelo quarto dia consecutivo, o maior número de mortes em 24 horas, num total de 1.094, e contam com quase 30 mil novos casos. No seu briefing diário, de acordo …

A Antártida já foi uma floresta tropical

A Antártida pode ter sido o lar de ecossistemas quentes e pantanosos cercados por fetos e árvores coníferas há 90 milhões de anos, altura marcada pelo auge dos dinossauros. Uma análise do solo antigo extraído da …

Algumas estrelas têm "veneno" dentro de si (e é por isso que explodem)

Algumas estrelas têm um "veneno" dentro de si: o elemento néon no núcleo das estrelas pode desencadear uma reação química que leva a uma morte definitiva e explosiva. Estrelas menos massivas, como o nosso Sol, expandem-se …

Criada tecnologia que traduz pensamentos diretamente em texto

Uma equipa de investigadores diz ter criado um sistema capaz de traduzir sinais cerebrais diretamente em texto escrito. Este é um passo promissor para que no futuro seja possível escrever num computador apenas com o …

Desaparecimentos, mistérios e lendas. O Triângulo do Alasca pode ser mais perigoso do que o das Bermudas

Milhares de pessoas desaparecem todos os anos no estado norte-americano do Alasca, fazendo lembrar as histórias do Triângulo das Bermudas, onde aviões e navios desapareceram sem deixar rastro. De acordo com a revista The Atlantic, três …

Descobertas sete novas aranhas-pavão. E uma parece um quadro de Van Gogh

Foram encontradas sete novas espécies de aranha do género Maratus. E há uma que se destaca por se parecer com "A Noite Estrelada", famoso quadro de Vincent Van Gogh. Nos últimos anos, as aranhas-pavão (do género Maratus) …

Estado de emergência no México suspende produção de cerveja Corona

Nem toda a publicidade é boa publicidade. Que o diga a cerveja mexicana Corona que, em tempos de pandemia, partilha o nome com o vírus de que já ninguém quer ouvir falar. Segundo o jornal The …

Gás natural pode transformar Moçambique no "Qatar de África" (se os jihadistas deixarem)

A descoberta de gás natural em Moçambique é vista como uma grande esperança para o país que, à boleia dos avultados investimentos que está a receber de grandes multinacionais, sonha tornar-se no "Qatar de África". …

Afinal, os 1.000 ventiladores doados por Elon Musk podem não ser completamente inúteis

Elon Musk, CEO da Tesla, doou mil ventiladores do tipo errado a hospitais da Califórnia, que enfrentam um número esmagador de casos de coronavírus. Agora, afinal, os ventiladores vão poder ser usados em casos de …